Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Essas madames!

Essas Madames!...

Maria Antônia Coimbra Ferri de Monte Verde. Desde criança criada com mimos, brinquedos, roupas importadas e principalmente as bonecas Barbi, que eram mais de oitenta e oito, sem contar os acessórios.
A adolescente, filha de um prestigiado juiz de Direito, tinha uma vida opulenta e tranqüila. Seus pais, atentos ao futuro da filha, tinham mais preocupação que orgulho, principalmente a respeito de pretendentes.
Com dezoito anos, não faltavam moços que se interessassem por ela; porém, o rígido sistema de seleção familiar a deixou encalhada por mais vinte anos.
Tinha uns trejeitos estranhos, um deles o de jogar os cabelos para trás com um movimento rotativo da cabeça, isto a todo o momento. Com seus cabelos longos, parecia cena de comercial de xampu.
Maria Antônia não perdia uma festa, chás beneficentes ou encontros na sociedade. Simpática e sorridente, cativava a todos. Com seus trinta e oito anos, jamais arrumara um namorado. Aos trinta e nove, deixou de jogar o cabelo para o alto e para trás, fato este notado por todos os seus amigos.
Entretanto, talvez aqueles movimentos de cabeça fizessem funcionar o seu cérebro, pois, a partir dai,  se tornou desligada de compromissos marcados e dos nomes das pessoas, entre tantas outras coisas.
Se saia de carro, esquecia onde havia estacionado e por diversas vezes retornava de táxi, esquecendo de pagar a corrida.
Encontrou um homem, político famoso e acabou se apaixonando. Realmente, era um político honesto e muito, muito calmo. Felizmente, este espírito de tranqüilidade dele foi o que levou o amor dos dois para a frente, porque se dependesse dela, há muito teriam se separado.
Quando namorados, ela esquecia os encontros. Quando saíam para almoçar, várias vezes, ela se levantava para ir à toalete e não mais retornava para a mesa. Ia direto para casa.
Na época de noivado, seus esquecimentos eram aceitos com graça pelo noivo.
Foi ele que escolheu a data do casamento: 25 de Dezembro, propositadamente para ela não esquecer.
Com o casamento a situação piorava a cada dia.
Um dia, esqueceu de tomar anticoncepcional, um esquecimento bendito que lhe trouxe Mirela. Por pouco não a esqueceu na maternidade.
Exageros à parte, Maria Antônia, sempre com um sorriso nos lábios, era um doce de pessoa, simpática e bondosa. Sabia dos seus esquecimentos e dizia com um jeito todo seu:
-Sei que sou um pouco desligada.
Várias vezes, procurou especialistas caríssimos; porém de nada adiantou. Aliás, numa dessas visitas que fez, um caso inusitado aconteceu.
Maria Antônia tinha um cachorrinho poodle, muito nervoso (cachorro de madame não é maluco), que ela levava para todos os lugares. Mas esquecia o cachorro nos locais em que ia: salão de beleza, academia, massagista, supermercado, shopping, feira livre. As pessoas destes locais conheciam o cachorro e cuidavam dele, até que ela, questionada pela filha ou o marido, após fazer uma relação dos lugares onde ele pudesse estar, ia buscá-lo.
Um dia, na fila enorme provocada por um acidente em uma das pontes, o cachorro, que estava ao seu lado, já cansado de tanto esperar, pulou a janela do carro, sem que ela visse, e saiu a cheirar e “batizar” os aros dos carros que estavam parados.
Após algum tempo, o trânsito foi liberado e ela totalmente absorta, ouvindo música e olhando o retrovisor, não viu.
Os carros que seguiam ao seu lado e atrás, vendo o cachorrinho entre as filas de carros que ganhavam velocidade, começaram a buzinar e fazer gestos com a mão, pedindo a ela que parasse. Mas a madame, pensando que estava sendo cumprimentada, acenava simpaticamente. Um guarda viu e veio correndo em sua direção, mas ela não escutou o apito e tampouco o notou.
O policial conseguiu pegar o pequeno animalzinho. Levantou-o no ar, apitando e correndo atrás do carro dela.
De imediato, um outro veio ao seu encontro com uma viatura, e ambos passaram a perseguir Maria Antônia, nesta altura já devidamente identificada como filha do senhor juiz Fulano de Tal e esposa do deputado Cicrano de Tal.
Ligaram as sirenes e ela não parou. Pensou consigo: deve ser perseguição, vou é entrar à direita para eles passarem.
Ela entrou à direita e a viatura passou direto numa via de mão única. Pelo rádio, após relatarem que estavam com o cachorrinho, etc, etc, receberam ordem direta do comandante para entregarem imediatamente o “au au”, que nesta altura, já havia encharcado de xixi o banco.
-E agora? Perguntou o que estava dirigindo.
-Vamos solicitar apoio de outras viaturas, respondeu o outro.
Neste ínterim, Maria Antônia passou na manicure, fez as unhas dos pés e já estava se dirigindo para a sessão de depilação, num outro salão, quando uma outra viatura a viu cruzando a avenida.
O motorista, querendo aproveitar o sinal aberto acelerou, elevando o giro do motor no vermelho, assim como a cor do sinal que fechou. Uma batida se ouviu e eles entraram literalmente na lateral de um carro.
-Cachorro desgraçado,  comentou o motorista.
Na outra viatura, o cachorrinho dormia babando o estofamento.
Novo contato, novas ordens, agora direto do gabinete do Governador.
-Achem esta senhora e entreguem o cachorro!
Maria Antônia descansava com uma máscara de abacates da Tailândia e pepinos da Venezuela, depilação que fizera do buço e sobrancelhas.
Um mais esperto lembrou de procurar o endereço registrado na central de trânsito, mas não adiantou. O endereço não conferia. Restava somente achar o carro.
Por feliz coincidência, a viatura com o famoso cachorrinho estava parada numa passagem de via preferencial e Maria Antônia, parada dois carros à frente. O policial saiu correndo esbaforido do carro. Ela, aproveitando a gentileza de um motorista, entrou no fluxo e arrancou rapidamente. Não vira o guarda.
-Desta vez não podemos perdê-la, disse o policial, com vontade de dar uma botinada no fujão, que voltava a roer o banco.
Finalmente ela parou, frente ao portão de uma residência.
-Minha Senhora, pelo amor de Deus, minha senhora, fique parada aí mesmo.
Com ar de assustada, Maria Antônia obedece.
O companheiro do policial traz na mão o cachorrinho, que começa a latir e a tentar mordê-lo.
O que foi que este peraltinha fez? Pergunta ela, pegando-o no colo.
-Nada, minha senhora, absolutamente nada. O único mal que este cachorro tem é ter como dona a senhora.
O policial vira as costas e passa um rádio para a central, dizendo que a missão estava cumprida.
Maria Antônia não comentou nada em casa. Esqueceu.

*************













Kia
Enviado por Kia em 22/11/2006
Código do texto: T297785

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Kia). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kia
Itapema - Santa Catarina - Brasil, 65 anos
106 textos (7479 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:45)
Kia