Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A espera

A tarde caía miúda enquanto a jovem acompanhava a despedida da tia mais velha que, entre olhares infantis e esperançosos e beijos e abanos, esperava uma possível mudança de atitude da sobrinha. Esta, por fim, desencorajada de sua inusitada vontade – que era, como a tia desejava, ir passar a noite na sua companhia – entra em sua casa já impessoal e fria, sem saber se ri ou se chora. Termina de comer a fruta suculenta já pela metade, e some porta a dentro do quarto.
Lendo, escrevendo cálculos matemáticos que tenta sobrenaturalmente entender, enquanto tenta se distrair e esquecer, a espera – que agora já era rotina por toda a noite, em todos os dias... Esperar um mísero toque, que ultimamente era escasso, para seu pesar – a espera latejava em sua cabeça, porém não sozinha, pois dividia espaço com os fleshs espontâneos de qualquer dia interior, sobre qualquer um de seus admiradores, e então ela ria sobre sua própria capacidade de sedução... Por pura vaidade.
Dá um toque... Um minuto, dois que se vão. Dá uma volta, espera o maldito retorno... Meia hora e nada. Olha o celular já com raiva e um pingo de certeza, e vai ler, certa de que assim o tempo passa mais rápido.
Mas a espera – sempre ela – às vezes se atravessa sobre os parágrafos do livro, e então ela tenta voltar sua atenção àquelas folhas novamente, para aquelas paginas frias e... ingratas? Mais um parágrafo que se vai sem que ela entenda sua mensagem... Ingratidão e egoísmos de sua parte, ao tocar as folhas amarelas do livro com o sono a pesar-lhe as pálpebras. Mas a espera... Ah, a espera sim sobrevive, soberana, sobre o cansaço.
“Talvez devesse mesmo sumir”. Pensa enquanto folheia a página. “Sumir, dar um susto... De leve, uma vingançinha só...”. Para e pensa, absorta na sua rudeza de espírito, na sua talvez falta de compreensão. E então tenta corrigir-se, tentando sem resultados pôr-se no lugar do sujeitinho que tanto a faz esperar... “Pois às vezes é bom esperar o bem das atitudes dos outros”, dizia uma frase num de seus cartões, uma das frases que se não entende, entende e tenta seguir, inutilmente.
E já se passaram duas horas, ou mais, quando o telefone toca estridente, ecoando pela sala: “é ele”, reflete, se despedindo automaticamente da leitura, do livro sempre acolhedor, meio sem jeito, com vergonha. Atende e ouve, paciente e ausente, a voz do sujeito do outro lado da linha, enquanto pensa no que sempre acontece depois que a ligação acaba...
E ele a faz ouvir por quase meia hora, direto. Gosta de sua voz, mas preferia que falassem sobre eles dois, ao invés de qualquer coisa nunca relacionada a ela. Pois lhes faltavam um pouco de romantismo, e isso ela sabia.
Sentindo-se só e amargurada, sentia-se constantemente assim a semana inteira. Era nisso que pensava enquanto falavam: “Gostaria de ao menos ser mais rígida ao vê-lo...”, pensa com mais ardor do que antes. O remorso que bate a porta.
Mas a saudade não permitia, e vê-lo após tantos dias fazia-a entregar-se quase que completamente aos beijos e abraços do amante... “Pois deve ser isso, alguns dias se vendo, e me livro desta condição.” E pronto, tornava a ser decidida, um pilar de coragem e rumo, que se quebrava a todo o fim de semana.
Mas era bem verdade que aquela quase rotina a estava matando... Às vezes seu humor mudava bruscamente, e sentia-se até mal, tratando outras pessoas com rigidez. Às vezes tinha vontade de acabar com tudo, e viajava muito em milhares de possibilidades um fim romântico... Aquela essência que tanto faltava durante a relação, e que ela tentava empregar nas mais diversas formas.
Despedem-se no telefone, e ela se vai para o quarto. Pela primeira vez nesses últimos dias não chora após a ligação, sentindo a falta de algo que não sabia bem o que é, sentido que ele estava cada vez mais distante. Pois a dor de cabeça lhe tomava todas as preocupações e todo o espaço de sua mente naquele momento, e como o prazer irresistível da espera já havia sido saciado, pensava agora em apenas dormir.
Alecrim Crim
Enviado por Alecrim Crim em 18/11/2006
Código do texto: T294879

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dou os créditos a Julhana Pohlmann pois só ela entende seus textos. Visitem seu site no Recanto das Letras!). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Alecrim Crim
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 27 anos
374 textos (14584 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:09)
Alecrim Crim