Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ana Paula e suas covinhas

                            Ana Paula


           De repente, ao pegar o microfone, levantei os olhos para observar as pessoas presentes no auditório, então vi aqueles olhos me fitando, o mesmo olhar que me perseguiu por seis anos, estava ali. E eu parado, estático. Tinha que falar, afinal era uma palestra. Porém, o olhar grudou, não conseguia falar era todo suor e tremedeira. Dissertei durante duas horas sobre Teoria da comunicação, não sei como, as palavras jorraram límpidas e soltas, porque em mim, tudo era prisioneiro daquele olhar macio e perigoso ao mesmo tempo.
      Ao sair do auditório, ela: - Alberto, que prazer...
Com os olhos fixos em mim e as covinhas dançando no rosto moreno
-Ana Paula, não imaginei que Deus seria caridoso comigo, te colocando no meu caminho de novo... Falei com traço de ironia.
-Talvez não seja caridade. Respondeu com um leve tom de deboche brilhando no olhar.
-Quando voltastes Ana Paula?
-Faz seis meses!
-Nenhuma carta ou telegrama, já inventaram o telefone, sabias? Olhar e voz se modificaram em doce ironia.
- Nunca te prometi nada. Dizendo isso, mudou de assunto rapidamente.
-Alberto, quanto tempo ficas em Porto Alegre? Perguntou séria
-Uma semana, tenho quatro palestras em outras universidades.
-Ok, me deixa o fone do hotel... E eu te ligo. Até...
      Disse um até displicente. E doeu... Foi uma pontada aguda, vê-la sair na maior calma, como se fossemos somente velhos conhecidos que se encontram depois de algum tempo longe. Almocei com alguns colegas de oficio, discutimos jornalismo, até um dos colegas falou:
-Conheces Ana Paula?
-Sim, por quê?  Perguntei com curiosidade.
-Aquela mulher é feroz, não se liga em ninguém, ela dá aulas de critica aqui na Federal.
-Tu a conheces da onde?  Enruguei a testa e respondi.
- É uma velha conhecida, foi minha aluna, quando eu morei em Porto Alegre. E o assunto morreu. Entretanto, não morreu na minha cabeça. Ao chegar ao hotel perguntei se havia recados, ao que responderam.
- Sim. E o céu ficou límpido, o sol brilhou. Perguntei ansioso.
-Quem?
- Sua esposa!
     Senti uma pontada de remorsos junto com aquela escuridão que desceu sobre mim ao ouvir a resposta. Não era o que sonhava.... Deitei e fiquei recordando Ana Paula, com suas covinhas, suas pernas morenas e, principalmente, as noites... Que noites tortuosas e apaixonadas. Continuei me atormentando por umas duas horas quando o interfone tocou, era a recepcionista dizendo que havia uma ligação. Só podia ser ela.
- Alô....
- Alberto, sou eu.  Sua voz era inconfundível meio rouco, talvez grave demais para uma mulher. Era Ana Paula.... Como era feliz naquele momento.
-Está me ouvindo?  Dizia uma voz rouca.
-Que tal uma janta? Sim milhares de sim. Aleluia, todos os sinos tocavam..... Desligou tão rápido que não pude dar tchau. Sempre a mesma autoritária, querendo dar a última palavra e detestando conversas ao telefone.
    Graças a tudo, as horas passaram rápido, quando me dei conta, já eram oito horas da noite. Ana Paula chegou... Chegando, uma coisa linda... A morenice destacada por um vestido vermelho e a boca acompanhava o mesmo tom. Não lembrava da Ana Paula arrumada. Sempre recordava dela com suas tirada irônicas, com sua maldita inteligência que massacrava qualquer argumento não bem sustentado. Por isso, vê-la assim linda, era terrível. Eu sabia que, no fundo, estava perdido novamente.
    Fomos jantar no plazinha, ela pediu um coquetel de frutas sem álcool. Odiei... Eu a queria tonta, sem lógica e sem argumentos. Eu pedi vinho branco com peixe. Ela quis a mesma comida. Contou como gostava de dar aulas. Falou sobre o mestrado no Canadá. Disse que não faria doutorado por enquanto.  Estava cansada, precisava de férias e tinha que tomar uma decisão importante.
     Aquela última frase me acendeu as esperanças... Era ir embora comigo? Não me atrevi a perguntar, fiquei quieto. Doía menos. No entanto, eu ia me ligando no contorno da sua boca, sem ouvir as palavras. Os olhos dela me entorpeciam junto com o vinho. Senti de novo estar disposto a ser levado por ela. Eu a queria sim e muito. Se ela dissesse um sim por mais confuso e ambíguo que fosse, me lançaria aos seus pés, ali mesmo. Mas, ela não disse nada.
- Alberto, está me ouvindo?
- sim...
-Como sim? Te perguntei aonde vamos depois do jantar. Disse com o rosto sem covinhas
- Para o Embaixador, o hotel em que estou hospedado. Arrisquei...
- Ok!!  Não acreditei... Mas, era a minha Ana Paula simples e objetiva, contudo, sem se entregar jamais. Foi uma noite maravilhosa, sempre a mesma magia entre nós.  De manhã, eu fitava aquele rosto suavizado pelo sono e pensava, qual seria a importante decisão. Ela levantou, não tomou café. Antes de sair, falou:
- Te ligo!  Bateu a ansiedade.
-Quando? Só fico mais quatro dias.
-Eu sei. Respondeu sem mudar um traço do rosto.
     Saiu tranquilamente como se nunca tivesse entrado na minha vida... Me arrumei, dei duas palestras chatas. Voltei para o hotel e jantei sozinho. Vi um pouco de televisão e dormi embalado pelo sorriso de Ana Paula.  Dormi até o meio dia. Acordei com um anjo de covinhas me dizendo.
- Acorda preguiçoso! Vamos sair, não tenho aulas a tarde.
-Ai, meus Deus!  Só mais três dias.
     Saímos, passeamos pela cidade, não me recordava da beleza de Porto Alegre, ou a cidade tornou-se bela porque Ana Paula estava ali. Ela falou novamente da sua decisão, disse que vivia muito sozinha. Queria uma vida normal com filhos. Afinal, já estava com trinta anos. Tudo isso me fez sonhar... Porém, não perguntei, não tive coragem. Tive medo. Jantamos no hotel e ficamos juntos a noite. Tive vontade de perguntar sobre seus namoros.
- Ana Paula, tens alguém fixo?
Sim e não. Respondeu ambígua
-Como assim?
O que eu tenho é cama, corpo, nada que me tocasse a alma. Falou com olhos brilhando.
- Como assim?
Baixou os olhos e vi rapidamente uma dor estampada no rosto.
- Olha, quando nos conhecemos, era muito jovem. Fui doida por ti... Contudo, tu eras casado, com filhos pequenos. Depois ganhei a bolsa do mestrado, fui embora durante cinco anos. É claro, vários homens existiram na minha vida, porém, teu cheiro e teu toque permaneceram em mim. Disse tudo isso de forma leve, suave com uma brisa ou alguém que estamos perdendo aos poucos. Falei rouco de dor.
- Meu Deus, bastava uma palavra tua, e eu largava tudo. Por que não falaste nada...
   Me olhou com rancor e disse:
- E tu querias ouvir realmente?
- Mas.... Ela não me deixou terminar, mudou de assunto rapidamente me deixando com uma sensação oca.
       Como sempre Ana Paula era divina numa cama. Dormi muito bem. Sonhei com uma casa cheia de meninas morenas com covinhas. Acordei tarde. Ana Paula já havia saído, não deixou recado. Me desesperei   era último dia em Porto Alegre . Deve ter passado umas duas horas, quando bateram na porta.
- Sim?  O mensageiro do hotel estava parado na porta com pacote de rosas vermelhas e um envelope branco na mão.
- Deixaram para o senhor.
-Quem? Quando?
-Hoje cedo, uma moça morena de cabelos lisos, pediu que fosse entregue somente depois do meio dia.
     Agradeci. Fechei a porta. Uma pontada no estomago me atingiu. Eu não queria abrir o envelope muito menos ler. Porém, a sanidade voltou e com ela a racionalidade. Larguei as rosas em cima da cama. Abri o envelope, nele havia um papel branco e uma letra que eu conhecia tão bem. Dizia: “Alberto, sonhos são feitos para serem sonhos, não me odeies, não creio que possamos ser felizes juntos... Parto hoje para o Canadá. Existe alguém me esperando”. Não conseguia raciocinar, mais uma vez ela me deixará. Só conseguia me lembrar do que dizia Rolland Barthes sobre o amor:

    “Bem que eu gostaria de saber o que é o amor, mas estando do lado de dentro, eu o vejo em existência, não em essência. Excluído da lógica, não posso pretender pensar bem.”
                                                                                                                            Isa Piedras
                                                                                                                                      20/10/2002-









 


 







Marisa Piedras
Enviado por Marisa Piedras em 10/10/2007
Reeditado em 10/03/2008
Código do texto: T688901
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Isa piedras-). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Piedras
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
310 textos (40702 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 20:20)
Marisa  Piedras