Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEMBRANÇAS DO PASSADO - Capítulo VI

CARO(A) LEITOR(A)ESTE CONTO É ESCRITO EM CAPÍTULOS, PARA ENTENDER A HISTÓRIA, SUGIRO LER OS CINCO CAPÍTULOS ANTERIORES. UM ABRAÇO. MARIA LÚCIA.


     A falta de tia Júlia me trouxe até doença que quase morri também.

     Não comia e fui enfraquecendo até ser preciso internar-me no hospital para me recuperar.

     A casa não era mais a mesma, havia ficado vazia e sem graça...

     Passava todo o meu tempo conversando com a bonequinha Lili e a olhar meu livro, o meu primeiro livro, pois acabava de sair do primeiro ano, o qual tive grande ajuda de tia Júlia nas lições e passei com a maior média da classe.

     Já estávamos em 1942. Meu pai voltou a falar-me do casamento, eu concordei pois era Maria Araújo a mulher que papai escolheu para ser sua companheira oficial apesar de já ser extra-oficial.

     Marcaram o casamento para o dia 15 de fevereiro. Combinaram que não haveria nenhuma festividade em respeito à memória de tia Júlia.

                     *   *   *

     Chegado o dia foram ao Cartório de Registro Civil, casaram-se no civil, não casaram no religioso.

     Logo uma semana depois do casamento papai começou sua campanha política viajando, às vezes ficava foram uma semana e até quinze dias.

     Foi aí que dona Maria, era assim que eu a chamava, começou a mostrar o que era. Na presença de papai era amável e sorridente e na ausência era amarga, ríspida e mal humorada.

     Falava com rispidez com Iracema, que nunca fora tratada desta maneira:

     - Vá para a cozinha! Lugar de empregada é na cozinha!

     Coitada de Iracema, nem na sala nem na sala ficava mais. Eu quem ia para a cozinha e ficava horas e horas a conversar com ela.

     - O que tanto você conversa com esta empregada, menina?

     - Muita coisa, nós nos entendemos muito bem.

     - Ah! É? Você se dá melhor com uma empregada do que comigo, que estou no lugar de sua mãe?

     - É dona Maria, mas ela é gente como qualquer um de nós. E a senhora é apenas a mulher de meu pai, não está no lugar de minha mãe, porque não existe ninguém para ocupar o lugar da minha mãezinha.

     - Menina mal criada, vá para o seu quarto antes que eu lhe dê umas boas bofetadas.

     Fui para o quarto conversar com a bonequinha Lili.

     Era sempre a mesma coisa, quando papai chegava, ela chorava e se fazia de vítima.

     Meu pai tentava conversar comigo, mas ficava muito dividido entre eu e dona Maria.

     Papai conhecia a filha que tinha, mas o amor por dona Maria era cego, surdo e mudo.
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Enviado por Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles em 13/09/2006
Reeditado em 26/09/2006
Código do texto: T239306
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 58 anos
152 textos (4029 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:56)