Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POBRE MULHER!

E ela chegou aos cinqüenta anos. De uma vida totalmente inútil. Meio século de um total abandono de si mesmo.
 
E os sonhos que tinha na infância de ser uma simples professorinha, de estar rodeada de crianças, de poder ensinar suas habilidades, foram consumidos por seu cotidiano. E ela nunca o realizou.

Mas se casou. Sonhando poder ser feliz. E o fez por amor. Um casamento simples, modesto. E foram morar em casa de aluguel, com móveis muitos deles dados de presente, outros comprados com uma pequena herança que recebeu. E era tão feliz sonhando com o futuro daquela família.
 
O casal lutava, trabalhando fora o dia todo. As esperanças no futuro eram tão grandes! E cotidianamente ela a abraçava com a fúria de uma guerreira indo à batalha...

E o tempo foi passando, e ela não se deu conta! Estava tão empenhada em fazer todos felizes, que esqueceu sua própria felicidade.

E um belo dia despertou do seu conto de fadas. E ao olhar no espelho, a máscara de sua vida desabou.

E ela notou que estava com cinqüenta anos e que nada tinha realizado. E parou para olhar aquela imagem no espelho. Não acreditou na visão que estava tendo, era um pesadelo.

Estava velha, feia, acabada. Aquela moça sonhadora, cheia de ideais e sonhos, não mais existia, havia se perdido no caminho.

E a cruel realidade a trouxe a uma dura reflexão. O tempo passou. E junto a ela o viço, os sonhos, as realizações.

E se viu sem esperanças. Sentou ao pé da cama sozinha, olhando para o vazio que habita todos nós e se deu conta de que nada fizera, nada realizara.

Não viajou, nunca saiu nem mesmo de seu Estado, plantada na terra como uma praga daninha qualquer. E o ronco do avião que por sua casa voava, levou junto a ele as lágrimas de decepção por nunca ter atingido os céus, nem mesmo nas asas de um avião.

Olhou ao seu redor e dentro de sua solidão viu o quanto era infeliz. Que tudo o que obtivera até hoje tinha a caridade e benevolência de alguém, e não méritos próprios de ter obtido.

Mas havia uma família a zelar. Família? Um filho lindo que já estava abraçando as asas do mundo e que não poderia como aconteceu com ela, ser impedido de voar!  Um marido que não a respeita como pessoa, apenas usufrui de seus prestimosos serviços.

O tempo continua a correr. E ela sentada ao pé da cama, esperando, quem sabe a morte a abraçar, ou um milagre acontecer!


Santo André, 05.11.06 – 14h

 
Enloucrescida
Enviado por Enloucrescida em 05/11/2006
Reeditado em 25/09/2007
Código do texto: T282838

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Enloucrescida
Santo André - São Paulo - Brasil
634 textos (89721 leituras)
14 áudios (2047 audições)
4 e-livros (1046 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:09)
Enloucrescida