Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A trágica visita....

Era tudo novidade o que os dois amigos viviam durante aqueles dias.... na verdade, para um era mais novidade, pois nunca havia estado naquele lugar tão agitado e confuso ao mesmo tempo..... mas curtia tudo com uma dose de bom humor e descoberta de novas possibilidades....
Ao chegarem lá conheceram um amigo... muito cúmplice nos seus gostos e atitudes..... era cordial e afável.... culto e singelo... gostava de leitura e cinema.... amante de uma boa comida e um bom vinho... de lugares simples e requintados.... alguém apurado e ao mesmo tempo despojado de pré-conceitos sociais.....
Aventuraram-se naquela cidade de concreto.... de tanto andarem, aos poucos acostumaram-se com o ritmo frenético das pessoas....
Convidados a conhecerem uma casa de uns hábitos estranhos, prontificaram-se com toda disponibilidade e curiosidade do momento....
Chegando lá, depararam-se com uma reforma na estrutura predial... algo meio esquisito... tudo bem, mesmo assim entraram na ânsia de descobrirem o que havia ali dentro.... no interior do ambiente ficaram mais à vontade.... pois o lugar sugeria o despojamento das vestes e uma simples toalha a encobrir suas partes íntimas....
Era interessante.... tudo dentro da normalidade das coisas.... piscinas com água aquecida e esfumaçando um odor de eucalipto e ervas.... com aqueles corpos aquecidos e imersos ali dentro.... à primeira visão era de uma caldeira do inferno, aquelas descritas na obra do escritor Dante... perto da piscina, à parede congruente à borda, uma cascata descia em meio a pedras e uns ornamentos florais...
Havia também umas duchas imensas a jorrarem água fria e quente ao mesmo tempo.... que quando abertas pareciam uma tormenta dos céus a cair....
Logo um dos amigos flutuava em meio à caldeira, num verdadeiro cozimento corporal naquela água borbulhante, e convidava-lhes para entrar e deliciar-se naquela fervura.... com muita cautela os dois amigos resolveram não participar, ficando àquele como que um leitão depurando suas carnes num cozimento... era hilário a imagem vista ali...
Os outros dois ficavam apenas observando e procurando entender a lógica do processo, quando um resolveu tomar uma ducha, pois fazia um pouco de frio no momento.... sem esperar, ao abrir a torneira da ducha, levou tragicamente, um susto e tanto, visto que a água que saía estava por demais aquecida....
Eu, que ali perto encontrava-me conversando com uma pessoa que conhecera, vi meu amigo se retorcendo todo, como que incorporando uma entidade mística naquele momento.... vimos diante do espelho que àquilo produzira nele um verdadeiro vermelhão em seu pescoço e costas...
Mas também seria aquilo um alívio e tanto para o caro amigo, pois havia sentido até ali uma urticária que o incomdava por alguns dias, sanando de uma vez os sintomas....
Rimos o bastante do acontecido.... pela cena hilária que ficou no momento da ducha.... quem esperava fatidicamente por aquilo.... na volta de casa ainda ríamos de tudo aquilo com o nosso outro amigo, o leitãozinho.... fomos embora, pois havíamos de chegar em casa antes das vinte e uma hora.... risos soltos pelo caminho..... assim foi aquela experiência numa casa de banhos..... que casa.....
André Ícarus
Enviado por André Ícarus em 03/01/2006
Reeditado em 03/01/2006
Código do texto: T93738
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André Ícarus
Recife - Pernambuco - Brasil, 38 anos
197 textos (20702 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:36)
André Ícarus