Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carla

               Eu só me lembro de dois barulhos secos, e a minha mão ficar vermelha, logo em seguida, o meu pai cai ao chão, pedi para se levantar, mas ele estava morto. Hoje tenho dezoito anos, e dez já se passaram, estou nesta clínica psiquiátrica para fazer tratamento, ainda não consegui recuperar dos traumas acometidos na infância, o meu nome é Carla, e sou paciente do Dr. Mário Alves, por sinal um grande psicanalista, com ele estou conseguindo dar certos avanços, com esforço estou recuperando, estou cursando a oitava série, e finalmente acredito estar conseguindo aprender e controlar os meus instintos. Dei vários problemas na escola, minha mãe precisou conversar com quase todos os professores meus, sem falar com os diretores de escola.
               Ao entrar na sala do médico, comecei a me preparar para mais um dia de questionamentos e revelação de um passado, de certa forma, assustador, pois aconteceu quando era criança, e de forma violenta. Ao expor ao doutor as minhas lembranças, começava a chorar, e ele com toda calma, aos poucos foi me consolando e pedindo para falar sobre o meu passado. Lembrei da morte de meu pai, eram dois homens, cobravam dele o serviço não realizado e por isso o assassinaram, mas nunca entendi o motivo, e neste dia, onde faço dezoito anos, chegou o momento da revelação dos fatos. Aos poucos o psicanalista foi revelando, sabia da profissão dele, o meu pai era funcionário público, trabalhava na área contábil de uma cidade do Paraná, trabalhava na área da contabilidade da prefeitura e foi preciso acobertar um grande desfalque de dinheiro, este estava sendo desviado, na compra de veículos para a prefeitura, para cada comprado, a concessionária emitia uma nota de três, e isso tinha de passar pela contabilidade, mas Roberto, pai de Carla, ameaçou denunciar, e antes de fazer foi assassinado, a única testemunha era eu, mas não conseguia me lembrar dos rostos dos bandidos, e o crime estava sem solução, nunca tinham encontrado sequer um suspeito.
               Com a insistência e persistência do Dr. Alves, aos poucos as lembranças iam aparecendo, quase como mágica, mesmo assim era doloroso. Depois de um grande esforço, lembrei-me de um nome, pois antes de morrer, meu pai falou Elias, admirando-se pela presença desta pessoa, e mais admirado ficou o doutor, percebi isso, franziu a testa e olhou por cima dos óculos, e ainda perguntou se eu tinha certeza, e na verdade tinha, como ele estava a me ouvir, apenas foi registrando, após duas horas de conversa, agendou um novo retorno após quinze dias. Despedi-me e fui mais feliz para casa, pois o mistério estava se revelando.
               Ao chegar em casa toda contente, comentei com minha mãe o progresso, tinha lembrado o nome falado, era Elias, e quando minha mãe, Olga, ouviu isso, quase desmaiou, acudi-la, e perguntei o motivo deste transtorno, pois o médico também havia reagido de forma apreensiva, não quis me dizer nada, estava cansada e precisava relaxar, foi essa a desculpa dada, mas deu para perceber algo estranho, talvez fosse um grande amigo, mas não lembrava de ninguém com este nome, resolvi recorrer a minha grande amiga, Josefa, eterna confidente, foi minha amiga de infância, estudamos juntas, mas devido a bagunça, fiquei para trás, e hoje ela está cursando o último ano do Ensino Médio. Ao comentar o acontecido, também houve surpresa, aquietou-se, não quis falar quem era de fato, mesmo com grande insistência.
               Foram quinze dias de grande apreensão, como a minha melhor amiga não quis comentar nada, considerei ficar em silêncio, e na escola nada falei, esperei até o dia da consulta, e para meu espanto, ao entrar no consultório, estava presente o delegado de polícia, queria primeiro conversar, fazer um interrogatório não oficial, juntamente com o doutor, falei o nome lembrado e algumas características da pessoa, ela portava uma bengala e fumava charuto, era a principal lembrança, ao ouvir isso, o delegado disse não ter dúvidas, e iria conduzir o rumo da investigação para uma hipótese já pensada, ao mesmo tempo sem condições legais para serem apuradas. Com novos fatos, poderia reabrir o processo e ter condições de esclarecer os fatos.
Sem entender nada, perguntei ao Delegado quem era esse homem, e ele olhando bem nos meus olhos, perguntou se não sabia, apenas balancei a cabeça negativamente, então respondeu-me, era o prefeito municipal na época, como perdeu as eleições, está sem cargo, portanto é mais fácil conduzir as investigações, principalmente pelo prefeito atual deste município ser da oposição.
               Acreditei estar finalmente chegando ao desfecho, assim poderei ter uma vida normal, ou quase.
Marcelo Torca
Enviado por Marcelo Torca em 13/11/2006
Reeditado em 16/12/2006
Código do texto: T289964
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Marcelo Torca, www.marcelotorca.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Marcelo Torca
Paulicéia - São Paulo - Brasil, 44 anos
760 textos (450459 leituras)
544 áudios (160388 audições)
358 e-livros (316008 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:46)
Marcelo Torca

Site do Escritor