Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MULHER NUA

O garoto está de castigo, pois foi flagrado pela mãe lendo uma revista de mulher nua. A visão de uma mulher nua, diz a mãe, vai contra os princípios seguidos pela família. O pai chegou do trabalho, ouviu a notícia e foi para o quarto conversar com o filho.
Não é por aí, menino! Não é por aí! Você não pode ver essas coisas; é pornografia e Deus condena a pornografia...
Mas não era pornaografia, pensou o garoto. Ele só queria ver uma mulher nua...
De quem é essa revista? É sua?
Não. Um colega me deu.
Que colega?
Ah, pai! Não posso dizer...
Eu vou rasgar essa porcaria. E quanto a você, permanece de castigo!
O pai levou a revista. A mãe, e aí? Conversou com ele?
É só curiosidade de menino! Já aprendeu a lição... E, quanto a essa revista, vou jogar no lixo!
Saiu. Chegou próximo à lixeira. A rua do condomínio sem movimentação. Resolveu folhear.
O que meu menino estava vendo?
E viu uma morena linda. Uma mulher de beleza única. E toda nua. Sentiu um tremor na alma. E, por longos segundos, se entregou aquele pecadilho: olhar cada detalhe daquele corpo, desejar cada centímetro daqueles seios, pernas, bunda (ah, a bunda! Que palavra docemente pecaminosa é bunda!), pêlos pubianos. Pensou que isso não havia em sua pré-adolescência. Havia só umas fotos em branco-e-preto de umas starlets do cinema: Rachel Welch, Claudia Cardinale, Ursula Andress, Britt Ekland, Tura Satana... Mas aquilo ali era diferente: uma desconhecida, não tão distante de seu mundo de sonhos.
O pai ficou ali, por longos segundos. E, de repente, lhe veio à mente a figura de Guida. Por onde andará? A primeira mulher que ele viu nua, quando tinha apenas doze anos. Que importa que ela fosse gordinha, um pouco mais alta que ele. Ela foi a primeira. Ele nunca a esqueceu.
Os dois passeavam pelo sítio... de quem mesmo? Do tio Oscar ou do padrinho Jonas? Os dois caminhavam pela mata que cercava o sítio e estava quente demais.
Guida tinha uns dezessete anos, e era muito extrovertida. O menino seguia com ela pelas veredas, colhendo frutas, olhando passarinhos, falando sabe lá o quê. Os dois riam. O menino ria de Guida, sua alegria intensa. E era calor. O sol parecia descer, mais próximo da terra. De repente, o açude. E ela parou e falou. E ele nunca esqueceu o que ouviu.
Tá quente demais, né? Vamos tomar um banho?
E ele disse que não tinha roupa apropriada.
E ela riu. Alegria mais e mais intensa, quase de louca.
Cê nunca tomou banho nu?
E ele, menino tímido, filho de pastor, criado nos rigores e afetos de uma família protestante, disse simplesmente não...
E ela, filha do caseiro, acostumada à solidão daquela zona rural, só fez dizer: você não sabe o que é bom! E foi se despindo.
Ele se recorda do espanto que sentiu. E do calafrio a percorrer sua espinha. Ele entrou na água, nua, e dizia: então fica vigiando aí! Se vier alguém, me avisa!
O seu filho havia sido flagrado com uma revista de mulher nua. Teria tido a mesma sensação que ele teve ao vigiar Guida em seu banho naquele açude? Ou não?
Apesar de certas similaridades, uma revista é sempre algo artificial. Joga-se uma no lixo; no outro dia, compra-se outra.
Por onde andará essa Guida, moça sem pudores extremados? O pai não conseguia ver pecado em sua lembrança. Guida ficou nua diante dele, menino, e ele, menino, percebeu o quanto o corpo fala. Talvez ali ele tenha percebido que seria um homem, que encontraria uma mulher, que a desejaria, e que gozaria como um amante em fogo. Ele não sabia disso, ao ver Guida nua, mas foi assim.
Jogou a revista no lixo e entrou em casa. Havia silêncio em seu corpo. Foi para o quarto do filho.
Meu filho, falou de modo cúmplice. Toma mais cuidado. E não exagera! A vida não é só mulher pelada, viu?
O garoto sorriu. Em seu pai, um bom amigo.
O homem entrou no quarto. Sua mulher estava no banheiro. Ouviu o barulho do chuveiro. E como há tempos não fazia, tirou a roupa e invadiu o banheiro. Sua esposa, nua, fez uma cara de espanto: o que foi?
Tá quente demais, querida! Posso tomar banho contigo?
E os dois riram, duas crianças brincando no açude.



Francisco C
Enviado por Francisco C em 06/11/2006
Reeditado em 07/11/2006
Código do texto: T283983

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.franciscocampos.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco C
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
363 textos (25673 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:16)
Francisco C