Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trabalhadores Noturnos

   - Prossiga...
   Nunca tinha achado a tela embaçada. O que seria aquilo, pensava. Sabia que estava dormindo pouco. Muitos problemas. E aqueles dias estavam cada vez mais cansativos. O que o animava era a lembrança de sua terra e de sua família.
   - Prossiga...
   Não suportava quando não era recebido. Ainda mais quando um conflito era possível. Dava sempre aquela ardência no peito. O médico dissera-lhe que era a adrenalina. Mas estava ali sentado, sem poder fazer nada, mas a adrenalina estava a mil.
   - Prossiga!
   Aquilo tinha que acabar. Não aguentava mais aquela rotina. Amava a sua profissão, mas ela não tinha correspondido com suas expectativas. Sabia dos riscos. Cada dia, risco novo. Um dia e o fim. Um minuto e o fim. Uma decisão tomada e o fim. Percebia que ficara pessimista e a adrenalina a mil. A única coisa que progredia em sua vida era a adrenalina, esta sempre no positivo.
   - Desça agora!
   - ...
   - Desça agora!
   Aquilo era insuportável. O que ele mais queria naquela hora era estar nos braços dela. Entre suas coxas. Beijos. Mãos. Membros. Sentir suas nádegas. Seu sexo. Sua vagina. Podia até sentir o cheiro de seu suor. Mas aquela situação tinha que acabar. Impossível continuar com aquilo tudo. Até quando? Quanto descaso!
   - Negativo, mantenha o nível...
   - ...
   - Negativo...
   Sentia uma melancolia, o corpo fraco, mas a ardência no peito permanecia. A adrenalina a mil. Tinha que ver aquele problema na conta corrente amanhã de manhã sem falta. Talvez atrasar o pagamento do cartão para poder atualizar a escola. Educação é imprescindível. Tinha que ver aquela cortina rasgada da sala, sabia que ela ficava chateada com a falta de estética.
   - Ok, ultrapassado...
   - ...
   - Agora autorizado subida para...
   - ...
   - Boa noite...
Rodiney da Silva
Enviado por Rodiney da Silva em 18/11/2006
Código do texto: T294932

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodiney da Silva
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 46 anos
248 textos (11056 leituras)
2 e-livros (66 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:17)
Rodiney da Silva

Site do Escritor