Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CASA CAIADA...UMA ESTÓRIA REAL NOS TROPICOS.

 
 CASA CAIADA...UMA ESTORIA REAL NOS TROPICOS.
 
 
 Abril de 1988 meu aniversário eis que minutos antes de apagar a velinha entra na sala pela janela um periquito verde ahhhhhhh ,todo mundo que sorte a sua !
 Tambem achei o maximo dei o nome a ele de Rafael e nessa época eu entrava no vtx o tal chat da telesp, e comecei a conversar com um cara que morava em são paulo tambem , ai conversa vai conversa vem e todos os dias na mesma hora nos nos falavamos via telinha eu não sabia o nome dele nem ele o meu era por ps ou nick name eu coloquei o dele de Rafael como o do periquito e o periquito logo passou a ser o júnior, enfim ele era muito romântico e eu estava numa fase de carência extrema e depositei todo o meu amor naquele personagem da telinha, nos ouvíamos a radio musical fm e era um deleite todas
 as noites aquele clima... e por ai foi , passado um tempo ele me revelou seu bio tipo ,era não muito alto com barba olhos castanhos, chegamos até a falar por telefone ele me ligou tinha voz de fm, nossaaaaa eu sonhava com ele mas não tinha como se conhecer ele era meio enrolado com a mulher e não podia se expor, mas um dia...um dia estavamos falando pela telinha era tipo 3 da matina ai ele falou preciso dormir pois hoje cedo tenho de ir para curitiba e
 o avião sai as 7 e ainda nem arrumei a mala, ahhhhhh pra que eu disse ok ok faça uma boa viajem etc e tal e desliguei o computador.
 Essa estória me fez lembrar casablanca hummmmm que tesão fui no armário peguei uma capa inglesa que tinha uma boina meus cabelos eram pretos chanel na epoca e fiquei a propria ingrid bergamota, desci peguei meu carro um gol star branco e fui rumo ao aeroporto de congonhas era inverno tinha até um fog na rodovia que aumentava o encantamento, cheguei no aeroporto fui direto ao café e ver no painel que horas saia o tal võo fui a sala de espera e nada isso eram umas 6 da matina fiquei sentada lá e nada eu na pose de Ingrid querendo viver muito meu Casa Caiada mas não via meu bogard..ai pensei onde
 pode um aquariano ir qdo precisa fazer hora ...ahhhh já sei na
 livraria..hehehe não deu outra tinha dois homens na livraria um era ele certeza era ele ...olhou para mim mas não fixou e eu deu uma de to na minha..saiu dali foi para o café dei um tempo e fui tambem..dai para a sala de espera ...ele tinha um jornal na mão mas não saia da mesma pagina sentia que ele estava intrigado..eu de oculos escuros olhando os mínimos gestos dele..chegou o onibus para levar os passageiros encostou bem na porta..eu fiz que fui mas não fui...qdo ele entrou foi o ultimo a entrar ficou bem na porta ai eu tirei o oculos e mandei um beijo...
 A noite quando entrei no computador a primeira frase dele foi...Vi seu rosto nas nuvens essa manhã...
 
 Essa foi a minha estória que saiu da telinha e virou Casablanca      tupiniquim ou seja Casa Caiada dos tropicos.
 Voltei ao bar e disse Toca outra vez Zé...
 
 Yara Picardo
 
 
 
Yara Picardo
Enviado por Yara Picardo em 21/10/2006
Reeditado em 28/05/2015
Código do texto: T270200
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Yara Corrêa Picardo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Yara Picardo
Indaiatuba - São Paulo - Brasil
1825 textos (112903 leituras)
1 áudios (401 audições)
3 e-livros (509 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:44)
Yara Picardo