Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FILHOS DA NOSSA OMISSÃO


Ontem, ao andar pelas ruas do centro do Rio, fui abordado por um moleque de rua que, como um louco, me chamava de pai.
– Cale-se, moleque! Não te conheço. Nunca te vi! Nunca, ao menos, imaginei a tua existência – afastei-me dele.
Realmente seus atos eram de um louco desvairado – pude perceber.
Ele agarrou-se à minha roupa e continuou a gritar:
– Escute, moço, você é o meu pai, eu sou seu filho!
– Não sou casado. Nunca tive uma mulh... – hesitei em responder minha intimidade – nunca, ao menos, me preocupei em saber que alguém assim existia.
– Mas você é o meu pai, eu sou filho do mundo, filho de todos aqueles que não se preocupam comigo, e com tantos que vagam sem destino pelas ruas.
Poucos instantes depois um policial o levou pelo braço. Ainda bem, não mais tive que ouvir aquele estúpido me chamando de pai. Sou somente mais um elemento na sociedade.
E o moleque, sendo levado para uma instituição – que é o local ideal, ao meu ver – continuou a gritar:
– Este policial também é o meu pai... aquelas mulheres, são as minhas mães – o atrevido, como que a desafiar-me, continuou com aquela insistência maluca enquanto apontava para umas madames.
Cheguei em casa, tomei meu banho, jantei e fui assistir a TV. Depois, como de costume, iria dormir e sentir como a vida é boa para mim. Deveria esquecer aquele moleque. Não deveria mais me preocupar com um pequeno vândalo a me abordar e a me chamar de pai. AH, SE EU DEVO ME PREOCUPAR COM “LOUCOS” QUE VAGAM NAS RUAS?!



  Carlos Alberto de Carvalho
  Todos os meus trabalhos estão registrados na Biblioteca Nacional-RJ
carlos Carregoza
Enviado por carlos Carregoza em 29/09/2006
Código do texto: T252156
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
carlos Carregoza
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
102 textos (5962 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 18:08)
carlos Carregoza