Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto





Em meio ao silêncio, soaram uma leves pancadinhas na porta...
Tão suaves eram, que pensei serem engano dos meus ouvidos.
Levantei a cabeça do caderno em que escrevia, e:
“Toc-toc-toc” – de novo!
Levantei-me e fui ver, espreitando pelo olho de vidro da porta: Nada!
“Toc-toc-toc” – As pancadinhas soavam baixinho, mesmo do outro lado da madeira, que coisa!
Abri a porta, curiosa.
Vi uma menina, de vestidinho cor-de-rosa, fora de moda, como os da minha infância: Franzido na cintura, manguinhas curtas de balão, um grande laço atrás.
Cabelo cortado a direito, olhinhos castanhos enormes, líquidos de inteligência e vivacidade.
Sorri.
Ela sorriu também e foi como se se tivesse derramado entre nós um perfume de alfazema!
Sem ter de lhe perguntar, já ela ia respondendo num gesto: estendeu os braços, segurando nas mãos ambas um cesto de vime redondo, com tampa.
- Dás-me um Euro se te mostrar o que tem dentro? - Murmurou.
- Claro que dou, disse eu! E uma fatia de bolo!
- E uma laranja fresquinha, tens?
- Tenho sim! Posso arranjar um lanchezinho e arrumá-lo no teu cesto.
- Não! Não podes!
- Porque não posso?
- O cesto está ocupado, não te disse antes? Só o abro se me deres um Euro!
- Pronto, pronto! – Disse eu. E ia voltando costas, a caminho da cozinha...
- Ei! – Disse a menina, antes que eu sumisse – E o Euro?
- Já te dou; vou à cozinha. Entra, se quiseres!
- Não quero. Quero um Euro e uma laranja fresquinha.
Depois, muito baixinho:
- E a fatia de bolo. Cheira tão bem! Fizeste-o agora mesmo, não foi?
- Foi! Tirei-o agora mesmo do forno.
- Então dás-me duas fatias?
- Tens muita fome? Queres um copo de leite?
- Não! Leite com laranja azeda, não sabes? Só quero o que combinámos.
- Ai, ai, que teimosa me saíste! Vou procurar a moeda. Primeiro a moeda ou o lanche?
- Primeiro a moeda! – Afirmou, quase arrogante.
- Porquê primeiro a moeda?
- Porque estraga mais depressa.
- Estraga-se mais depressa do que a laranja e o bolo? – Estranhei. Como me explicas tu isso?
- Ah, eu explico: É que daqui a pouco já quase nada se compra com um Euro!
- E que vais tu comprar com o Euro?
- Não sei. Vou dá-lo à minha mãe, que está sempre a dizer isto ao meu pai.
E o meu pai discute com a minha mãe. Por isso tenho pressa. Preciso muito do Euro!
Dei-lhe a moeda. Abriu o cestinho. Dentro, um dragãozinho de plástico verde e amarelo.
Arregalei os olhos pasmados.
Ela levantou o brinquedo e juntou a nova moeda a outras que estavam no fundo.
Fechou cuidadosamente o cesto e disse séria:
- Sabes? Assim o meu dragãozinho faz magia.
- Pois faz! – concordei. Se pedires um Euro a cada pessoa...
- Vês, como percebes? Já não era sem tempo... ufa!
- E porquê a laranjinha fresca?
- Para a minha mãe, que espera um bebé e precisa de vitamina.
... Fui para a cozinha, estendi um pano na bancada, assentei um prato no meio e arrumei nele bolo, fruta, pacotinhos de sumo. Atei as pontas em cruz, como vira tantas vezes a minha mãe fazer, que nunca deixava um pobre sem um prato de comida.
Tinha-me esquecido da força da solidariedade silenciosa, no deserto de cimento onde berram de todos os lados: Compre! Compre! Compre!
E nos agridem a cada instante com preços, com cotações, promoções, anúncios de bens supérfluos.
Nos assustam e envenenam com apelos ao consumo desenfreado.
No oposto, a suavidade de um “toc-toc-toc” na porta.
Uma menina com vestido cor-de-rosa e um dragãozinho de plástico que faz magia pelo modesto preço de um Euro.
A inteligência ensinando a todos o modo sublime de contribuir para a paz. 


Lisboa, 16/11/2003







Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 28/12/2004
Reeditado em 08/11/2006
Código do texto: T998
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Petronilho
Almada - Setúbal - Portugal, 64 anos
1238 textos (130217 leituras)
60 áudios (14340 audições)
9 e-livros (5073 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/16 03:38)
Maria Petronilho

Site do Escritor