Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BORBOLETAS

- Você está triste? Não fica assim. Quando meu pai morreu, eu também fiquei com dor de barriga. Parece que tem um montão de vespa aqui dentro, né? Então fica zumbindo e zumbindo fazendo barulhos e dando picadas de dentro pra fora. Naquele dia eu pensei que eu ia morrer junto também. Eu fiquei com medo. Briguei até com a minha mãe. Eu pensava que, se meu pai tinha morrido, a única culpada seria ela. Depois eu fiquei legal com ela também e percebi que ela também tinha aquelas vespas na barriga fazendo picadas e barulhos. Depois vai passando e você esquece. Bem, esquece e não esquece. Sabe o que eu acho? Acho que as vespas ficam cansadas de fazer muito barulho e picadas então elas vão dormir e me deixam em paz. Mas tem dia que elas acordam todas com fome, aí começam a picar de novo. Elas só acordam quando lembro que meu pai morreu e fico triste. Mas hoje não tem muito disso, sabe? Eu descobrir uma coisa. Quando os pais morrem, eles viram borboletas. Você sabia? Eu não sei se seu pai vai virar borboleta. Talvez vire outra coisa. Eu sei que o meu virou. Como sei? Oras! Um dia quando eu estava andando de bicicleta, uma bicicleta azul e grandona que meu pai me deu, cai na rua e machuquei o joelho aqui, olha! Saiu muito sangue então eu chorei. Eu só chorei porque estava com muita raiva e lembrei que meu pai não podia vir mais me ajudar levantar e dizer que não foi nada. Então, desceu uma borboleta na minha bicicleta e ficou olhando para mim. Aí veio outra e depois chegou mais uma. Tinha quatro borboletas na minha bicicleta olhando pra mim. Eram bonitas e uma tinha a cor do time do meu pai. Eu parei de chorar e percebi que a vespas da minha barriga ficaram quietinhas com medo das borboletas. Eu fiquei bem, tomei muita coragem e levantei. Peguei minha bicicleta e subi nela de novo. As borboletas me seguiram e depois voaram para flores do quintal da minha vizinha. Teve um outro dia na escola que percebi que tinha esquecido meu caderno de desenho. A professora ia brigar comigo e me dar negativo. Eu fiquei triste e as vespas voaram alto na minha barriga, dando picadas e picadas mais fortes. Eu ia começar a chorar quando entrou uma borboleta pela janela e sentou na minha mesa. Ela ficou olhando pra mim e as vespas ficaram com medo e saíram correndo. Quando elas pararam de picar eu fiquei bem, então a borboleta foi embora. Agora toda vez que fico triste e as vespas tentam me picar, aparece uma borboleta e manda a vespa embora. Foi a mamãe que disse que as borboletas são papai que vem me ajudar quando estou com medo...
- Você acha que meu pai vai virar borboleta?
- Eu acho
Os garotos saíram correndo pela sala e foram brincar no quintal. Os adultos consternados comentavam a tristezas que aqueles dois garotos poderiam carregar pelo resto da vida com a ausência de seus pais. Aliviada pela mudança repentina dos garotos a mãe de um pergunta.
- Crianças, o que será que deu neles agora?
- São as borboletas, respondeu a outra.


PROFESSOR VALDIR DOS SANTOS LOPES
valdirfilosofia
Enviado por valdirfilosofia em 02/10/2007
Código do texto: T678178
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Valdir dos Santos Lopes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
valdirfilosofia
Penápolis - São Paulo - Brasil, 35 anos
550 textos (23186 leituras)
2 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 04:37)
valdirfilosofia

Site do Escritor