Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Encontro

Foi assim que eu te vi pela primeira vez em um coletivo, era só mais um rosto, antes fosse só isso.
Por coincidência fui em pé, ao teu lado, pude te olhar dos pés a cabeça, algo em ti me chamava atenção, sei lá, acho que teu jeito, suspeito que tenha sido o teu olhar misterioso, estávamos nos conhecendo, que dizer, eu estava te conhecendo, você mal olhava pra mim, e eu não estava sozinho, estava acompanhado com um amigo,
mas ele não percebeu que nós estávamos em um clima de sedução.
Os vinte minutos passaram, hora de descer, pensei que não fosse mais te ver, me enganei, você desceu logo depois de mim e ficou rondandomeu território, confesso que não acreditei naquilo, será que é verdade? Ou veio só me chamar atenção pelo meu atrevimento?
Fui covarde em não ter ido ao teu encontro, fiquei inseguro, com medo, preferi ficar no portão da minha casa e entrar, esperei você ir embora e você foi, dei adeus a você e me arrependi, não tive coragem
de me aproximar. Semanas passaram e o destino te colocou mais uma vez no meu caminho, ou melhor, no mesmo coletivo, eu estava lá, atras de você sentindo teu cheiro, falando baixinho no teu ouvido, tentado te dar o numero do meu telefone, mas você fez de conta que eu não existia e nem ligou pra mim era como se eu fosse nada. Vinte minutos passavam-se e eu  desci em casa e você desceu junto, dando-me a segunda chance e eu não deixei escapar, dei meia volta e comecei a andar e você me seguiu, andei como tartaruga e você se aproximou perguntando: o que tu tava falando no ônibus? dessa vez eu quem te segui, paramos no meio da esquina, não consegui dizer que eu estava afim de fixar contigo, foi aí que eu te dei meu telefone pra gente não perder mais o contato, você me chamou pra conversar e eu não pude, notei que chateação em você, mas aguardei que me ligasse e você não ligou e eu topeira, esquei de perguntar teu nome o numero do teu telefone. Passaram-se alguns dias até chegar ontem quando decidi te esperar no terminal, ate algumas horas, queria te ver de quaquer maneira e vi, mas você estava em outra parada e mau olhou pra mim, fiquei chateado, com ódio da vida, eu tinha esperanças que você fosse pra parada onde eu estava, mas nao foi, teu ônibus chegou primeiro e você foi nele, fui pra casa já pensando em preparar minha janta, ouvir um onzinhoe durmir pra voltar a minha velha rotina do dia seguinte, "o meu ganha pão", quando fui fechar o portão lá estava você, na esquina, surpresa imensa, não esperava, fiquei feliz emte ver alí, como eu estava sozinho em casa,te chamei pra me fazer companhia, depois de voltas e voltas acabou rolando o que nós queríamos, uma noite espetacular que vai ficar guardada à sete chaves e que já combinanos repetir.
André Docky
Enviado por André Docky em 28/08/2007
Código do texto: T627309

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André Docky
Fortaleza - Ceará - Brasil, 32 anos
211 textos (96628 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 16:55)
André Docky