Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Executivo

Dr. Breno havia sido solicitado na sede da empresa. Gostava de ser chamado assim, Doutor. Not-book, celular, pen-drive’s, pasta de documentos, tudo no banco de trás do carro de luxo importado. Odiou ter que esperá-lo ser trazido do estacionamento. Saiu rápido até o acesso à rodovia que o levaria ao centro financeiro do conglomerado urbano da outra cidade onde haveria a reunião. Enquanto dirigia, arrumava os cabelos e o nó da gravata. Nem percebia as margens da estrada. Um acidente ali. Uma ultrapassagem acolá. A estrada que cortava as mudanças de paisagens era, literalmente, o meio pelo qual trafegava sem que nada lhe chamasse a atenção. O perfeito ar condicionado e os vidros escuros guardavam os naipes de violino das 4 Estações de Vivaldi  e o protegiam da temperatura e ruídos externos. Por não terem lhe falado a razão da reunião, tentava imaginar o assunto, conjeturando situações nas quais fosse requerido ou mesmo inquirido.  Entregava-se a esses pensamentos quando ouviu um estampido seguido de uma ligeira instabilidade na direção. Foi desacelerando a contragosto enquanto, pela primeira vez, interessava-se pelo cenário. Não havia um posto, uma borracharia muito menos. Uma casa... Nada.... Mesmo o trânsito da rodovia parecia de feriado no inverno. Praguejou e abriu o porta-malas. O estepe estava  descalibrado. Murcho mesmo. O celular não funcionava. Pensou em ir assim mesmo, “comendo a jante", mas sabia que não iria longe. O carro ainda não estava pago e havia o plano de blindá-lo.
Decidiu olhar mais atentamente nas duas direções. Somente uma silhueta diminuta aproximava-se lentamente. O calor fora do carro era insuportável. Guardou o paletó e disfarçando o interesse, aguardou o lentíssimo pedestre. “Deveria ser um caipira local". Não saberia de que forma poderia lhe dar alguma ajuda. Mas... E se fosse um seqüestrador? E se tudo não passasse de um plano: Miguelito na estrada, trecho sem viva alma...”  Sentiu um arrepio. “Não, não. É apenas coincidência!” Mudou o pensamento. Já fazia 25 minutos que estava ali. Imaginava que em mais hora e meia se iniciaria a reunião e ele, ali, fritando no sol.
- Bdia sôrrr!
- Bom dia!
- O oltomóve  encrencô?
- Furou o pneu!
- Êêê... Sô qué ir comigo? Meu sobrin sabe mexer nessas coisa!
- Onde é?
- Há uns dois quilome em frente, mais um às direita...
Não havia outro remédio. Teria que ir. Não poderia se expor à margem daquela estrada.
Cheiro do mato, caminhos de formigas num frenético movimento, ipê florido de caule poderoso. Foi um alívio ter saído do calor do asfalto e ir caminhando pela aquela trilha, após empurrar o carro para um desvio discreto um pouco atrás. Logo, via-se seguindo aquele estranho como se fora um velho conhecido. Caminharam pela mata em silêncio, atravessaram o córrego com uma pequena cachoeira e continuaram até o sopé de uma colina com árvores mais esparsas e uma casinha com uma varanda acolhedora.
Sentou-se numa velha cadeira e se pôs a observar a paisagem ondulada que ia do verde forte, mais próximo ao azul acinzentado ao longe, dando um tom mais suave a cada contorno. Gaiolas, tarrafas e objetos de cerâmica anunciavam que aquela era uma casa em que se trabalhava muito artesanalmente. Nem percebeu a moça  sustentando um pratinho de doce de frutas da região.
- Obrigado, mas não posso comer doces.
Ela retirou-se em silêncio cruzando a porta com um rapaz rosado.
- Boa tarde!
- Boa tarde?
- São 2 horas.
- Duas horas?
-Tenho que pegar umas ferramentas que o vizinho pediu emprestado.
- Lá no carro tem macaco.
- Vou pegar o carro de mãos, e um pedaço de madeira, tirar os pneus, trazê-los e ir à cidade no carro do vizinho para recuperá-los. O senhor tem a opção de ficar esperando aqui, ir comigo até seu carro e voltar, ou deixar o carro onde está e ir para a cidade comigo. Caso queira chamar o guincho poderá ligar de lá e eles vêm apanhar.
- Essa me parece ser a melhor solução.
- Acredito que faria o serviço mais rápido, mas a escolha é sua.

Dr. Breno e o sobrinho do caipira seguem até o carro, e de lá, até à casa do seu vizinho, isto é, a uns 4 km no total. Os trajetos são feitos quase em silêncio.
- Você mora e trabalha aqui?
- Já trabalhei muito. Na roça.
- E hoje?
- Vivo na cidade.
- Tem uma...
- Borracharia? Não... Já tive.
- Gosta daqui?
- Sim, muito!
O Doutor entendia pouco, a opção de se viver em um lugar como aquele. Mas existe gente com tudo o quanto é gosto. Ainda bem que ele vivia como queria e estava bem empregado.
Da casa do vizinho seguem direto para a cidade. Ao primeiro sinal no celular, Dr. Breno liga para empresa a fim de justificar sua ausência. Contata o seguro e o sobrinho do caipira retorna. Ao despedir-se, o Dr. Breno agradece  e vai embora. Nem oferece uma gorjeta! Agora, é só ir a um bom hotel, refrescar-se, tomar uns drink’s e continuar imaginando estratégias de respostas para qualquer assunto que possam lhe trazer, oriundo da pauta da reunião à qual faltara. Fez simulações... Até adormecer.
- Bom dia!
- Bom dia! Pode entrar.
Seu chefe estava com o semblante de quem não dormiu bem. ...Ou será por causa de sua falta à reunião? Eram poucas as vezes que se sentia inseguro, e aquela era uma delas.
- O assunto para o qual o chamamos ontem, e que você não pode vir, é um assunto grave. Vou direto a ele: devido aos custos mostrados na última reunião de acionistas e diretoria, foi decidido reformular a estrutura da empresa com reduções e alterações. O senhor tem prestado serviços relevantes à organização nesses anos e tudo faremos para que permaneça no mercado de trabalho, mas a reunião de ontem era para lhe comunicar a decisão de desliga-lo.
- Já existe uma pessoa no... Meu lugar?
- Já. Peço-lhe que antes de ir efetivar o desligamento, converse com ele sobre o seu trabalho. Preparamos um plano de remuneração que lhe apresentaremos logo mais à tarde.
Dr. Breno saiu da sala como se não existisse chão. Não conseguia acompanhar os acontecimentos. A secretária da diretoria dirigiu-se até ele e o conduziu à sala de reuniões onde seu sucessor o esperava.
- Esse é o senhor...
- O borracheiro? Que é que o você...
- É uma pequena história dona Clara. Pode deixar que eu mesmo me apresento ao Dr. Breno.
Edbar
Enviado por Edbar em 26/11/2006
Reeditado em 26/11/2006
Código do texto: T301846
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edbar www.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edbar
Recife - Pernambuco - Brasil, 65 anos
2870 textos (82791 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:49)
Edbar