Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os meus 36 anos

E de repente o tempo passou…Sempre me dei com gente mais nova do que eu, e até era bem aceite entre eles e elas, mas de há uns anos para cá a situação começou a mudar, essa aceitação deu lugar a uma certa distância traduzida na abordagem que me fazem anónimos que em vez de me tratarem por “tu” o substituem por um irritante “Você”, e só reparei realmente hoje, quando um garoto de liceu me tentou cravar um cigarro utilizando um “O senhor tem um cigarro que me dê?”; o senhor??? Meu Deus o tempo terá assim de facto passado tão depressa por mim que nem dei por isso, ou dei ao “ralanti”? Como diz o meu irmão, eu não sou distraído, sou um “desligado” que não vê a velocidade pessoal do seu tempo…Uma coisa é analisar as mudanças no mundo e na sociedade, outra coisa é em mim…Claro que o tempo “esse grande escultor” passou por mim, mesmo fisicamente – Tenho uns quilos e barriguita a mais, uns cabelos brancos que até aparecem na barba quando a deixo crescer (embora contrarie estes com um corte de cabelo sempre curto que diminui os tais cabelos brancos, auto-estarda da sabedoria e sinal que estamos a entrar na idade onde se formam os sábios.)
O tempo passou…Mas ao mesmo tempo não…continuo a ter uma capacidade física semelhante aos meus 18 anos, como o que me apetece e bebo quando o apetite pede uma cerveja, mas continuo a sentir-me muito bem nas minhas 8h de sono e 8h de trabalho e tempo para mim. Mas o tempo passou de facto exteriormente e até a nível interior, pois já tenho o aspecto de trintão e o colesterol alto fruto dos excessos alimentares, as pessoas mudaram ao ponto de eu próprio não saber se realmente mudei. Sinto-me mais sábio, mais calmo, mas continuo a amar ao mesmo tempo de forma intensa e suave, marca de nascença que o tempo não apagou, continuo a ser o amigo fiel e dedicado, se bem que por vezes excessivo nos carinhos àquelas pessoas a quem me dedico, continuo a ter essa capacidade infinita de acreditar que um dia vou encontrar o amor  da minha vida e de com ela encetar a mais bela das histórias de amor, continuo a ter intacta essa capacidade de me deixar seduzir por novos textos, livros, musicas, filmes, continuo a encontrar o eco do meu “eu” quando dirijo uma interrogativa introspectiva ao meu interior para saber quem sou e para onde quero ir…Sinto-me mais calmo, mais perto espiritualmente duma entidade suprema, perto de um equilíbrio que prossigo desde sempre e que vejo perder-se quando o alcanço como lágrimas na chuva. Nos últimos tempos fiz novos amigos bem mais novos do que eu e que me aceitaram quase de imediato e trataram e tratam com um enorme carinho, sendo que um destes dias num jantar que fizemos chegaram ao ponto de me tratar por “tio” algo que me aborreceu e que deu lugar a um dos raros momentos de amuo da minha personalidade; espantados inquiriram-me de tal atitude pelo que eu respondi que era mais velho, mas não como um “tio” mas como um irmão mais velho e que esse termo se adequa à cruel distância geracional que me separa deles e delas, pois eu mentalmente me sinto como este grupo de gente tão nova, mas ao mesmo tempo tão sábia, tão genuinamente boa.
E nesta suave encruzilhada que de facto atravesso me sinto um homem feliz e quase realizado – apesar de um projecto de escritor que nunca mais se afirma na forma e nos sentidos, continuo a escrever e a tentar ser a cada linha algo de maior – tenho uma família e amigos quase ideais, sou amado, estimado e amo e estimo, e tenho também um emprego que me completa profissionalmente pelos irresistíveis projectos que a cada dia me dão e que tento completar da melhor forma possível, sendo que finalmente penso ter encontrado um local onde queira ficar e por fim envelhecer, doce e suavemente, não com as vagas do passado que periodicamente me assolavam e quase afogavam, mas como pequeninas e suaves ondas que me molham deliciosamente os pés à beira do meu mar existencial.
E continuo a amar as estrelas como desde o inicio, sonhando em ser como elas, em viajar entre elas, ou então apenas e tão somente em as observar e crer nesses instantes que “impossível” é uma palavra que não deveria estar nos nossos dicionários pessoais e literários.
O mundo de facto mudou, mas mantenho intacta uma característica da minha personalidade, a capacidade inata de sonhar e de recriar esses sonhos até ao limite corpóreo, sensorial e etéreo, e sentir que tal irá perpetuamente acontecer até ao dia, que espero distante, em que me encontre "finalmente face a face com o Invisível"
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 21/09/2007
Reeditado em 21/09/2007
Código do texto: T661907
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5145 textos (173363 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 10:33)
Miguel Patrício Gomes