Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DIN DON!

DIN DON!
Emir e Sara, casados de longa data, esperavam o primeiro bebê.
Cheio de cuidados, ele resolvera mudar-se para um apartamento maior, mais confortável, em um bairro residencial, tranqüilo e seguro.
Contratou a melhor empresa de mudanças, tomou todas as providências, de maneira que Sara, quando fosse para lá, encontrasse tudo já arrumado, protegendo-a daquele transtorno que é uma mudança. Deixou-a aos cuidados da mãe dela, durante aquele turbulento período.
Ao final, em uma manhã de primavera, levou Sara para a nova moradia. Claro que, para e esposa, deixou os prazeres de cuidar, depois, da decoração e daqueles detalhes que só as mulheres entendem. Ela encantou-se como ele havia conseguido dar conta do recado.
Naquele primeiro dia de lar novo, até à tarde, fizeram mil planos para a decoração, principalmente do quarto do bebê. Almoçaram e conversaram, romanticamente. Até a comida, ele mandara comprar em um bom restaurante, para ela não se cansar nem se preocupar com essas tarefas, assim, no dia da estréia do apartamento. Emir nem fora trabalhar, a empresa não iria falir por apenas um dia que ele se ausentasse, dizia.
Depois do almoço, deitaram-se, ele, exausto, e fizeram uma bela sesta, como há muitos anos ele nem se lembrava de ter feito. À tardinha, começando a escurecer, ouviram a campainha: DIN DON!
Pareceu a Sara que o Big Ben soava dentro da sala de jantar! Mas nada disse e, calmamente, perguntou-lhe:
- Esperas alguém?
- Não. Nem mesmo dei nosso endereço a ninguém. Não imagino quem possa ser. O zelador, quem sabe.
E dirigiu-se até à porta. Abriu-a. Ninguém.
- Ora, que brincadeira será essa? Ninguém!
- Deixa estar, querido, alguma pessoa que se enganou de apartamento, decerto.
Mais algum tempinho: DIN DON!
- Espera, meu amor, fica aí, eu abro.E foi. Outra vez... ninguém!
- Essa, não! Será que aqui também há desses moleques que tocam as campainhas e saem correndo?
- Calma, querido.
...DIN DON!
Emir correu para a porta e a escancarou: ninguém!
- Ah! Não! De novo ter de me incomodar com isso?? Disseram-me que neste prédio nem havia crianças...Como pode? Por isso comprei nosso apartamento aqui!
...DIN DON!
- Vamos fazer o seguinte: vamos esperar um pouco, se tocarem de novo, saio pela porta de serviço, dou a volta, venho pelo outro extremo do corredor e os pego no flagrante! Esse seja lá quem for me paga! Fica, aqui, querida, não abra a porta...
...DIN DON!
Emir, armado com a vassoura, abriu a porta de serviço, sem ruídos, e saiu nas pontas dos pés descalços, ligeirinho, pelo corredor interno.
...DIN DON!
Sara não se conteve. Foi até à  porta de entrada social, espiou pelo "olho mágico". Viu quando a cabeça do marido apontou no final do corredor, só espiando. Nesse momento, a porta do elevador abriu-se e ele disparou de vassoura em punho. E estacou! Saía do elevador, um senhor idoso, carregando embrulhos...
- Socorro! Não me mate! Leve tudo!
Foi um grito rouco, cavernoso, resfolegante, o do pobre, estacado a meio, com os braços erguidos, na contraluz do elevador.
Emir, de vassoura em riste, acima da cabeça, paralisado, mal conseguiu balbuciar:
- Desculpe-me, por favor! Me desculpe! Não precisa gritar, sou seu vizinho. Eu... eu... só estava querendo pegar uns moleques que tocam a campainha e saem correndo...Me desculpe!
E não achava palavras para explicar direito o que fazia ali, de pijama, àquela hora, e armado de vassoura.
Com o espanto, os pacotes do vizinho haviam se espalhado pelo chão. O velhinho tentava juntá-los, ao mesmo tempo que não queria ser prensado pela porta automática do elevador.
- Deixe-me ajudá-lo, por favor...
Sara ficara petrificada espiando a cena, sem entender o que diziam, já com o coração na boca. Emir era intempestivo, de gênio pouco controlável... Ela abriu a porta devagarzinho e se dirigiu a eles...
De lá, o marido pediu-lhe que acendesse as luzes do corredor, ela poderia tropeçar, cair... Mas ela não conhecia o prédio ainda, não sabia onde estava o botão que devia apertar. Apoiando-se na parede, foi se chegando, cumprimentou o vizinho, ainda meio sufocado pelo susto.
- Boa noite, senhor. Desculpe-nos pelo ocorrido... Meu marido não ia machucar ninguém. Ele apenas queria dar um susto em algum moleque que, a todo instante, toca a campainha de nossa casa.
- Boa noite, minha senhora! Ora, onde já se viu! Quase me mata do coração! Seu marido é que parece um moleque para se comportar assim. Aqui no prédio não há crianças, há jovens e adultos, e tenho certeza de que nenhum deles faria uma coisa dessas! Quanta precipitação!
Sara, desajeitada, pegava algumas coisas pelo chão...
- Deixe, senhora, não precisa fazer isso. Já estará me auxiliando muito se conseguir acender o raio dessa luz!
-Desculpe, senhor, não sei onde fica o interruptor... Mudamo-nos hoje para cá e...
Fica ali, à esquerda, dois passos atrás da senhora!
- Obrigada, já vou acender.
E andou dois passos na direção indicada, tateou pela parede, alcançou o botão e... DIN DON!
Emir, com os braços ocupados pela vassoura e alguns embrulhos, estacou. Sara arregalou os olhos. Tocou de novo no botão: DIN DON! Marido e mulher se olharam, pasmos.
Emir, desatrapalhando-se dos pacotes e da vassoura, recuperou-se, ajudou o vizinho até à porta de seu apartamento, despedindo-se, desculpando-se, sem nem saber como explicar o que estava acontecendo. Nem ele mesmo sabia...
Rapidamente, foi para junto de Sara e tocou o interruptor: DIN DON!
- O que é isso, Emir? O que está havendo?
- Não sei, querida, não sei. O Fernando, ontem mesmo, esteve aqui e finalizou toda a instalação elétrica, colocou a campainha nova, e me disse estar tudo certo...
- O Fernando??? Mas por que ele? Não sabia que ele entendia de eletricidade...
- Porque ele entende de hidráulica, mecânica... Deve... devia saber de eletricidade, também. É engenheiro, esqueceste? Quis me ajudar e eu permiti.
As luzes do corredor se acenderam e: DIN DON!
- Amor, se cada vez que alguém acender as luzes dos corredores, nossa campainha tocar... Vai ser um inferno! Como vamos dormir à noite?
...DIN DON!
- Vou descer e chamar o zelador, quem sabe ele dá um jeito nisso, falou Emir.
- Assim, de pijama e de vassoura na mão? E riu...
- Você está rindo? Vai ser um pesadelo! E o pior é que quase mato de susto o pobre velho! Se não fosse o meu reflexo, eu não sei o que poderia ter feito ao coitado... Primeiro dia, aqui, e já estamos parecendo vizinhos loucos. Vou descer, assim mesmo. Toma, pega a vassoura e entre, aqui está frio.
E se foi escada abaixo.
Passados alguns minutos e mais alguns DIN DON!, ele voltou, trazendo o zelador com sua caixa de ferramentas.
- Pode deixar, seu Emir, aqui no prédio quebro alguns galhos. De qualquer maneira, se eu não puder consertar, desligo a campainha, certo?
- Está certo, seu João, obrigado.
O funcionário abriu sua caixa, pegou uma chave-de-fenda, tirou o espelho da campainha e começou a rir baixinho.
- O que foi seu João?
- Só um momentinho, seu Emir, mas ainda não tenho certeza.
Dirigiu-se ao interruptor  e fez a mesma coisa, abriu, puxou uns fios e riu de novo.
- E daí, seu João?
Emir já começava a se irritar com aquele risinho do zelador...
- Olha, seu Emir, não sei quem o senhor contratou para cuidar da eletricidade do seu apartamento, é bom o senhor mandar fazer uma revisão em toda rede elétrica, pois quem fez esse serviço, aqui, conseguiu ligar um fio da campainha a um fio da minuteria do edifício...Assim, a cada vez que alguém aciona o dispositivo para acender as luzes dos corredores, a campainha da sua casa também é acionada...O senhor pode acender as luzes, por favor, para eu poder desfazer isso aqui?
DIN DON!
Lizete Abrahão
Enviado por Lizete Abrahão em 30/08/2005
Reeditado em 26/08/2008
Código do texto: T46251

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lizete Abrahão
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
89 textos (3325 leituras)
5 áudios (129 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:07)
Lizete Abrahão