Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Floresta


 
E lá estava ele, mais uma vez contemplando o amor, não uma mulher qualquer, mas sim a que seu coração elegeu como a dona de sua vida, de seus atos, de seus pensamentos. Podia agora e queria mais que tudo apenas olhar seu corpo dormindo entregue sobre a cama ainda carregando os sinais do amor que acabaram de fazer. Era sem dúvidas a mais bela visão de toda sua vida.
 
Era já um homem maduro em seus 48 anos. Nunca estivera envolvido com mulher alguma. Nunca conhecera a força do amor ou a suavidade do toque de quem ama. Nunca se perdera pensando no tempo que o relógio segurava em si e que faltava para ter novamente a felicidade em suas mãos... Sim, de fato a vida lhe pregara agora a mais bela peça, tão bela como jamais ousou imaginar possível. Era um homem maduro, vivido, experiente. Alcançara o sucesso profissional pelo qual tão arduamente lutara. Tinha o respeito e reconhecimento tão merecidos pelos anos dedicados à medicina. Como médico, dedicara-se em tempo integral aos seus estudos, pesquisas e pacientes. Não descansava, até mesmo sua vida pessoal deixou de lado tamanho o amor à profissão escolhida antes pelo pai, hoje por si mesmo. Infectologista, dedicava-se em salvar vidas e aos estudos buscando respostas que certamente mudariam o rumo da medicina. Para tanto havia se mudado para uma aldeia no coração da Amazônia, aonde uma tribo vinha apresentando uma doença ainda desconhecida e antes que se tornasse uma epidemia, alguns médicos decidiram por mudar-se para lá esperando assim, mais perto, descobrir causas e curas.
 
Chegando ao improvisado hospital sem quase nenhuma infra-estrutura, já pode perceber que seu trabalho ali seria muito difícil, mas como adorava desafios, sentiu-se animado a iniciar imediatamente seu trabalho e assim o fez. Colocou-se a arrumar os equipamentos que trouxera e pos a dar início ao trabalho. A noite já ia longe quando abruptamente foi chamado pelos aldeões. Havia ali uma jovem que pelos sinais apresentados, havia sido infectada pela cruel doença. Ao vê-la ali desacordada, tratou de acomodar-lhe em um dos leitos também improvisados e prestar-lhe os primeiros socorros. Todos os três médicos iniciaram a luta para salvar a jovem de tão cruel destino.
 
Os sinais apresentados eram febre altíssima, provável causa das alucinações dos pacientes, dores fortes no corpo iniciando pelo estomago, fígado e rins e se espalhando por todo organismo a ponto de tirar-lhes os movimentos e por fim, sangramento. Sangravam pelos olhos, nariz, boca, ouvidos até que, virando hemorragia não havia mais muito a fazer.
 
No momento, ela seria seu maior desafio. Estava ainda no primeiro estágio e teria que controlar a febre. Como faria para descobrir a causa daquela doença num ambiente tão rudimentar como aquele? Tinha que dar um jeito, sabia que algo deveria ser feito, e o fez. Tentou os antibióticos mas eles de nada adiantaram. Já não sabia mais o que fazer, seus colegas estavam perdidos não achando uma saída para salvar aquela paciente. Mesmo assim ele não desanimava, ainda tentava achar algo, algum sinal que lhe mostrasse o caminho.
 
Três longos dias já se iam quando um dos aldeões lhe trouxe uma erva. Era um homem rude, vestido de forma diferente e carregava em uma das mãos um cajado. Trazia no pescoço um colar com objetos diversos que talvez mostrasse aos que entendessem, um pouco da sua crença. O pequeno homem nada disse, apenas lhe entregou as ervas e sumiu no meio da noite, assim como chegou. Não havia mais muito a fazer,  a moça com febre altíssima fora amarrada à cama pois se agitara demais com as alucinações, o que acabara lhe colocando em risco. Ele então, ferveu as folhas e deu-lhe a beber sentando-se ao seu lado. Rezou. Pensava nesse momento no tempo em que era criança, a conversa que tinha com Deus, o mesmo Deus que hoje recorria após tantos anos... Será que Deus ainda se lembrava dele? Será que o atenderia mesmo com todos esses anos em que se ausentou de Sua presença? Dormiu ali ao lado da jovem agora mais calma, pois a febre parecia estar diminuindo.
 
Nunca, em toda sua vida havia visto algo assim. O dia trazia-lhe um azul imensurável. Embora forte o calor, o frescor da mata que cercava a aldeia abraçava a todos e seu corpo agradecia o frescor. Deitada à sua frente, a jovem o olhava. Seus olhos o capturavam sem soltar-lhe, penetrando sua alma, seus pensamentos, seu coração... A alegria de vê-la bem e sem febre deu lugar às ondas que corriam seu corpo provavelmente provocado pela força do olhar daquela mulher. Colocou-se a lhe examinar e constatou que a infecção havia sumido, desaparecido como que por encanto. Pedindo aos seus auxiliares que a alimentassem, saiu em busca da resposta para tal milagre. Que erva seria aquela? Quem seria aquele aldeão que a trouxera sem ao menos proferir uma única palavra? Vendo que a jovem já vinha sendo assistida, levantou-se para ir atrás do homem que lhe trouxe as ervas quando suas mãos delicadas o seguraram. Ao virar-se pode ver que sentia por ela algo como nunca sentira na vida, percebeu a importância de tê-la curado, não para a ciência, para a medicina, mas para si mesmo. Pela primeira vez em sua vida via-se extremamente egoísta e não se culpava por isso.
Tocou-lhe a face com o cuidado de quem toca um cristal e prometeu-lhe que voltaria.
 
Já na aldeia, buscava por pistas que o levassem ao homem que lhe trouxe as ervas quando uma mulher aproximou-se lhe tocando o braço. Era uma das anciãs que restou no local. Ela apontou-lhe um caminho e ao ver seu olhar, entendeu que ela sabia o que ele procurava. Sem titubear, avançou pelo atalho aberto à sua frente que o levaria para o interior da mata fechada que rodeava o local. Não pensava em mais nada, apenas queria encontrar o tal homem, quem sabe lhe daria respostas que até agora não havia ainda encontrado para combater a tal infecção?
E assim foi em sua jornada. As altas árvores escureciam o interior da mata e quanto mais andava, mais fechada à mata se tornava. Andou quase o dia todo sem parar, quando pensou já não mais agüentar, avistou ao longe uma clareira e no seu centro, o homem que o olhava como se o estivesse esperando. Parou ali mesmo sem saber se deveria ou não continuar. O homem pequeno o olhava fixamente e, lentamente virou-se, olhou-o novamente e seguiu por uma trilha. Ele pos então a segui-lo sabendo que o deveria faze-lo e em silencio colocou-se a caminhar. O ancião o levou a uma parte da mata onde parecia nunca haver sido pisada por branco algum. Tudo parecia ter sido jogado por Deus ali e ali ficado, intacto como o dia de sua criação. O ancião olhando-o, levantou o cajado, mostrou-lhe a erva e antes que ele lhe perguntasse tudo o que queria saber a respeito de quem seria, desapareceu como mágica. Ele, assustado, pegou as ervas e na aldeia iniciou suas pesquisas imediatamente. O ancião nunca mais lhe saíra da cabeça, não entendera ao certo o que aconteceu nem mesmo se de fato algo aconteceu. Sabe apenas que encontrou a erva e entendeu que algumas respostas, jamais teremos, não importa o caminho ou atalho que se pegue, importante é o fim do mesmo, o encontro, a cura que conseguira graças àquela erva que lhe mostrava o caminho do mais eficaz antibiótico natural.
 
Assim ele conseguiu a cura que procurava. Os aldeões foram todos curados. A aldeia voltava agora a sua vida normal, os médicos começaram a voltar aos seus lugares de origem. Teria apenas mais uma noite naquele lugar. Estava ali sentado, olhando o céu que lhe falava nas inúmeras estrelas que iluminavam a terra quando ela chegou e sentou-se ao seu lado. Nada foi dito, nada ouvido, apenas ficaram ali sentados, um ao lado do outro se permitindo sentir à alma um do outro. Ele sabia que tinha que voltar para dar continuidade ao trabalho ali iniciado, a deixaria ali. Ela o olhou, tocou-lhe a face e suavemente o beijou. Um beijo apenas e o amor aconteceu, personificou o sonho fazendo com que encontrasse a origem de si próprio.
Na mesma cama onde agonizou a jovem, médico e paciente se amaram na loucura dos que recebem por merecimento toda sabedoria universal. Muito mais que físico, cada orgasmo o remetia ao interior de um universo que até então não conhecia. Alfa e omega encontrando-se num pólo único que alinhavam conhecimentos até então adormecidos pelas inúmeras matérias que pode então vestir. Aquela mulher lhe mostrou muito mais que um caminho, mostrou-lhe a própria salvação ao encontrar em seus olhos a alma um dia perdida nas dores e mortes que carregava em suas mãos.
Naquela noite ele sentiu-se remido e resgatado. Recebera de volta à própria vida e sabia que tudo seria diferente, novos caminhos, novos sonhos, novas auroras estavam por vir.
 
Olhou-a novamente  entregue sobre a cama ainda carregando os sinais do amor que acabaram de fazer, pegou suas coisas e lentamente saiu levando consigo um amor que jamais ousou imaginar existir, um amor que duraria pra sempre pois era parte dele e, naquela noite ele havia descoberto que a eternidade existe e que ele, homem amor que se tornará, era tão eterno quanto a própria eternidade...
 
 
04/08/2006

Aisha
Enviado por Aisha em 10/08/2006
Código do texto: T213371
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35175 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:22)
Aisha