Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


SAPATINHO DE VERNIZ


Helena nasceu em 08 de fevereiro de 1959, era carnaval, muita euforia, festa na rua e de uma certa forma festa em sua casa. Festa sim, mas dessas que nem sorriso se tinha. Uma família pobre e com muitos filhos. Vida nada fácil...tudo que queria seus pais não podiam comprar, nem comida se tinha.
Helena cresceu e também cresceram seus sonhos.
Ainda menina, sonhava em trocar seus sapatinhos de plásticos, na época não era moda usá-los era símbolo de má situação financeira, por um sapatinho de verniz...Um simples sonho, mas impossível para seus pais realizá-lo.
Certa tarde sentada a beira da calçada pensava na possibilidade de ter um. Um pensamento surgiu no de repente de criança sapeca que era.
Atravessou a rua e bateu na casa de Dona Carmem, que até hoje é sua vizinha. Pediu emprego.
__Quero trabalhar. Posso trabalhar em sua casa?
Dona Carmem achou engraçada a situação, um “tico” de gente querendo trabalhar.
__Por que quer trabalhar?
__Quero comprar um sapatinho de verniz preto novo.
Risos novamente. Dona Carmem conhecia a situação difícil em que sobreviviam. Poderia ela ter dado de presente o sapatinho, mas achou melhor conceder-lhe a oportunidade do “trabalho” na verdade sua intenção era cuidar de Helena, alimentando-a, dando-lhe carinho e, permitindo que brincasse com seus filhos que eram quase da mesma idade. E pagava pra isso.
Três meses se passaram e Helena levava a sério seu trabalho, achava que deveria brincar com Liliana, Lenira e Vaguinho e até atulerar as brigas, que não eram poucas.
A irmã mais velha de Helena, Cida guardava com carinho o dinheiro e, quando já o tinha o suficiente para a compra, foram ao passeio mágico no centro da cidade para comprá-lo.
Foi um dia bastante encantador para Helena que entrava de loja em loja, parecia uma princesinha, na busca da realização de seu sonho.
__É esse gritou ao vendedor !!
Seus sapatinhos estavam nas mãos de uma outra princesinha. O vendedor trouxe um igual à Helena.
Ao chegar em casa colocou os sapatinhos e foi fazer um desfile na calçada de sua casa. Andava de um lado para outro, principalmente quando um vizinho passava. Mas, ninguém notou que seu sapatinho era de verniz, preto e novo. Lembrou-se que a calçada da vizinha era de cimento e talvez o barulho pudesse chamar a atenção...Atravessou rua. Junto levou sua esperança.
Toc, toc, toc...Desfilava Helena com uma princesa. Mas, ninguém notou que ela usava um sapatinho de verniz, preto e novo. Entristecida sentou-se a beira da calçada com as mãos segurando seu rosto de menina.
Coincidência ou não naquele momento de pura frustração passava o caminhão da pioneira (nome da empresa coletora de lixo). Não pensou muito, tirou dos pés seu sapatinho de verniz, preto e, novo e atirou dentro do caminhão de lixo.
Foi para casa, triste, magoada, infeliz. Quando sua mãe olha para seus pés logo indaga:
__”Cadê” seus sapatinho?
__Entre choro de tristeza, enxugou as lágrimas com a manga da malha que usava e respondeu:
__Joguei no lixo junto com meu sonho.

Lenita
Enviado por Lenita em 01/10/2006
Reeditado em 28/11/2007
Código do texto: T253779
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lenita
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
152 textos (12876 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 22:50)
Lenita