Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                          Futilidades


          Ela passava dos 70, ele dos 80. Depois do café, se não estivesse chovendo, desciam da cobertura para uma caminhada pelo calçadão.

          Ela, passo firme, ia à frente: loira, maquiagem leve, sem rugas nem expressão. Pela coleira, levava Rick: um poodle toy branquíssimo, limpíssimo, cheirosíssimo, coquetíssimo.

          A uma pequena distância, que aumentava gradativamente, valendo-se do auxílio de uma bengala, seguia o marido: cabelos branquíssimos, acabadíssimo.

          Naquela manhã meio embaçada, completado o trajeto rotineiro, com Rick ao colo, ela atravessou a rua e retornou ao apartamento, deixando a porta encostada para que o marido entrasse sem a incomodar.

          Subiram para o terraço. Ela se acomodou na espreguiçadeira e abriu a revista semanal de futilidades, enquanto o cãozinho se distraía entre bolinhas e mordedores. Entediada, cochilou.

          Despertou, assustada, com o telefone tocando insistentemente.

          Era do hospital público para onde seu marido havia sido removido em virtude de um atropelamento. O estado dele inspirava cuidados. Necessitavam, com urgência, da presença de um familiar.

          Afagando o cãozinho, a mulher desligou o telefone e voltou para a espreguiçadeira.

          No livro de registro de comunicações do hospital, a seguinte anotação: família comunicada; esposa aguarda a chegada da acompanhante do Rick (neto?).
Rosane Coelho
Enviado por Rosane Coelho em 18/09/2005
Reeditado em 28/12/2005
Código do texto: T51596
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosane Coelho
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 62 anos
883 textos (38596 leituras)
1 e-livros (108 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:07)
Rosane Coelho