Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mistura Fina

Mistura fina

Vestiu a camisa volta ao mundo e a calça de nycron, aquela que não amassa nem perde o vinco. Para os que têm menos de 40, estes dois produtos eram o “tchan” dos anos 60 e 70.  Nos pés, os famosos amigos da onça. Um sapato que tinha uma tira de couro em sentido contrário no bico. Duro e desconfortável, mas também era moda.
Desce o morro da Caixa, reluzindo, literalmente, da cabeça aos pés. No cabelo ondulado, a brilhantina Bozzano passada em duas demãos e nos pés a graxa passada a fogo no amigo da onça. Isto mesmo!... Era passada no couro e em seguida queimada com o fogo de uma vela. Depois era só lustrar.
O cinema tinha duas sessões, a das quatorze e a das dezesseis horas. A primeira era dos pivetes e a segunda dos marmanjos, pra namorar. Namorar, na época, consistia em sentar ao lado depois da luz apagada, pra não “queimar o filme” com as outras e segurar na mão. Era um orgasmo. As meninas tremiam quando roçava o braço, imagine segurar a mão. Depois, só sair depois da luz acender. Essa rotina era feita por Genésio, auxiliar de eletricista. Trabalhava de segunda a sábado até as dezoito horas. Só descansava nos domingos.
Após o cinema, o “point” era a confeitaria do Chiquinho, onde se saboreava as melhores empadas e, se o dinheiro desse, a casa das frutas ficava ao lado, onde acabava o passeio com um misto-quente especial.
Falei da rotina e esqueci de falar do próprio Genésio!
Genésio, negro esquelético, tinha o apelido de pau-de-vira-tripa e no morro, se perguntassem pelo apelido, todos o conheciam. A roupa boa que tinha foi a que descrevi antes, porque, pra trabalhar, usava um macacão quatro vezes o tamanho dele. Com todo o jeitinho, amarrava com fios as pontas e a cintura.
Negro honesto, era de confiança na firma e na comunidade. Se alguém fazia uma aposta, o dinheiro casado ficava guardado com ele. Como disse, era ajudante de eletricista, mas na realidade era o famoso pau-pra-toda-obra, pois chegava a cozinhar pra mais de vinte homens na obra de um grande prédio no centro da cidade.
Porém, pessoas de bem nem sempre são tão respeitadas (acho que é inveja), principalmente nos dias de hoje, onde os honestos são ridicularizados. E um caso aconteceu com Genésio, num dia em que saiu do cinema. Achou uma carteira com documentos e duzentos cruzeiros. Para se ter uma idéia, o ingresso do cinema custava um cruzeiro. Eram duzentas sessões.  Incrível!  Mas Genésio, no momento que achou, já teve a convicção de devolvê-la.
Mas como devolvê-la?
Não tinha endereço e na confeitaria ninguém conhecia o infeliz.
Genésio parou na Praça XV, sentou embaixo da figueira durante duas horas, pensando em como devolver aquela carteira.
Não iria pra casa com aquilo. Revirou-a toda e achou um santinho de São Cristóvão dobrado numa parte com zíper. Imaginou então que devia ser de um motorista. Foi para o terminal de ônibus. Ele rapidamente verificou que nenhum motorista tinha perdido a carteira, já que nossa história é de quarenta anos atrás e naquela época eram poucos os ônibus.
-Esse nego é pirado! Imagina se ele vai achar o dono da carteira, comentou um motorista. Este não entendera porque aquele negro queria devolver a carteira. Só pensou no dinheiro.
Voltou Genésio para o banco da praça, pensou mais duas horas e revirou novamente a carteira, tendo o cuidado de repor tudo como estava. Achou numa nova parte, desta vez, um nome de uma rua e o número.
Rua Sete nº6. Ele repetia: Rua Sete nº 6, Rua Sete nº 6, Rua Sete nº 6. Guardou tudo de novo e descobriu.
-É na Rua Sete de Setembro!
Partiu para lá e procurou o nº 6. Não achou. A Rua começava com 20e terminava com 39. Ato imediato, começou a bater em todas as portas. Imagine, onze horas da noite. Era madrugada!
-Não, não é aqui.
-Vai-te embora!
-Vou chamar a polícia!
-Que é negão, tá querendo o quê?
-Vai pro inferno, negão!
-Pega Rex, pega...
E por azar de Genésio o Rex pegou. Deu-lhe uma mordida nas nádegas, que ele ficou batendo nas outras casas manco. Na trigésima casa e o último xingamento Genésio quis desistir. Mas era um cara perseverante.
-Não vou pra casa sem entregar essa porcaria! Vou voltar até o cinema, talvez o dono esteja procurando. Olhava pra todos os lados, pedindo pra São Benedito, santo da sua devoção.
Atravessou a praça e desta vez não sentou, porque a mordida lhe doía nas partes baixas. Passou a mão e foi aí que viu que a calça de nycron estava rasgada. Parou em frente ao cinema e sentou no meio-fio.
-Ô, negão. Ta fazendo o que aí?
Ele não teve nem tempo de responder. O vigia deu-lhe uma bordoada na orelha.
Genésio saiu torto, um tanto deslocado. Voltou à praça, sentou de lado, tirou a carteira do bolso e começou a examinar pra ver se achava mais alguma coisa. O ouvido zunia pela bordoada do vigia. Encostou-se e adormeceu.
O sol entre as folhas derretia a brilhantina dos cabelos de Genésio quando acordou.
-Virgem Santa, gritou, correndo em direção ao relógio da catedral. Não perdeu a noção do tempo e sabia que já era segunda-feira.
Correu pra casa pra se arrumar, ou melhor, colocar o macacão, porque ainda tinha um tempo. No começo do morro, uma viatura da chefatura fechava a subida.
-Encosta aí, ô negão!
O policial empurra Genésio, cola seu rosto na parede e lhe esvazia os bolsos.
Naquele dia, Genésio não foi ao serviço, tampouco nos próximos três anos. Fora condenado por furto. O dono da carteira, ao invés de, na ocorrência policial, dizer que tinha perdido, registrou que tinha sido roubado, pra não ter a necessidade de gastar na publicação. Na época, se alguém, e acho que até hoje, perdesse os documentos, era ou é obrigado a publicar um anúncio durante três dias, num periódico de grande circulação.
O tempo passa, o tempo voa. Genésio não usa mais nycron aos domingos e nem camisa volta ao mundo, mas vai ao cinema.
Um dia desses, ele vê algo no chão. Ajunta e verifica que é uma carteira. Tinha tudo, documentos, dinheiro, endereço e cartões. Ele pega o dinheiro e joga a carteira no lixo.


Kia
Enviado por Kia em 08/11/2006
Código do texto: T285257

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Kia). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kia
Itapema - Santa Catarina - Brasil, 65 anos
106 textos (7479 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:39)
Kia