Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BRACELETE DE PRATA

Da força do mar...às mãos da mãeTerra...

Numa dessas compulsões femininas para o belo-mas supérfulo- eu o adquiri há quinze anos atrás, quando cintilava seu brilho, reinando numa vitrine, entre peças prateadas de Bali.
Era delicado, pouco menos que um centrímetro de largura, e exibia finos desenhos esculturados na prata de lei, peixinhos delicados e enfileirados que nadavam entre ondas marítimas, e que mais pareciam desenhos rupestres.
Pouco o usei.
Certa vez, retirei-o de sua caixinha, e o coloquei no braço, rumo ao litoral.
Já que a prata não se oxidava, tive a deselegante idéia de me adornar para uma caminhada pela praia de CABO FRIO.
Senti que os peixinhos adoraram.Afinal, sairiam do bracelete para o seu habitat natural.
E foi o que aconteceu.
Inciei minha caminhada pela orla do mar, numa praia inclinada a mais ou menos quarenta e cinco graus. Era difícil  se equilibrar alí, porque além da inclinação intensa, a areia era grossa, pesada, e as ondas quebravam-se violentamente.
De repente uma delas me tombou e carregou meu bracelete, posto que era um modelo que apenas se encaixava no braço, sem travas.
Não acreditei! Em fração de segundos, num ato muito descuidado, mergulhei mar adentro, apalpando o seu solo, quando bati com os dedos em algo metálico e já profundamente enterrado.Cavei rapidamente a areia...e eram eles!
Meu bracelete e meus peixinhos milagrosamente resgatados do mar.
Lembrei-me do MILAGRE DOS PEIXES e fiquei impressionada com a velocidade com que o mar devora o que arrebata com as mãos.
Recoloquei-o no antebraço oposto às ondas, sob o barulhento  protesto dos peixes.
Quando retornei, guardei-os na mesma caixinha.
Nesta semana, após oito anos do episódio, usei-o novamente.
Não tardou muito e novamente dei pela falta do bracelete.
Procurei-o pelo quatro cantos da cidade, voltei a muitos lugares na esperança de o reencontrar, pois o mais difícil eu já conseguira...resgatá-lo da força do mar!
Que nada!
Aqui nesse mundo nada nos pertence. Somos apenas posseiros passageiros e inadvertidos das coisas da TERRA.
Consolei-me...afinal,a prata e os peixinhos...voltaram às suas casas...

(Verídico)
MAVI
Enviado por MAVI em 24/11/2007
Reeditado em 24/11/2007
Código do texto: T750189

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MAVI
São Paulo - São Paulo - Brasil, 57 anos
5445 textos (340893 leituras)
993 áudios (87035 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 12:55)
MAVI