Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dinheiro Certo!

      - Chegou a hora! Vou abrir uma pousada!

      Dirceu alcançara aquela fase primorosa em que a maturidade profissional esbarra nos princípios básicos da auto-realização. Memorandos indecifráveis, faxes com borrões textuais, importuno toque telefônico, secretária feia e lenta, officeboy malandro, ascensorista cadavérico, manobrista patrão, chefe contestador, comentários, críticas, esporro. Felizmente, passado. Motivado pela idéia do irmão, insistida desde a juventude, sentia-se um vencedor. Finalmente, futuro.

      Lembrou da esposa, presente nas escassas vitórias e inúmeras derrotas desde o início e companheira de sacrifícios. Dirceu a imaginava ao seu lado, os pés descalços, o chapéu de palha desproporcional à cabeça, suco de caju, rede, praia, vento, cerveja, sol, cochilo, mais cerveja, liberdade. Administraria os lucros da pousada sem pressões hierárquicas ou desgastes desnecessários. Resolveu telefonar para seu irmão a caminho de casa.

      - Alô?
      - Fala rapaz! Tudo bem?
      - Quem é?
      - Dirceu pô! Chegou o momento!
      - Dirceu do quê?
      - Dirceu, seu irmão! Vamos abrir a pousada e viver por nós mesmos. É a nossa vez!.
      - Desculpa mas...
      - Estaremos livres das amarras da subordinação para cuidar do nosso próprio negócio. Do jeito que combinamos quando éramos novos.
      - Acho que o senhor ligou no número errado.
      - Ué? Não é da casa do Celso e da Martinha?
      - Não senhor.
      - Desculpa rapaz. Estou tão empolgado que devo ter me enganado nos números. Até logo!
      - Espera.
      - Que foi?
      - O senhor disse algo sobre abrir uma pousada?
      - Isso mesmo! Chegou o momento de fazer o que dá prazer. Viver a vida sabe?
      - Nossa...
      - Que foi rapaz?
      - Não é da minha conta, mas não tinha um jeito mais simples de aproveitar a vida?
      - Como assim?

      - O senhor precisa primeiramente fazer um estudo de viabilidade do projeto a ser implantado na cidade de interesse. Devem constar nesse estudo informações sobre o entorno da região, infra-estrutura básica, análise do mercado hoteleiro existente, facilidades de acesso, índices econômicos e sociais, perspectiva turística, especificações do terreno escolhido para a construção do empreendimento, considerando as exigências técnicas estipuladas pela Prefeitura, projeção dos resultados nos primeiros anos, sempre considerando as agitações sazonais, política tarifária, análise dos riscos...

      - Riscos?

      - Sim. Mesmo considerando todos os fatores, o mercado turístico possui oscilações inesperadas que inibem o crescimento da demanda, reduzindo consideravelmente a receita dos empreendimentos hoteleiros. Terrorismo, violência, desastres ambientais, desaceleração da economia, destinos alternativos. Desde o Bin Laden o mercado nunca mais foi o mesmo...

      - Bin o quê???
      - O senhor já pensou na estrutura do empreendimento?
      - Humm...Na verdade...
      - Quantas unidades habitacionais estão planejadas? Dimensão e disposição dos apartamentos no terreno? Haverá distinção de categorias entre os apartamentos? Qual o público alvo? Haverá piscina? Sala de ginástica? Quadra poliesportiva? Salão de jogos? Qual será a capacidade do estacionamento? Lavanderia própria ou terceirizada? O restaurante funcionará em sistema de buffet ou à la carte? Alguma cozinha específica? Italiana, francesa, “da fazenda”, contemporânea, brasileira? E o planejamento das operações?
      - Que operações?
      - É essencial que seja desenvolvido um programa operacional, descrevendo os departamentos existentes no empreendimento. Hospedagem, governança, vendas, manutenção, eventos. Depende da estrutura do lugar. Aliás, qual será o tipo de hospedagem mesmo? Pousada, hotel, flat, hotel fazenda, albergue, camping, estância, chalé?
      - Humm... Acho que pousada.
      - Haverá departamento de reservas na própria pousada? Poderão ser feitas pela Internet? E sobre a estrutura do site? Haverá um, não é? Será utilizado qual sistema hoteleiro nos computadores? O custo é viável? Quantos recepcionistas? E camareiros? Equipe da cozinha? O senhor está familiarizado com escalas de folgas?
      - Bom, pensei que...
      - As escalas de folga dos funcionários precisam estar de acordo com a legislação trabalhista, considerando, inclusive, os benefícios previstos em lei. Além disso, a incoerente movimentação dos hóspedes, fruto do fluxo turístico sazonal, exige flexibilidade operacional por parte da equipe nessa questão.
      - Sei...
      - Bom, desculpa ter me intrometido. Boa sorte no negócio do senhor...
      - Tudo bem... Brigado...

      Dirceu, com o olhar triste e as orelhas assadas, telefona para seu irmão, dobrando a atenção nos números discados.

      - Alô!
      - Celso? Sou eu, Dirceu.
      - Fala mano! Tudo bom com você? Há quanto tempo!
      - Lembra daquela estória da pousada que você sempre insistiu?
      - Lembro sim! Um negócio e tanto, Dirceu! Dinheiro certo!
      - Você já ouviu falar em estudo de viabilidade, Celso?
      - Estudo de quê???

      Dirceu desligou o telefone e desviou o caminho de casa, seguindo em direção à casa do irmão. A respiração acelerada e a velocidade das curvas confirmavam:

      Naquela noite, seu sonho não seria enterrado sozinho.
Felipe Valério
Enviado por Felipe Valério em 30/10/2006
Reeditado em 30/10/2006
Código do texto: T277611

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Felipe Valério
São Paulo - São Paulo - Brasil, 37 anos
232 textos (20872 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:43)
Felipe Valério