Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sentido ausente

 
 
Pairava ali, o olhar distante do próprio corpo a fitar um horizonte que não podia alcançar. Em pé, entre a areia e o mar, mergulhava em secos sonhos a esperar pelo sol que se negava a chegar.
 
Ultima estrela no céu... Ultimo sonho na terra e mais um passo rumo ao destino não tão certo, mas já existente numa consciência agora liberta de toda tormenta.
E a paz, apenas a paz, dada somente aos que conhecem a verdade do que são.
Os pés descalços sentem a primeira onda, água fria abraçando uma vida até então também fria de toda e qualquer emoção.
 
Os olhos ainda pairam ao longe do corpo que parece não mais existir.
Acorda o espírito ao toque frio das mãos do inverno que as águas abraçaram, uma gota do mesmo mar escorre-lhe pela face que tantos sonhos guardou em si.
Sente o gosto do sal e percebe-se como parte do imenso universo estendido à sua frente, líquido, o mesmo frio que tem nas emoções guardadas em si.
 
Tudo passa a ser uma continuação da vida que mal pode conhecer, ou viver...
Os olhos buscando ao longe um ponto sequer que lhe mostre um som, um tom ou mesmo a melodia que nunca conseguiu ouvir, param sua busca, entregam-se e derramam-se ao mar que os recebe com o acalanto sonhado em terras secas.
A pele, cada poro, sente apenas o abraço das ondas que lhe recebe plena e harmoniosamente.
 
E o silêncio...
Nada se ouve, nada mais é sentido. Pára a vida na melodia silenciosa que o pranto ecoou nas brumas formadas entre um corpo e a dor.
O universo líquido aquece o espírito, abatido, curando-lhe as feridas que na vida alcançou. Tudo passa a ser o nada nunca antes pensado ou almejado.
 
E mais uma vez, o silêncio, apenas o silêncio e o azul que começa a perder a cor...
E assim fecham-se os olhos, já sem cor, que tanto esperou poder encontrar a razão de sua busca... Fecham-se os olhos e fecham-se também os sonhos calando o canto que o mundo nunca pode ouvir...
Fecha-se o mundo na entrelinha da vida que nem ao menos conheceu a poesia do que é ser feliz.
 
E voa o corpo nas ondas firmes de um mar perdido entre o sonho e a razão, sente ainda o toque das asas que o recolhem na suavidade que nunca conheceu.
Vê-se então como parte de um todo, uma obra, seu apogeu.
Às águas salgadas do mar, derrama seu pranto no silêncio que sempre foi, misturando-se a mansidão que sempre buscou, sente-se agora na plenitude de uma vida que nunca conheceu.
 
E assim, fecham-se as cortinas no ato derradeiro que delimita o fim.
No último adeus, um som invadindo o silêncio que já se fazia existir na própria voz que agora, num último som,  brada por perdão.
 
17/07/2006

Aisha
Enviado por Aisha em 03/08/2006
Reeditado em 02/07/2013
Código do texto: T208308
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35175 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:14)
Aisha