Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CEGO E O QUE VÊ

 
                                   O CEGO E O QUE VÊ


Havia um cego, gordo, de meia-idade que fazia companhia a um moço com deficiência numa perna, resultante de atropelamento, após acidente de moto. Eles tinham uma relação que já vinha há algum tempo e por isso paravam amiudadas vezes a conversar. O Cego vendia guloseimas e jornais à porta do cinema e o moço deficiente, vendia lotarias.
Num dia de calor de Junho, daqueles dias que só as sombras, as bebidas frescas ou os banhos lembram, o cego gordo, de nome Flávio, conhecido pelos amigos por Lampião, por estar sempre parado, resolveu comprar cerejas para de dessedentar e como o amigo cauteleiro, também conhecido por Zé Rega, estivesse na sua companhia, o cego usou de generosidade e também lhe ofereceu, não sem que antes, ele definisse algumas regras e estas eram tão simples que apenas constava de um pacto de entendimento, que passava por comerem só uma cereja de cada vez, a que o Zé Rega concordou.
Começaram a comer respeitando o pacto, mas o cego achou por bem testá-lo na sua seriedade e pensou que poderia estar a comer uma cereja e ele mais do que uma. Vou já saber, dizia para si, o cego. Começou a comer duas cerejas de cada vez e o Zé Rega nada disse. Mais adiante, o cego começou a comer três cerejas de cada vez e o Zé Rega continuava sem dizer nada.
Foi então que o cego fez uma reflexão. Eu a comer duas cerejas, três cerejas e ele não diz nada…deve estar a comer mais do que eu…e deu-lhe uma bofetada.
- Que é isso Sr. Flávio?
- Que é isso? Ainda perguntas? Então eu estou a comer mais cerejas do que a regra combinada e tu não dizes nada? De certeza tu estás a comer mais cerejas do que eu, senão ter-me-ias observado.
Sou cego, mas não sou burro.


Parabéns aos cegos que fazem da sua deficiência coisa insignificante e que se superam e superam os demais em força anímica e intelectual e em sensibilidade intuitiva, como o caso trazido neste conto.
Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 07/10/2007
Código do texto: T684483

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 62 anos
311 textos (24330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 18:09)
Povo Lusitano