Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" ZÉ DA BENGA"

    Zé da Benga cabô um roçadu nu dérta du Quenta Soli , pulô na carroça du  Toim  i rumô pra cidadi. Chegô nu butécu da véa  Maria gritanu: “ Dona Maria! Dona Maria!  dá um treim prêu bebe qui to cuá guéla seeeeca ,muié!”
--Inté pareci cu cê tá cá guéla seca, Zé da Benga - Respondeu a butequera inchenu di margosa u copu.
U homi virô u treim guéla baixu quemanu cumu pimenta; cuspiu nu vremeiãu du butécu i saiu falanu sozim morru acima..
Im casa jogô u sacu cum ropa chuja nu cantu, pois u dinheru qui arrecebeu du roçadu adibaxu du panu di pratu nu guarda cumida i foici drumi. Notru dia levantô-si cedim ,mandô u fii mais véi cumprá pãu cum leiti, metadi di queju i um quilu di lingüiça cabu di rei.
Quandu u mulequi chegô , dissi pru pai:
--Ondé queu bótu u trocu dus pãu? "Bóta  nu guarda cumida ondé cu cê achô, sô"
Zé da Benga ia pagá u Zóiãu, prum silviçu queli tinha feitchu na cumiera du seu barracu, i quandu foi pricurá us trocadu, notô qui num tava certu; tava fartanu dinheru adibaxu du panu. Chacuaiô a cabeça, rodô pra lá i pra cá,tussiu, rosnô i gritô prá muié:
--O Zumira!, Zumiiiira muié surda! Cê viu o buliu nus trocadu du guarda cumida, Zumira?
--Cê tá brincanu cumigu, tá não Zé da Benga? Uai! Cê acha queu vô buli nas coisa qui só cê sabi ondé quinfia? Su cê infiô  aí, dévi tá infiadu aí, uai! Cê chega cu rabu chei di margosa du butécu daquela  veia ridivuzera  uai, i vem priguntá prêu seu seiu ,seu buli nus  trocadu?
U homi num si conformô, i na sua cabeça argúem buliu  nus trocadu. Chamo u fii mais véi:
--Bragantinu! Bragantinu fii duma jumenta, cê buliu nu trocadu cucê troxi?
--Nâu paim,butei  u trocadu  adibaxu du panu di pratu iguar paim mandô.
Chamo  u otru fii qui tava nu cantu tremenu:
--Gumercinu! num é seu custumu, mais cê buliu nus trocadu qui seu irmãu diz qui boto  adibaxu du panu, Gumercinu?
--Nãu paim, eu num vi i num buli trocadicu ninhuzim.
--Destá. Vai parecê quem buliu nus trocadu.
Notru dia Zé da Benga  cordô cedim, cedim, desceu bufanu ladera abaxu pru butecu da véia Maria  cá cara fea , pediu uma di sempre:
--Dona Maria ,mi bota  uma dás caprichada, uai, queu hoji tô ca pá virada.
--Qui foi cu cê, Zé da Benga , pruquê ta cá pá  virada, homi di Deus?  que cu cê viu , uai?
--Num vi nada nadica dona Maria, i é purissu qui to cá pá virada , é pruquê num vi ,i criô perna  uns trocadu meu queu suei inté us cabelu du fii duma égua pra ganhá , qui tava adibaxu du panu di pratu nu guarda cumida,uai;
i justamentei num vi nadica di  quem buliu.
Mais hoji eu adiscubru ondé quêssi trocadu atrividu foici sinfiá., sô. Num mi chamu mais Zé da Benga seu num adiscubru  pruquê essi trocadu crio perna.
Chegô im casa pegô a corda di marrá  bita pra módis  tirá leiti, i chamô u fii mais véi:
--Bragantinu! Bragantinu! Ô Bragantiiiiiiiiiinu  fii duma jumenta ruera ! Vem qui fii duma égua manca!
Sentô nu tambureti ,boto  a cabeça du mulequi nus vão da perna i  piô u fii num pé só.
Chamo u otru fii nus bérrus:
--Gumerciiiiiiiiinu vem cá fii duma ridivuzenta.!”
Tamem  piô  u sigundu fii num pé só.
Marrô  us dois juntu i pindurô us mulequi di cabeça pra baxu nu gaiu du pé di laranjera  infrenti da casa ;larganu us coitadu iguar frangu quandu si corta u pescoçu.
--Daqui a pocu u ratu vai botá  u fucim suju deli aqui.
Sentô  na banqueta da rua picanu fumu, rosnanui preparanu a paia pru cigarru.
Num demoro nadica , Bragantiniu abriu u bicu:
--Paim! paim! -Zé da Benga caladu-
--Fui eu qui buli  nus  trocadu paim, i cumprei otru queju nu Maisa i cumi miscundidu.
--Aaaaaaaaaaaaaaah!,safaaaaaaaaaaaaaaaaaaadu!
Zé da Benga  desceu us mulequi da laranjera, i lascô a guépa nus córnus dus dois disinfiliz
--Bragantinu! Cê panhô pruquê cê buliu i us trocadu pegô , num mi falô,i quetô  i num vô criá ladrão  pra puliça ismurrá ,inveis  delis , eu qui vô ti socá, seu jumentu sarnentu!
--Gumercinu! Cê u trocadu num buliu nem pegô, mais quetô, intonci cê panhô.
Zumira! Num é cucê  é santa nãu , sô, é queu num sô besta di pindurá uma sem vê oitchu di cabeça pra baxu.


NOTA:
Será quêssi Zé da Benga  num tem sérvrentia   módis siná  essa cambada  dessi Brasilzãu?
                                  uai!
                                   
Roosevelt Luiz de Souza Souza
Enviado por Roosevelt Luiz de Souza Souza em 26/11/2006
Reeditado em 22/12/2006
Código do texto: T301873

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roosevelt Luiz de Souza Souza
Osasco - São Paulo - Brasil
58 textos (4473 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:50)