Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LUAR COR-DE-ROSA

Romeu Prisco

          Na última viagem que fiz à região da Transilvânia, na Romênia, certa noite convidaram-me para conhecer o castelo do Conde Drácula e sua família. Aliás, pelo que depois fiquei sabendo, parece que o convite partira do próprio anfitrião. Mal acomodado num minúsculo taxi, conduzido por um taciturno motorista, fui transportado até o local. Aberto o portão de ferro de duas folhas, o taxista contornou uma alameda interna e me deixou ao lado do vestíbulo do castelo. Um atarracado e sorridente mordomo brasileiro, de origem nordestina, que se identificou como Vampião, fez as honras da casa. Acompanhado de uma discreta reverência de cabeça, estendeu o braço na diagonal, com a palma da mão voltada para cima,  indicando-me a entrada Ainda surpreso, perguntei: Lampião ? Não, respondeu ele, é Vampião mesmo.

          Enquanto aguardava pelo Conde Drácula, na espaçosa e confortável sala de visitas do seu castelo, procurei satisfazer a minha curiosidade sobre aquele patrício. Como fora parar tão longe ? Por que ? Vampião relatou que, no Brasil, anos atrás, apesar da sua constituição física privilegiada, contraíra profunda anemia, que ocasionava rápida diminuição dos glóbulos vermelhos do sangue. A enfermidade se manifestara, coincidentemente, quando estava a serviço de um influente coronel e político do agreste cearense. Esgotados todos os recursos, sem que houvesse melhora, seu médico o aconselhara a se tratar com um colega romeno, o Dr. Rubran Sorvick, hematologista de renome internacional.


          Amigos ajudaram-no a pagar as despesas de viagem, pela empresa aérea romena, a Transvamp. Chegando ao seu destino, Vampião fora submetido, pelo Dr. Rubran, gratuitamente, a um prolongado e rigoroso tratamento, na clínica hematológica do Hospital Central Professor Kyropterus, até que se recuperara totalmente. Após o restabelecimento do seu paciente, por quem se afeiçoara, o médico romeno, que na vida particular era o Conde Drácula, lhe ofereceu o cargo de mordomo. Grato a quem salvara sua vida, Vampião não titubeou em aceitar. Assim, passara a ter um emprego fixo, com direito a salário in natura, casa, roupa lavada e passada, férias anuais e outras vantagens trabalhistas. Além de mordomo, Vampião também se tornara motorista do Conde Drácula.


          Quando ia prosseguir no diálogo com Vampião, fomos interrompidos pelo Conde, que justificou a ausência da mulher. A Condessa se encontrava recolhida no seu ataúde, convalescendo de uma vampirose, adquirida, inadvertidamente, de sangue contaminado. Em compensação, o Conde me apresentou seu casal de filhos. A garota, uma linda vampete de 15 anos,  que se chamava Morcelina e era carinhosamente apelidade de Morcy, enquanto que o rapaz, um simpático vampex de 14 anos, atendia por Rubraninho, por ser portador do mesmo nome do pai. Feitas as apresentações, Morcy e Rubraninho se declararam fãs da famosa dupla brasileira de cantores, Sandy e Júnior. Quando me perguntaram se eu dispunha de um CD daquela dupla, não conseguiram disfarçar sua decepção, diante da minha resposta negativa.

          Refeitos, Morcy e Rubraninho pediram licença e se despediram, educadamente. Estavam de saída para um programa noturno, com alguns amiguinhos. Iriam a uma vampeteria, com animação, ao vivo, do famoso conjunto musical norte-americano, The Bloodding Stones, que se encontrava em curta temporada na cidade. O Conde lembrou-os de que deveriam retornar, sem falta, antes do amanhecer, recomendando-lhes, ainda, que só tomassem refrigerantes Sangrariol. Sim, disseram ambos, que tratavam o Conde, na intimidade, de vampapy.

          Após a despedida dos filhos, o Conde me levou a conhecer as dependências do castelo. Começamos pelo amplo escritório, equipado com uma biblioteca de fazer inveja aos mais fanáticos vampirólogos, tal a quantidade de livros, enciclopédias e dicionários sobre vampirologia. O castelo não tinha cozinha e nem sala de almoço, porém, era dotado de uma enorme sala de jantar, finamente decorada com lustres e tocheiras de bronze, tapetes e cortinas de veludo em tons escuros, larga mesa e cadeiras de madeira entalhada. Nos aparadores, nada de pratos e talheres, mas, apenas copos de cristal, que também faziam parte da decoração. Da sala de jantar passamos para o salão nobre, onde se podia ver, nas paredes, quadros de telas pintadas a óleo, retratando toda a dinastia do Conde Drácula, desde os primórdios do vampirismo. Via-se, ainda, o brasão da família, sustentado, nos lados, por dois enormes e vistosos morcegos empalhados. Era nesse salão que, anualmente, se reunia o seleto grupo de integrantes do Conselho Mundial de Vampirismo. No mesmo salão também se realizavam, periodicamente, conferências, palestras e as solenidades festivas.

          Propositadamente, o Conde deixou por último a dependência do castelo, que considerava a vampira dos seus olhos: a adega, na qual chegamos, depois de descer longa escadaria. O recinto, devidamente climatizado, continha um estoque incalculável de sangue envelhecido, acondicionado em recipientes próprios e adequados, dispostos nos escaninhos de grandes armários. A separação obedecia aos respectivos tipo e procedência. O Conde me convenceu a provar um, pra lá de centenário, que pertencera a um membro da corte da rainha Vitória, da Inglaterra, conhecido por Lord Gaylor, o que justificava seu matiz, ligeiramente azulado. Copo na mão, primeiro procurei "sentir" seu aroma, para depois degustá-lo, como se fosse o melhor dos vinhos. Para quem, como eu, não tinha esse hábito, o paladar deixou a desejar, mas, como dizem os franceses, noblesse oblige. Polidamente, recusei uma segunda dose, que o anfitrião me ofereceu.

          Encerrada a visita, o Conde determinou a Vampião que me conduzisse de volta para o hotel, no seu veículo, um antigo, bem conservado e possante Thunderbat. Chegando à hospedaria, quando me despedia do compatriota, exteriorizei a minha satisfação, por ter sido, aquela, uma noite proveitosa e agradável para mim. Todavia, lamentei o fato de não ter podido conhecer a Condessa, em face da sua doença. Vampião não deixou por menos e reportou que a história era outra. Na verdade, a Condessa tivera violenta crise histérica, gerada pelo ciúme, ao surpreender o Conde e Vampião fazendo, segundo disseram, sem nenhuma maldade, um troca-troca de sangue, pescoço-a-pescoço. Depois dessa, saí apressado do carro, dei uma rápida olhada para o céu, onde brilhava um estranho luar cor-de-rosa, me dirigi ao saguão da pousada e tomei o elevador. Desci no segundo andar e entrei correndo no meu quarto. Tranquei portas e janelas, fui ao banheiro e me vi no espelho. Meus olhos, estes sim, estavam com um inusitado brilho cor-de-rosa, o que explicava a impressão que o luar me causara. Não tive dúvidas: debrucei-me sobre o vaso sanitário, enfiei dois dedos na garganta e provoquei o vômito do sangue ingerido no castelo, objetivando inibir outras reações adversas. Quando dei a descarga, ouvi, claramente, uma mensagem. A voz de um homem, excessivamente delicada, disse, em português, com acentuado sotaque britânico: "Tarde demais, querido. Agora estamos unidos para sempre" !

FIM

Todos os direitos reservados
-----------------------------------------------------------
visitem:
www.lunaeamigos.com.br/prisco/prisco.htm
www.recantodasletras.com.br/autores/romeuprisco
Romeu Prisco
Enviado por Romeu Prisco em 17/07/2006
Código do texto: T195723

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Romeu Prisco
São Paulo - São Paulo - Brasil
142 textos (31849 leituras)
9 áudios (4848 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:24)
Romeu Prisco