Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Embarcou na estação de Jundiapeba em Braz Cubas - SP. Como as portas estavam fechadas não teve outro jeito senão a janela. Era pequenina então, não teve nenhum problema. 
Os passageiros ficaram assustados e a chamaram de “perdida”. 
Olhamos para ela e parecia-nos arrependida de sua aventura ou, penso eu, entrou no vagão sem saber que se tratava de um trem. 
Andava de um lado para outro e todos a observava, pois era raridade entre nós.
 Alguns colocavam os pés na frente para ver se a coitada caia ou ficava sem direção, mas ela se desviava deles e continuava andando de lá para cá e de cá para lá. 
Não era louca, mas continuava seu desfile e de vez em quando levantava a cabeça na tentativa de olhar o reflexo da luz que entrava pela janela por onde duas vezes tentou saída e o medo fê-la desistir de sua idéia. Continuava vigiada pelos olhos atentos dos passageiros que aguardavam para ver que fim daria sua aventura quando as portas se abriram e a “doida” não conseguiu sair. Muita gente apressada e o vagão ficou lotado de gente que vinha de todas as direções e a encurralaram-na. O trem partiu ao destino final: Guaianazes e muitos fariam baldeação, pois desejavam chegar a Estação da Luz em São Paulo capital. Não tendo outra alternativa foi buscando espaço por entre as gigantes pernas e chegou até nós. Tony ficou olhando-a com cuidado tentando protegê-la. Ele queria ajudá-la a encontrar direção. 
As portas se abriram novamente e desta vez a "doida" usou-se de esperteza... 
A pomba levantou vôo e partiu sem dizer adeus. 

Escrita em 28/10/2007 às 15h05 no Hospital do Servidor Público enquanto fazia companhia ao pai que estava doente.
Lenita
Enviado por Lenita em 07/11/2007
Código do texto: T727270
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lenita
São Paulo - São Paulo - Brasil, 58 anos
152 textos (12952 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 20:20)
Lenita