Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os cacos do cristal


                   Ela sempre se afastava de qualquer discussão sobre a dita conversa virtual. Quando eu a incentivava, ela fugia. E tudo me ficava ainda mais obscuro, trovejando em meu entendimento.
                   Fazia três meses que eu começara a navegar pela NET. Curioso  procurava as ferramentas possíveis e imagináveis para adentrar todas suas portas e janelas. Desbravando,  ia descobrindo e adoçando a vontade. o tempo me consumia mansamente e, quando eu dava por conta, as horas já haviam roubado de mim os pequenos e médios compromissos. Ela só começou a usar a NET uns quatro meses após mim e por meu incentivo. No comecinho, ela apenas dedilhava e eu a zombar de sua desintimidade com a máquina.
                 E o tempo passou! Notei que, após ela ter ganhado um laptop em um sorteio, achou de passar várias horas ao dia trancada em um quarto, sempre com o PC ligado. Eu escutava o barulhinho das entradas dos navegantes em seu PC e deduzia que ela estava mesmo navegando junto. Por que fechar a porta do quarto? Aquilo me intrigava. Enraivecia-se ela, quando a arguia sobre isso.
- Tire essas coisas de sua cabeça. Eu fecho a porta porque não gosto que fique aberta.
- Por quê?
- Não lhe interessa!
                   E minha curiosidade aguçava-se ainda mais. Eu sempre saía para trabalhar pela manhã e apenas retornava à noite. Ela deliciava-se navegando as horas que bem desejasse.
                   Na sexta-feira cheguei em casa cedo. Ela estava no PC da biblioteca. Estranhei! O laptop estava com problemas para se conectar com a internet, o que eu vim saber depois.
                  Quando entrei na sala, ela espantou-se. Eu vi que estava batendo papo pelo MSN com alguém. Quis saber quem era e por isso me aproximei. Ela tentou esconder de mim a criatura com quem falava. Eu insisti e cheguei a ler na tela do computador: “amor, foi ele quem chegou?” E eu enlouqueci. Avancei sobre o mouse do PC para vasculhar os parágrafos daquela conversa e ela se jogava à frente interrompendo.
                 Cansado  consegui apagar o monitor do PC para que ela não saísse do MSN. Abracei-a fortemente, rodei-a para pô-la no lado oposto da mesa que dividia o espaço entre a máquina e a estante da biblioteca. Em uma dessas vezes, ela caiu no chão, chorando muito. Eu consegui retirá-la da sala e fechar as duas portas da biblioteca. E então me sentei à frente do pequeno monstro quadrático e teclei. Fiz-me passar por ela.
- Oi, amor?
- Oi, filha. Foi ele quem chegou aí?
- Foi! Mas não se preocupe.
- Vocês brigaram?
- Coisa tola!
- E você está bem? Ele te machucou? Cuidado...
                       E senti o sangue subir às retinas e a fúria fez-me o desmascaramento e eu olhei para as teclas com a ira santa dos traídos e teclei sem piedade de vocabulário chulo e chamei-o do que quis. Doeu-me muito quando, irado, eu o acusei de corno e ele me respondeu:
- Eu? Tem certeza de que eu é quem sou o corno? Olhe..., pense bem..., não seria você?
                     Não sei como mas ela entrou na sala. Repentinamente o vidro afastou-se do gradil da parede e, como esperado, ela avançou sobre mim desejando a todo custo impedir-me que eu soubesse mais do idiota que talvez tivesse iludido-a ou vice-versa. Ainda lutamos por alguns minutos, cansado, resolvi ceder e ela apagou o PC e iniciamos uma longa discussão onde eu a acusava de adultério virtual e ela por sua vez a mim de neurótico, desconfiado, louco.
                   Faz um ano que nos separamos, apesar de continuarmos sob o mesmo teto por absoluta imposição de nossa situação financeira. Três meses após toda a discussão e briga, eu a peguei teclando novamente com ele. Veio iludir-me com uma conversa tola de que tinha em seu rol de amigos do MSN, além dele, sua esposa! Pensou ela, talvez, ao dizer-me essas informações, que minha memória fosse generosa comigo mesmo e tentasse esquecer o episódio.
                   Tenho acompanhado com preocupação a trajetória de mudanças a que ela tem se submetido ao longo desses doze meses. Pôs silicone nas mamas, transformando-as em duas grandes bolas sintéticas disformes. Colocou mega Hair descaracterizando a linda cabeleira natural de antes, cortada em vão. As roupas mudaram, usa estilo mais jovial. Grande parte do seus dias e noites tem sido preenchidos com longos bate-papos. Não me preocupei mais em saber com quem ou sobre quem. Tranquei-me em meu silêncio doedor tentando diluir o meu grande amor por ela, ainda forte, ficador, desafiando todo o nosso negro e recente passado de separação. Continuei a oferecer-lhe a confiança de deixá-la conduzir todas as finanças da casa. Nada mais me interessa particularizar. A minha dor criou pernas e vai comigo aonde eu vou; não a levo, mas ela vai comigo, inclemente, maltratadora, injusta, rude, depois, um enorme e mórbido fantasma!
                      Fui educado por uma família religiosa que via na família o tesouro maior de tudo, esteio basilar de qualquer sucesso pleiteado por alguém. Aprendi que o casamento era uma instituição forte, sagrada e indestrutível. Nunca aprendi a ser solitário e a não dividir espaços físicos com outros. Tenho irmãos com vinte anos de casados. Eu a amei intensamente durante todos esses anos, mesmo eu sem enxergar as minhas falhas como amigo, como esposo, etc. Nunca me ausentei do pecado e cheguei até a adulterar, mas diferente dela que me traiu em seu silêncio mais audacioso que culposo, selvagerizando um lugar de mãe e esposa perfeitas com que os meus olhos a viam. Eu submundiei punctiformemente o meu cotidiano com dois ou três laços adúlteros que nada representaram a mim além do pecado curioso a que fui levado. Ela, um cristal sublime e raro da Boêmia, caiu no chão de minha vida, despedaçando-se. Ainda achei a coragem para apanhá-los um-a-um, lavá-los, enxugá-los e depois guardá-los todos em lugar seguro.
                     Aprendi a dormir sozinho e triste. As noites são longas e apagadas. Lembro-me dela lá embaixo, noutro andar, fazendo sei lá o quê!
                     Crendo que toda a tempestade passaria, nada contei a ninguém. Achei que logo estaríamos bem e resolvidos. Tudo passaria. Voltaríamos a conviver felizes como antes. E foi então que aprendi a esquecer com a vida! A lição que tirei de tudo isso, quase que inconscientemente, foi que esquecer é possível e desamar demora muito mais que apaixonar-se. Eu a tenho menos em meu coração a cada dia que passa, deitado solitariamente e a pensar na crueza do fato em si, na nossa única piedade de tê-lo resolvido com menos dor e de tudo ter sido mais brando. Talvez, quem sabe, eu tenha permitido que tudo isso acontecesse; eu não a via como humana. Pensei que o nosso amor era intocável e para sempre.
                     Hoje, pouco mais de um ano separados de fato e de corpos, não consigo sequer abrir a gaveta do coração e ajuntar os cacos de tudo, tentar refazê-los e viver novamente como se tudo não nos tivesse acontecido. Imagino o grande episódio recomeçando e me chega a dor de novo, rasgando o coração, invertendo valores e estirando-me a mão e pedindo que eu deixe tudo e vá, mundo afora, como um louco e infeliz que muito amou uma mulher na vida e que, ferido no âmago da alma, viu seu castelo familiar ruir, desencantar, acabar.
                       Ela se apronta e sai com a maestria dos pecadores esquecidos do tempo e das dores provocadas. Eu a olho passar, tentando adivinhar seus passos que creio não sejam os passos que se escondem dentro da minha imaginação, irreais, provocadores de ciúmes e dores.
                      Toda a fortidão de um lar é muito mais que a maleabilidade de um PC, onde se pode navegar por ondas infiéis e obscuras. Ela podia estar conversando com outra mulher e o dito-cujo ser apenas a espada destruidora vestido com alma de hacker, insatisfeita com nossa antiga felicidade.
- O jantar está na mesa, Hidovan!
- Estou indo, Eva!




Paulino Vergetti Neto
Enviado por Paulino Vergetti Neto em 09/09/2007
Reeditado em 07/12/2013
Código do texto: T644781
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulino Vergetti Neto.(paulinovergettineto.blogspot.com/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulino Vergetti Neto
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 59 anos
2391 textos (136907 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 00:43)
Paulino Vergetti Neto

Site do Escritor