Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vidas em conflito

Tânia era filha de o João Padeiro, dona Olívia Ali aonde é hoje aquele casarão de varanda, garagem, e com aquele majestoso Jardim,  era uma casinha modesta, sem forma; foi quando o João Padeiro, comprou, e mudou-se para lá com dona Olívia; a Cidade não tinha nada nessa época. Foi naquela casinha, que eles começaram  uma pequena padaria a cidade  cresceu e a clientela aumentou; sua filha Tânia, já era nascida estudou em uma escola modesta construída com pequenos recursos era um barracão de estuque coberto com tabuinhas, tinha quatro janelas laterais, e apenas uma professora para ensinar a todas as crianças.

A Professora – na época, Era dona  Juana.
Tânia cresceu, e tornou-se  uma jovem muito esforçada; Ela queria ser professora como dona Juana;  e por isso o pai fez um grande sacrifício, e levou-a para o rio de janeiro e lá Tânia se formou; tendo voltado para sua cidade preparada para lecionar; e dona Juana parou, já não Lecionava, e Tânia tinha um sonho:- queria que todos aprendessem; E lutou muito para alfabetizar as crianças da cidade de Boa Esperança. Assumiu a Escola com muita garra
Teve pouco tempo para pensar em sua própria vida, mas foi sempre ela mesma; Uma jovem de muita fibra;

Capitulo 03

Tânia casou-se bem madura depois dos trinta anos de idade; Mas não foi muito no casameneto; não teve sorte; Mauro seu marido era um jovem de vinte e quatro anos, ele   chegou em Boa Esperança, vindo da cidade de portal do sol, Formdo como engenheiro Civil, ele apostou no crescimento desta cidade. E ficou trabalhando nas construções da nova cidade; E conhecendo Tânia que era um exemplo entre as moças da cidade, se interessou, e começaram a namorar; a muito contra gosto de sua mãe, Tânia insistia no namoro; e  Mauro sabia que a mãe de Tânia não fazia gosto em que esse casamento acontecesse;  mesmo assim, Mauro insistiu e casou-se com Tânia hoje podemos dizer ele escolheu Tânia para fazê-la sofrer.

Capitulo 04

Mauro ganhava  um bom dinheiro; trabalhava muito e tinha
Competência. Mas Tânia não via o dinheiro dele e sempre reclamava que ela tinha gastos excessivos O único problema, é que só ele via! A coitada da mulher comia o pão que o diabo amassou. Por que? O marido era  um sujeito muito mulherengo, e os seus gastos eram na rua com outras mulheres. Tânia desconfiava, mas não tinha provas; as coisas iam acontecendo, e ela nada podia fazer; ouvia os outros falar, mas preferia esperar e não dar ouvidos; sua mãe não perdoava, metia o malho; inclusive dizia: - É nisso que dá uma moça que se casou na sua idade, escolher rapaz mais jovem se tivesse se casado com um homem mais velho, nada disso estava acontecendo; agora, agüenta! Aquelas palavras feriam Tânia profundamente. Mas ela precisava de provas em relação ao que diziam do procedimento de seu marido. quando soube que, ele estava namorando com uma jovem na cidade de terra nova a quarenta quilômetros de Boa Esperança; Ela foi até lá, e confirmou; Era uma jovem de dezoito anos; já estava grávida esperava um filho dele; Tânia ficou muito sentida, esta moça tinha metade de sua idade.

Tãnia disse: - o problema era eu meu marido procurava outras mulheres por serem mais jovens E achava também que ela estava sendo deixada de lado, por que não tinha filho.

Capitulo 05

Pobre Tânia  se achava velha em relação ao marido se achava velha por não ter filho, veio se decepcionando de tal forma que não conseguia Mais se concentrar nem para lecionar nas turmas de Alfabetização; Foi Ali que ela reconheceu que seu problema cresceu com tanta intensidade meio a tantas decepções. Foi ali que ela entendeu que sua mãe estava certa, mas não dava para voltar atrás, não dava para corrigir o seu erro; Tânia estava  perdendo o controle; ela estava magoada, sofrida sem animo para lutar.


Capitulo: 06

Olhando daqui, você vê um Prédio Zinho  de dois andares, ali é que Tãnia morava com o seu marido; o pai dela deu-a como presente de casamento; ela esperava morar em uma casinha simples coberta com telhas francesa,  onde seus pais moraram; mas o pai era muito trabalhador, econômico, e conseguiu dar a ela uma moradia digna. Ela continuou
Trabalhando e com ajuda da esposa, o novo Engenheiro poderia ir construindo suas vidas , onde os pais moram, fizeram com muita dificuldade . assim foi a vida deles sempre trabalhando.
   
Capitulo: 07

Tânia esperava seguia o exemplo dos pais; esperava ter uma vida tranqüila, já que os pais gostavam de Mauro o rapaz com quem a mãe foi contra, mas como já se casou, o jeito era aceitar e os ajudaram a começar a vida de casada dando o local onde morar, que é o mais difícil; mas o marido não fazia por merecer; ela um dia foi para a escola, e viu ele saindo de carro com outra mulher! Ela os viu se beijando na boca! Isso foi a gota que faltava.

Capitulo: 08
 
 Tânia não foi para a Escola! Ela  desapareceu! Não deu Aula naquele dia e ninguém sabia o porquê nem para onde foi; uma semana inteira os pais agoniados com o desaparecimento dela; O marido estava trabalhando em outra cidade, então pensaram que ela estivesse com ele; mas quando voltou, chegou só, e não sabia dela.  Realmente foi uma coisa muito estranha toda a cidade se mobilizou a procura de Tânia



Capitulo 09

 naquela casa lá no final da praça, morava um casal de jovens que tinham sido alunos dela e viviam muito felizes. Eram Carlito e Cíntia; Eles  sabiam de algumas de suas preferências,
Foram passear  em um Sitio que por coincidência, tinha o nome canto feliz; O sitio era de uns amigos que tinham sido criados juntos; eles tinham sido colegas de escola no tempo que Tânia iniciava como professora.

 E foi naquele Sitio conversando com os amigos, que souberam do desaparecimento da professora; ela foi passear lá no  domingo anterior. De lá avistava-se a Ilha.

Capitulo 10
 
Os moradores do sitio disseram que a ouviram falar que tinha momentos que ela sentia vontade sumir por um tempo; ir para aquela ilha e ficar sozinha para descansar a cabeça; eles tinham apenas um filinho mas estava doentinho e por isso Carlito não pode ir procurá-la na ilha; Ele tinha certeza que a encontraria lá!  Cíntia se lembrou: - É verdade, ela falava isto agente era criança ainda  Como - Romualdo,  Cristina, e outros amigos sabiam que quando ela se entristecia por Algum motivo,  falava isto, deduziram: - É lá que dona Tânia está! eles combinaram ir procurá-la.

Formaram um grupo e foram procurar um meio de transporte para chegarem até a Ilha.



Capitulo 11

- Raimundo Fontes tinha vendido  uma Fazenda para investir na construção de um hotel. De sociedade com o grupo que pertencia ao bem sucedido empresário Hipólito; E por isso estava lá; Naquele momento ele ouviu falar do desaparecimento da professora, esposa do engenheiro Marcos e onde e por que iriam procurá-la na Ilha; então pensou:- esses jovens tem razão a desconfiança deles quanto ao paradeiro dessa mulher, faz sentido resolveu alugar um barco e sair procura da professora seguindo a pista que os jovens deram. Mas decidiu ir sozinho sem que ninguém soubesse; ele pensou: - se ela está deprimida, não vai se sentir bem com a presença do homem que a aborreceu.
 
Capitulo-12

Quando Raimundo entrou no Barco com destino a ilha ele já avia providenciado tudo que poderia servir caso a encontrasse; E ele tinha fé que a encontraria; por isso já foi levando Alimento, agasalho, alguns medicamentos, em fim tudo que pudesse ser útil para ela e também para ele, caso não a encontrasse logo.
- Raimundo  saiu com uma certeza:- encontrá-la. e lá na ilha estava ela tremendo de frio; encostada a uma paineira;  Ela perguntou quem é você ? Raimundo disse eu sou um pescador! Parei aqui para descansar. E eu gosto muito de vir a esta ilha, e você veio quero por que gosta, ou está perdida? ela respondeu:- Não! dizer estou sim!

Vejo que está com frio vou pegar um agasalho, e foi ao barco trouxe uma manta e algumas conservas preparou ali um lanche e comeram juntos ela não queria mas ele insistiu;  Raimundo pergunta quer ir comigo? ela responde com outra pergunta:- para onde vai? Ele diz vou para serra Azul tenho là minha casa, se quer vamos comigo, se não gostar, lá procura seu destino; quer ir? ela disse não muito obrigado por tudo, mas se quiser me fazer outro favor, me deixe aqui! Eu não tenho destino.
Raimundo disse:- E se vier alguem a sua procura como seu marido, amigos,
Assim você vai? não se ele me encontrar, eu me mato, Te juro que me jogo desta pedreira abaixo.

Capitulo 13

Então vem comigo, não posso deixar que isto aconteça; E não sou nenhum pescador, e nunca estive nesta Ilha, eu vim a frente
por que fiquei sabendo do acontecido, e estavam organizando um grupo para vir aqui; perdoe-me eu não sou um pescador! estou aqui,  para ajudá-la.
eu sei da história, e sabia que ele chegando aqui, poderia ser muito ruim.

Tânia disse:- Então por favor me leva daqui! com
tudo que pude servir como pistada minha estada aqui. quando o grupo chegar aqui não encontrarão vestígio! Juntaram e levaram tudo!

Capitulo-14

O paradeiro de Tânia, só Raimundo sabia; Ele a levou e lá ela ficou em uma casa afastada da cidade em um pequeno sitio, Lá Raimundo levou um Médico que a examinou, e os remédios ele comprou, uma pessoa para cuidar de Tânia, Raimundo levou sua mãe; Raimundo disse:- Eu prometo que assim que decidir receber seus pais, ou só sua mãe, ou vice-versa; estarei pronto a comunicá-los em segredo para que outras pessoas não saiba onde está; ou até mesmo o seu marido, Se resolver perdoar, eu vou avisá-lo.
Raimundo disse que insistiu muito até que ela resolveu que seria Bom avisar a mãe e o pai, o marido não! a mãe veio em seguida o pai relutou um pouco, mas também veio; O marido quando descobriu, foi a casa dos pais dela ameaçá-los de morte, por estarem acoitando a fuga da filha.

que está te devendo; Disse ainda que se ela não voltar ele vai por uma mulher para morar com ele na casa. O velho disse que isso ele não pode fazer, ele respondeu que pode tudo.
A mãe em desespero veio e falou com ela, ela disse que seria obrigada a voltar para segurança dos pais.
era um domingo, Raimundo disse que a mãe dela poderia dizer a ele, que sua esposa ia voltar. que ele esperasse até o fim de semana. A mãe dela deu-lhe o recado, e ele respondeu: - se ela não chegar aqui até o fim dessa semana vocês verão do que sou capaz.






Capitulo-15

Raimundo sem que Tânia soubesse, ele ganhou tempo; contratou um sujeito, um pistoleiro que ganhava a vida tirando a vida de outros.  e Raimundo disse:- não faça nada escondido, pegar ele é muito fácil o sujeito é mulherengo, vai na casa da luz vermelha e contrata uma prostituta bonita e sem escrúpulos; diz que precisa dela para  servir de isca, para pegar um sujeito mulherengo,diga que será bem recompensada, se conseguir atraí-lo. À  E avisa que se bater com a língua nos dentes, ela morrerá também.

Capitulo-16

Na quarta feira daquela semana, o tal sujeito foi com a prostituta
muito bem vestida, vestia-se naquele dia como uma mulher de bem! sentaram na mesa do bar do Zequinha, era onde o marido de Tânia freqüentava,  e começaram a pedir cerveja; e enquanto tomavam a cerveja, o homem que esperavam chegou. ela pediu para mudar de lugar, e ficar de frente com ele; e passar a provocar com olhares, e quando se sentisse correspondida, o avisar; Ela assim fez, matador saiu e disse para o Zequinha dono do Bar:- eu vou precisar sair, devo demorar um pouco tenho um negócio para resolver; minha mulher vai ficar aqui pode servir o que ela pedir eu pago quando voltar

Assim que o suposto marido saiu ela alem de toda insinuação, perguntou;- Prefere beber sozinho? Não quer me fazer companhia?
Era um homem que não agüentava um apelo de mulher, sentou-se com ela, e ela se entregou; disse que ele era um homem atraente, e que a mulher dele era uma mulher de sorte, em ter um homem como ele na cama, Ela disse:- não se preocupe, meu marido vai demorar, E se chegar não vai ter problema, ele  nunca fez cena de ciúme! se chegar eu dou uma desculpa e ele aceita; foi tão encorajado que começou ir mais longe:- a mão boba começou a percorrer as regiões baixas, do corpo da prostituta, e ela se deixando levar o sujeito chegou; o dono do bar levou a mão na cabeça, e procurando dar um sinal, mas não foi possível.

Ele pegou Mauro pelo pescoço e jogou no chão duro do bar, e falou:- levanta cabra se tu é macho! Mauro mastigou e disse mas foi ela! não se atreva, minha mulher é uma santa! e você é um homem morto; quer morrer em pé ou sentado? Ajoelhado não dá, eu não mato covarde. Mauro sem saída, levantou-se e o pistoleiro Fez três disparos a queima roupas; abaixa, confere  se o cabra estava morto, e caminha até o balcão para pagar a conta o Zequinha dispensou, e ele foi embora com sua santa mulher

Capitulo – 18
Luizinho saiu em desabafada carreira:
Gente! Vocês não sabem o que aconteceu! Mataram o engenheiro Mauro lá no Bar do senhor Zequinha.


O sujeito morreu porquê desrespeitou a mulher durante a ausência do marido; que sujeito abusado estava pedindo pra morrer! Tânia não sabe e jamais saberá que Raimundo está envolvido na morte de Mauro; Para ela até certo ponto foi bom, se livrou da obrigação de ter que voltar a viver com uma pessoa que só lhe fez mal, se livrou da culpa de ter envolvido seus pais, e pode ouvir juras de amor verdadeiras de Raimundo fontes, com quem passou a viver e viver feliz....
sterquini
Enviado por sterquini em 19/10/2007
Reeditado em 19/10/2007
Código do texto: T701484

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
sterquini
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 73 anos
490 textos (28337 leituras)
20 áudios (2918 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 08:23)
sterquini

Site do Escritor