Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MENINO QUE QUERIA SER DOUTOR - Capítulo VII

     Afinal chegou o grande dia: o dia em que eu iria entrar pela primeira vez em uma escola.

     Levantei-me bem cedo, arrumei-me e fiquei esperando alguém levantar. Ouvi ruídos na cozinha, era dona Carolina que já estava passando o café.

    Logo depois do café, fomos para a escola. Meu coração estava acelerado, tamanha a emoção!

     - Cuide bem do Francisco, filhos, não o deixe sozinho, pois não é acostumado com cidade grande. - falou dona Carolina, passando a mão na minha cabeça.

     - Pode deixar, mamãe, nós tomamos conta dele. - falou Eduardo com a voz bem firme.

     Chegamos em frente a escola. Toda aquela criançada perto do portão esperando que tocasse o sinal. Para mim foi uma verdadeira emoção.

     Tocou o sinal, que ecoou no meu peito e as crianças se encostaram no portão e vinham as professoras com as listas na mão falando o nome dos alunos.

     Chegou a professora do 1º ano, Dona Matilde. Chamávamos de dona por respeito, mas era muito jovem, deveria ter uns dezoito anos, era magrinha, os cabelos bem longos e pretos. Era simplesmente encantadora, tratava os alunos como se fossem a coisa mais preciosa de sua vida.

     Chamou seus alunos e entre eles estava o meu nome Francisco de Assis da Silva Souza e Augusta Vilas Boas. Outra surpresa para mim. Eu não sabia que aquele seria o primeiro ano de escola de Augusta.

     Entramos. Para mim estava sonhando... Eu não acreditava que estava acontecendo comigo.

     Aquele dia, como os outros que vieram foram maravilhosos.

                   *   *   *

     Estava muito bem na escola. Em casa ajudava dona Carolina como ajudava minha mãe na fazenda.

     Ocupava todo o meu tempo só para não cair no abismo da saudade que me consumia a cada segundo que ficava me lembrando da minha família.

     Ficava horas, ao me deitar, mergulhado em pensamentos: Será que meus irmãos iriam continuar sem escola? Seriam toda a vida meninos sem estudo? Minhas irmãs iriam continuar na fazenda até encontrarem outro coitado e se casariam e teriam filhos, o quanto Deus dava, como meus pais?

     Aquilo tudo me fervilhava na cabecinha de criança que não sabia porque me preocupava tanto com o futuro.
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Enviado por Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles em 18/08/2006
Código do texto: T219428
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 58 anos
152 textos (4029 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:02)