Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Comadre "A"


Uma personagem inesquecível da minha infância é cumade “A”. uma mulher estranha, vestida de roupas escuras, trazendo sempre debaixo do braço sua trouxa de roupas com o odor característico de urina. Ela andava sempre pelas calçadas da Av. Santos Dumont atual Av. Antonio Denguinho Santana e pela praça Dionísio Rocha de Lucena. Alimentava-se da comida dada pelos moradores daquela rua e dormia em qualquer uma das calçadas e nas noites chuvosas abrigava-se na sala de espera de alguma das residências da citada rua, inclusive na nossa.

Apesar de não gostar muito de conversa, não se irritava com as crianças e nunca as agredia. Era uma louca pacífica. Nunca se referia claramente aos seus familiares, mas jamais esqueceu a data 23 de janeiro talvez por registrar algo importante ou quem sabe trágico da sua vida.

Tratava a todos por comadrinha ou compadrinho. Especialmente na hora de servir-se de uma pinga na bodega do Sr. Neco Matias, quando dizia: “Cumpadim me da um tiquim de confissão”.
Na sua velhice ou melhor na doença que a vitimou foi acolhida por D. Mariínha, esposa do Major José Francisco, que a assistiu em sua residência até à morte e a sepultou juntamente à comunidade, no cemitério local.

Comadre “A” faz parte da lista dos inesquecíveis por quem costumo rezar.
marineusa
Enviado por marineusa em 01/09/2006
Código do texto: T230128

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (marineusantana@hotmail.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
marineusa
Brejo Santo - Ceará - Brasil, 71 anos
1726 textos (322759 leituras)
39 áudios (29264 audições)
18 e-livros (9104 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:51)
marineusa