Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A culpa é do destino...

Por que o destino fez isso conosco outra vez?
Já havíamos nos encontrados alguns anos atrás, e com a misericórdia de Deus, eu havia conseguido resistir aos seus encantos, à nossa antiga paixão, mas e agora? Uma semana dividindo o mesmo teto?

Éramos apenas adolescentes quando nos conhecemos. Vivemos um conto de fadas, nos apaixonamos, mas o amor imaturo não resistiu à distância e ao tempo...
Naquela festa, quando nos reencontramos depois de tantos anos, mesmo com o coração acelerado consegui resistir à suas insinuações, ao seu toque, ao seu cheiro.
Você veio ao meu encontro, e por alguns instantes prendi a respiração, soltei de vagar o ar preso em meus pulmões, na expectativa que isso controlasse meus batimentos cardíacos, minhas mãos trêmulas, tudo em vão.

Mas, e agora? Como faço para que nossos olhos não se cruzam? Como faço para parecer à vontade sentindo você tão próximo? Como vou respirar sem sentir seu perfume? Como vou saber que estamos tão próximos mas não podemos nos tocar, sentir sua pele, seus braços em volta de meu corpo?
Que loucura!

Hoje, poderia ter sido apenas um aperto de mão, mas não controlamos nossa saudade e deixamos nos abraçar, aparentemente para os que nos cercava era algo normal, pois nosso segredo não era compartilhado com os demais.
Pude sentir que seu coração também batia forte, e que esse encontro foi suficiente para fazer com que meu desejo por ti aumentasse ainda mais.

É uma luta que se trava dentro de mim: não sei se dou lugar à emoção ou a razão.
Emoção sim, porque mesmo depois desses anos longe de ti ainda sinto meu corpo queimando te querendo, é como se eu nunca tivesse deixado de ser sua.
Razão sim, porque construímos uma vida longe um do outro, e não podemos magoar as pessoas que tanto amamos.
A culpa é do destino...

Passei grande parte do dia fugindo, não apenas de você, mas principalmente de mim mesma, de meus sentimentos.
Temos uma historia mal acabada, com um começo tão lindo, de dois jovens tremendamente apaixonados, com sonhos, planos traçados, mas que foram interrompidos por quilômetros de distância, por anos dolorosos.

Á noite quando decidimos passear junto aos outros pela praia, pude observar como o tempo havia passado, você está mais velho, com corpo de homem, com alguns sinais de experiências dolorosas deixados marcados em seu rosto, semblante vago.
Pego-me admirando seu sorriso, sua alegria em falar, na maneira simples de conduzir a vida, mesmo com todas as lutas que já passou.

Será que haveríamos dado certo junto? Que teríamos sido feliz? Será que teríamos filhos? São perguntas que levarei para sempre comigo.
De repente uma lagrima surge e rola em meus olhos...
Você é daqueles amores que nunca saberemos se teriam final feliz, que pena...

Disfarço, sorrio forçado, ele nota e se aproxima, tento fugir novamente, mas não consigo escapar dessa vez.
Ele me pergunta porque fiquei triste de repente, e respondo que lembranças me fizeram por alguns instantes ter vontade de chorar, mas que havia passado.
Então ele sussurra de uma maneira que só eu escuto:
Não se entristeça, ainda que não estejamos juntos, jamais deixaremos de ser um do outro.

Percebi naquela hora que ele compartilhava das mesmas emoções, e que na realidade esse amor juvenil, nunca foi mal acabado, tomou rumos não planejados, não realizou os planos, os sonhos programados, mas foi forte o suficiente para resistir à distância e ao tempo.
Pra sempre nos amaremos...
Andréa Lauterjung
Enviado por Andréa Lauterjung em 01/11/2007
Código do texto: T719417
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Andréa Lauterjung
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 47 anos
109 textos (37489 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 01:48)
Andréa Lauterjung