Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A PESCARIA



   Todos os sábados  eu, meu pai, um tio, um primo,  um sitiante, o gerente do banco local e o médico da cidade, íamos pescar.

   Todos muito amigos, às vezes acompanhava  meu cunhado, o dentista da escola.

   Saíamos, eu e o primo, logo de manhã, pois, deveríamos preparar o local, arrumar a "traia", limpar o poço ( meu pai, meio estabanado, era especialista em enroscar o anzol - no arremesso ou na fisgada, sempre dava trabalho pra gente ( era campeão em peixe-galho, peixe-folha e peixe-pau ),  arrumar lenha e fazer o almoço para o pessoal que chegaria com baita fome.

   Uma vez procuramos um local mais afastado da estrada e com ampla área arborizada, com um poço na curva do rio, que nos pareceu piscoso. Jogamos um pouco de farelo e deixamos descer...  logo lambaris passaram a pular... bem o local era promissor.

   Desbastamos alguns galhos que pendiam sobre o poço, limpamos o local para fazer o "rancho", como era de lei, colocamos duas garrafas de cachaça dentro d'água ( pra ficar frequinha), tomamos um gole e lembramos de que poderia haver enrosco dentro do poço.

   Mais uma talagada da "mardita", entramos n'água e passamos a fazer uma varredura de galhos e troncos submersos, tudo para facilitar a vida dos experts na difícil e dolorosa missão de fisgar uns coitadinhos mas velozes lambaris.

   Antes que o pessoal chegasse, lembramos que para se dirigir ao local, havíamos saltado uma vazante de mais ou menos dois metros de largura e imaginamos que os senhores, nossos amigos, poderiam não conseguir pular o sulco. Para facilitar a vida deles, decidimos fazer uma pinguela.

   Procuramos e depois de um certo tempo encontramos um tronco ( não queríamos cortar uma ávore pra isso- além de não termos ferramenta adequada, seria um desperdício) que serviria para a travessia.
   
   Lá pelas onze horas, ouvimos o barulho dos carros e a batida das portas. Chegaram.

   Após uns minutos , gritamos para orientá-los em que direção deveriam seguir.

   Passados uns cinco minutos os ouvimos próximos e logo umas gargalhadas....

   Agurdamos chegarem...

   Estavam alegres, mas o médico estava com a antiga calça branca toda amarronzada, suja e molhada.

   Ao perguntar o que havia acontecido ele respondeu:

   - Voces fizeram uma maldita pinguela estreita e ecorregadia a qual me fez cair na vala, mas podem ter certeza, me molhei todo, mas o litro de pinga saiu ileso!

   Foi um riso só...
GDaun
Enviado por GDaun em 19/08/2006
Código do texto: T219947

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
GDaun
Lupércio - São Paulo - Brasil, 72 anos
653 textos (43005 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:57)
GDaun