Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cotidiano

Cotidiano

             No primeiro dia, um homem bateu palmas e pediu um copo d’água; a velha senhora concedeu.
No segundo dia: “...um pão dormido estaria bom!”; a gentil senhora de novo atendeu.
No terceiro dia: “...não teria uma sobrinha de comida?”: a boa senhora requentou.
No quarto dia, a terna senhora foi para a fila do hospital público às 5h. retornou às 17h e 37 min, naturalmente, sem atendimento.
No quinto dia, o homem reclamou a sua ausência e, na companhia de um igual, almoçou na varanda com direito a varias mangas do quintal.
No sexto dia, mais dois amigos vieram, sentaram-se na cozinha e xingaram-na, pois esta não lhes servira carne.
No sétimo dia, por não ter o que oferecer, ela não os atendeu: quebraram-lhe todas as vidraças.
No oitavo dia, a generosa senhora foi servida numa bandeja aos sete companheiros do homem do primeiro dia.
Nono dia. Cemitério da Divina Comédia Humana. A única sobra, além dos ossos porosos, sua humanidade foi enterrada, sem honras, na cova rasa dos indigentes.
Nel de Moraes
Enviado por Nel de Moraes em 08/06/2005
Código do texto: T23187

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site www.neldemoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nel de Moraes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
407 textos (351741 leituras)
2 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:26)
Nel de Moraes