Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rirone - Ato 5

Pietra Parte 2

Quando Ícaro mencionou aos seus companheiros que seu mestre Shugal havia lhe falado sobre aparições de monstrons nas Montanhas Monstruosas, eles arregalaram os olhos e ficaram de queixos caídos.

Já a muitos anos não se ouvia falar em tais aparições, segundo pronunciamentos do exército de Fe-ho, os monstros foram extintos desde a ultima grande guerra de Rirone. Segundo as lendas urbanas, os monstros foram exterminados pela Infantaria de Selva, que segundo a cultura popular de Fe-ho, eram os mais eficazes soldados de toda a tropa.

Rufus levantou-se e foi em direção a uma torneira localizada no canto do pequeno quarto. Enquanto molhava o rosto para dispersar o sono, falou:

- Vocês sabem das histórias que contam sobre a Capitã Pietra?

Ícaro e Lili acenaram com a cabeça como quem quer ouvir o que ele tem a dizer, então o pequeno soldado prosseguiu:

- Dizem que ela sozinha limpou um setor enorme das Montanhas Monstruosas usando apenas uma faca.

- Mas... O que você quer dizer com “limpou” Rufus? – perguntou Lili.
-Quero dizer que ela acabou com todos os monstros que ali viviam.

Espantado, Ícaro pegou sua pequena espada e a observou imaginando se uma simples faca seria capaz de atravessar a couraça de um daqueles monstros.

- Será que ela não inventou essas histórias para impor respeito em seus homens? – Indagou Lili, com cara de quem duvida muito.

- Não Lili, ela nega tudo.

Já foram duas horas de conversa acerca das façanhas de Pietra, quando a porta que lembrava uma pesada escotilha foi aberta. Uma garota de seus 19 anos entrou carregando três mochilas:

- Olá recrutas, vocês são Rufus, Lidiane e Ícaro?

- Somos nós – respondeu Lilí.

Rufus olhou para Lilí surpreso, ele até então acreditava que Lilí se chamava Liliane, talvez por este ser o nome da avó que vive com ele.

- Tudo bem jovens – prosseguiu a garota – estes são seus uniformes e sua mochila militar.

Ela deixou-as sobre as camas e saiu com pose de veterana.

Retirando os uniformes, ficou claro qual era a de cada um devido ao tamanho. Apesar de mulher, o de Lilí não diferia dos demais, em Fe-ho os militares não tinham tratamento diferenciado devido ao sexo.

Rufus prontamente começou a trocar de roupa e, embaraçados, Ícaro e Lilí se entreolhavam, sem saber o que deveriam fazer.

Antes que percebessem, Rufus já estava uniformizado, esperando com olhar impaciente que seus companheiros fizessem o mesmo:

- Lilí, não se acanhe – disse o menino com sorriso maroto – militar amiga minha pra mim é homem!

Ícaro já desabotoava as calças enquanto Lilí enrubescia as bochechas. Alguns minutos foram necessários para que ela se conformasse em se trocar na presença dos dois meninos e lembrava-se das palavras de sua mãe: “Minha filha, homens vão te ver nua!”

Queria ela naquele momento ter escutado sua mãe pelo menos uma vez na vida, mas sem que notasse, os garotos haviam se virado de costas enquanto ela se trocava. Ali surgira um sentimento que jamais seria esquecido: o respeito por parte de Rufus e Ícaro.

- Posso me virar? – Disse Ícaro.

- Pode sim – respondeu a garota já uniformizada e confortavelmente escorada na pia.

Alguns minutos depois a porta é novamente aberta. Eis que entra cautelosamente no dormitório a capitã Pietra.

- Jovens, venham comigo.

Eles a seguiram pelos complexos corredores e escadas do palácio até alcançarem a parte mais alta do mesmo. Saíram em um terraço de onde podiam visualizar não apenas todo o reino, mas além das muralhas. O grande atrativo, no entanto, era a brisa fresca que tocava seus rostos e o calor dos raios de sol. Já passara da hora do almoço e o sol se encontrava em um lugar no céu de onde parecia que havia sido feito exclusivamente para aquele momento.

- Capitã, permissão para falar. – Solicitou Rufus como qualquer bom soldado.

- Permissão concedida recruta Rufus.

- Capitã, porque estamos separados dos demais?

Ícaro voltou sua atenção aos dois enquanto Lilí coçava a barriga e aproveitava a situação.

- Garotos, eu tenho algo realmente importante para falar com vocês, por isso os trouxe até aqui.

Ao escutar o termo “importante”, Lilí conseguiu concentrar-se novamente em Pietra e pôs se a ouvir com mais atenção.

- Vocês não vão fazer parte do grupo de apoio – disse a capitã.

Antes que a primeira lágrima rolasse pelo rosto de Rufus, o mais sedento por uma missão dentre os três, Pietra concluiu:

- Devido a certas peculiaridades, vocês serão uma força tarefa especial, que foi escolhida cautelosamente pelo alto conselho militar.

A pequena lágrima conseguiu finalmente saltar dos olhos de Rufus, que agora tremia as mãos. Ícaro coçava a nuca como costumava fazer ao ficar extremamente curioso e Lilí se aprontou a perguntar:

- Podemos saber quais peculiaridades são essas e... Porque “Força Tarefa”?

- Claro que sim Lidiane – respondeu a capitã – Vocês foram escolhidos para ir exatamente aonde a princesa Enfa foi vista pela ultima vez. Acreditamos que ela retornará ao mesmo lugar durante esta noite.

- Não estou entendendo mais nada – interferiu Ícaro.

Pietra se assentou em um banquinho de pedra e convidou os três a fazerem o mesmo.

- Rufus é filho de Rufus Sufur, o melhor infante que já conheci.
O garoto sorriu.

- Ele foi criado segundo os ensinamentos militares e as recomendações foram feitas por gente poderosa.

Olhando para Lilí, a capitã prosseguiu:

- Lidiane, filha de Adam Fertori, o mais genial dentre os engenheiros militares. Famosa por ser durona e desejar entrar para o exercido desde a época que trocava suas bonecas por espadas de madeira.

Lilí sentiu-se orgulhosa, mas foi nesse momento que Rufus e ela olharam para Ícaro se perguntando o motivo pelo qual o garoto filho de um mineiro havia sido convocado.

- Ícaro Ron, o exército fica feliz em ter como soldado uma das crianças nascidas com a semente da vida no peito.

Sorrindo, Ícaro passou os braços por cima dos ombros dos amigos e disse:

- É um prazer servi-los capitã.
Rodrigo McTusk
Enviado por Rodrigo McTusk em 17/09/2007
Código do texto: T656346

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Rodrigo Viana - http://rirone.blogspot.com) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigo McTusk
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
8 textos (109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 02:04)
Rodrigo McTusk