Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O QUE É VIVER EM SÃO PEDRO DA ALDEIA?!



Estou a contemplar o poente... poente este que a cada dia mais e mais me fascina, fico a me perguntar quais os deuses me conduziram a este paraíso que eu, no meu longínquo e querido Sergipe, jamais imaginava existir, muito menos, que um dia eu iria aqui viver e amá-lo.
        Lembro-me do ano de 87, aquela sombria tarde, porém, quente, em que o ônibus violava o negro asfalto em direção a este lugar que, só quem o conhece e o vivencia, pode então perceber o que ele significa.
         A passagem mais marcante foi quando o veículo adentrou a rodovia em direção a Araruama, abandonando assim a Br 101 que segue para Campos dos Goytacazes. Estávamos em Rio Bonito, e os laranjais, com seus frutos exibidos, como que a enfeitarem a paisagem, mesmo lembrando-me Boquim – Sergipe, me transmitiu medo, insegurança, dúvidas e interrogações...
         – O que estou fazendo aqui? Porque estou neste ônibus? O que vou encontrar e fazer no lugar que nem mesmo ouvi falar?
         Aquelas três interrogações foram as poucas que ainda hoje lembro-me mas, com certeza, foram dezenas ou centenas.
          Poucos minutos depois encontrava-me na rodoviária de Araruama. Rodoviária onde ambulantes expunham seus produtos. Entre gritos, eu observava uma espécie de luta pela sobrevivência.
           E contrastando aquela cena, poucos metros dali, um retrato natural que eu via e que era algo totalmente desconhecido...um imenso lago – a Lagoa de Araruama.
          Com tudo que eu estava vendo, parecia estar hipnotizado por um tapete natural a lançar-se na sua imponência e humildade exigindo em desafio para abrir alas para a cidade. Foi naquele instante que eu estava tendo o meu primeiro contato com um mundo totalmente desconhecido...foi o meu primeiro contato com a Região dos Lagos.
          O ônibus em poucos minutos deixou para trás a rodoviária e os ambulantes, mas não o gigante lago, pois, a rodovia seguia às margens e fez com que mais e mais eu continuasse a observá-lo.
           A minha fascinação pela paisagem foi ainda maior pelo alaranjado que formou-se no céu a confundir o verde cana das montanhas que abraçava a lagoa. Mas, aquele alaranjado foi suplantado pelo escuro. O Sol, que imperara durante todo o dia, procurava o refúgio como que a dizer que o seu tempo de reinar chegara ao fim. Naqueles minutos, substituindo o Sol, surgiram as estrelas no firmamento e a Lua parecia querer seu espaço nas águas e lançava-lhe seus raios; era essa, outra diferente imagem, que me causava novamente um fascínio.
            Uns quinze minutos, ainda a margear a lagoa, estava em Iguaba – povoado que pertencia a São Pedro da Aldeia. E as luzes dos postes como que adentrarem na lagoa, iluminavam as límpidas águas que traziam a fonte da juventude e de inspiração.
            Todo o meu medo e insegurança sumiram quando tornei-me sergipano-aldeense; pois, fui aceito pelos nativos que, com sua humildade, tradição e hospitalidade, abriram seus braços e me acolheram na sua comunidade.
             E hoje, muitos anos passados, me sinto feliz e agradeço a Deus por aqui morar, e, com o fascínio que esta cidade me transmite, continuo a me perguntar:
             – O que é viver em São Pedro da Aldeia?!...
             Mas, no morto espaço das dúvidas, onde as certezas nasceram e se fazem presentes, nossa Aldeia, esse fascinante mundo, praiano e rural, é de vital importância na minha vida, e que se eu não o conhecesse, estaria a faltar um pedaço... eu teria deixado de conhecer um paraíso; teria deixado de viver um Céu, na Terra!



  Carlos Alberto de Carvalho(Carloscarregoza)
  Todos os meus trabalhos estão registrados na Biblioteca Nacional-RJ.
carlos Carregoza
Enviado por carlos Carregoza em 29/09/2006
Código do texto: T252159
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
carlos Carregoza
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
102 textos (5964 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:20)
carlos Carregoza