Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Incomunicáveis

       Cenário: ambulatório de hospital público. Alguns pedem cigarro, uma ou outra figura mais agitada desponta. Todos esperam a sua vez.

      Cheguei, e procuro Joana, a moça de mechas pintadas que puxou assunto comigo no mês passado. Era março e ela falava das águas de março que fecham o verão. Mas hoje ela não está.
     
      As consultas são mensais e de novo a outra, a morena bonita, está aqui. Eu olho, reparo que ela está olhando e depois disfarça, mirando a televisão. Será que meu olhar fixo, como da última vez, a assustou?

      Tem jeito de moça simples, com traços de negritude e sandálias de dedo. Sento-me ao seu lado, logo ela se levanta e puxa um cigarro. Se afasta. Parece uma figura popular, das tantas que namorei. Vê-se parte de sua calcinha por cima da saia vermelha.

       Acaba o cigarro e volta, sentando-se perto novamente. Abre a bolsa e - me surpreendo - puxa o folheto de algum centro cultural, conforme pude identificar  com um olhar enviesado. Vejo o nome do cineasta Elia Kazan no prospecto. Xi, a moça é culta.

       Beleza: um tipo popular, mas instruída. Está perfeita.

       O tempo vai passando. Penso em fingir que meu isqueiro estragou e pedir-lhe fogo. Quiçá isso inicie uma conversa. Pego o isqueiro. Ele funciona e vejo que a farsa é impossível. Acendo o cigarro. A incomunicabilidade permanece.
 
       Eis que chega a mãe da figura. Esportiva: calça colante cinza, tênis, tez igual à da filha. Começam a falar. Blablablá. Fico só ouvindo. Blablablá. Falam sobre cultura. De repente escuto:

        - “Carandiru” é fraco...

        Me intrometo:

        - Poxa, eu vi e é forte à beça.

        Retruca a mãe:

        - Estou falando em termos de roteiro
cinematográfico.

          Minha tentativa de entrar na conversa acabou por aí. Continuamos incomunicáveis. Blablablá, as duas prosseguem.

         O médico, que atende tanto a morena bonita como eu, chega na secretaria envidraçada e chama as duas. Elas entram.

         Espero uns vinte minutos e finalmente saem. Disfarço e fico olhando a televisão. Espreito a saída delas do prédio. O médico me chama, e o pano desce rápido sobre a cena.

          Agora só mês que vem.



                                                     (2003)
Henrique Davidovich
Enviado por Henrique Davidovich em 29/10/2006
Reeditado em 26/05/2017
Código do texto: T276477
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Davidovich
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 58 anos
4 textos (10577 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/05/17 06:46)