Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ANTI-HERÓI



          Completara 30 anos naquela semana, sem comemorações. Desempregado há quase oito meses, o desânimo o invadira. Mensalidade da escola das crianças, prestação da casa própria, condomínio: tudo atrasado. Telefone mudo. A conta de luz paga sempre às vésperas do corte. O dinheiro que recebera na demissão já tinha acabado. Agora só contavam mesmo com o salário da mulher, que dava aulas numa academia e vendia umas bugigangas. Somando tudo, era quase nada. Dormir tinha ficado impossível. Quando o cansaço o derrubava, sonhava com o supermercado. Acordava encharcado de suor. Não falava mais. Não conversava. Só pensava. Planejava.

          O dia escolhido amanheceu lindo. Sábado claro, com certeza de sol . Levantou bem cedo. Com muito cuidado para não acordar a mulher, escreveu um bilhete e deixou sob o abajur. Foi até o quarto dos filhos e espiou da porta. Um beijo poderia despertá-los. Economizou o café e saiu de mansinho.

          Entrou no carro e pegou a estrada. Quantas vezes fizera esse percurso com a família, o emprego, as contas em dia e a despensa cheia... Hoje, seguia só. Hoje, só seguia.

          Nunca havia chegado tão rápido lá em cima. Desligou o carro e permaneceu ao volante por algum tempo. Ruídos ali, só os da natureza. Acarinhou a mancha escura no assento do carona: xi, pai, escapuliu... Enxugou os olhos com as costas da mão, desceu e se preparou.

         
Céu azul e mar verdinho compunham o cenário da despedida. Demorou-se um pouco. Esticou o momento. Não! Não desistiria.

          Tomou distância e correu. Saltou.

          Entre a montanha e o mar, planou em êxtase pela última vez. O vôo durou quase meia hora. Quando desceu na areia da praia, o comprador do parapente já o esperava com a namorada. Pegou uma carona com eles de volta à rampa. Recolheu na mala do carro um carretel de linha e um esqueleto de cafifa. Entregou a chave à moça e desceu com o rapaz até o supermercado, onde, se a mulher tivesse lido seu bilhete, reuniria a família. 



              (Publicado em Matéria de Invenção 2, edição SINTRAJUFE/RS)





Rosane Coelho
Enviado por Rosane Coelho em 24/11/2005
Reeditado em 06/04/2006
Código do texto: T75631
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosane Coelho
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 62 anos
883 textos (38593 leituras)
1 e-livros (108 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 10:09)
Rosane Coelho