Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O NOVO PROFESSOR

 
     Quando nossa professora de Educação Física entrou de licença para ganhar nenê, nós ficamos na expectativa. Quem será a nova professora? Puxa, a Julinha era tão legal, dava aulas tão animadas, mesmo estando com um barrigão de quase dez meses. Por umas três aulas, quem a substituiu foi a chata da professora Clarice, que odiava meninas adolescentes, mas vivia puxando o saco do garotos. Nós simplesmente ODIÁVAMOS a Clarice. Uma tarde, então, ela chegou para nós no final da aula e anunciou que um novo professor estava chegando para dar aula somente para as meninas. Exultamos, lógico. Qualquer um era melhor que a xarope da Clarice.
      A tarde se passou e um pouco antes de a campainha tocar para irmos embora, a Beta entrou correndo na sala de aula, sentou ao nosso lado e sussurrou, com os olhos brilhantes:
- Eu estava saindo do banheiro quando dei de cara com ele!
- Ele quem? – perguntamos em uníssono.
- Com o nosso novo teacher! Meninas, ele é simplesmente tudo de bom! Um fofo!
       Prendemos a respiração. Meu estojo caiu no chão, espalhando tudo que tinha dentro. Nem me prestei para juntar.
- Mas como você sabe que era ele?! – perguntei, alucinada.
- Porque a diretora estava junto, mostrando a escola. E mais, o lindo vestia roupas de professor de educação física. Então é ele!
       A campainha tocou e nós saímos alvoroçadas. No caminho, a Beta o descreveu: alto, loiro, olhos azuis ou verdes, muito gostoso. Cheguei em casa apaixonada. Eu e minhas cinco amigas estávamos todas encantadas com a perspectiva de um professor tão bonito para nos dar aulas. Nunca mais, com certeza, eu mataria as aulas de Educação Física para namorar o Guto na pracinha ao lado da escola.
       Numa tentativa de ficar mais atraente, consegui convencer minha mãe a comprar uma calça moderna de cotton para fazer ginástica. Não resolveu muito por causa das minhas pernas finas. Mas quando no dia da aula eu vesti a calça, as meninas fizeram beiço. Nenhuma tinha tido idéia semelhante. O Guto me olhou meio torto, mas eu também não estava nem aí. Eu só queria conhecer o nosso novo teacher.
       Na hora da aula, depois do recreio, fomos todas para a quadra de esportes, nos cutucando, dando risadinhas, nervosas. Aquela malha de ginástica me esquentava horrores, coçando minhas pernas, mesmo assim eu achava que valeria a pena. Com certeza, quando ele me visse, se apaixonaria por mim.
       Então ele apareceu. A professora Clarice o trazia e realmente ele era lindo. Minhas pernas ficaram totalmente bambas. Creio que as outras meninas tiveram uma reação igual a minha. Adolescentes embasbacadas com um belo espécime loiro que caminhava charmosamente em nossa direção. Em segundos, me vi casada com ele.
       Os dois pararam a nossa frente. O silêncio era total. Nós todas estávamos com os olhos cravados nele, em total devoção. Clarice começou a falar:
- Meninas, como eu já havia dito na última aula, este é o professor Roberto, que irá ficar no lugar da professora Julia – e nos vendo de boca aberta, ela completou – Tenho certeza de que você não terá problemas, Roberto.
- Acho que nós nos daremos muito bem, não é, garotas?
       A voz… nunca ouvi uma voz como aquela. A voz do professor Roberto era algo parecido com uma taquara rachada misturado com um disco arranhado, daqueles de vinil. Nem acreditei. Minhas colegas também ficaram abismadas. Jogamos vôlei – que eu odeio – durante uma hora e meia. Além de ter uma voz dos infernos, o cara era super exigente, um completo ditador. Perdi a conta de quantas vezes ele me xingou porque eu não acertava os saques e ainda tinha que assistir de longe o Guto e os meninos rindo da nossa cara. Quando a aula terminou, saí jurando que iria embora daquela escola horrorosa, bati no Guto e cheguei em casa chorando. Não picotei a calça de cotton porque minha mãe as escondeu. Roguei todas as pragas possíveis e mal dormi de noite. No outro dia, quando cheguei na escola, fui informada que o professor caíra dentro de um buraco e quebrara a perna. Nunca rimos tanto. A professora Clarice foi obrigada a nos suportar o resto do ano e eu fui aprovada em Educação Física com louvor.
Patrícia da Fonseca
Enviado por Patrícia da Fonseca em 20/08/2006
Código do texto: T221134
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patrícia da Fonseca
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 46 anos
573 textos (37925 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:23)
Patrícia da Fonseca