Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
CRIPTÔNIMO



Minha vida é quase um conto – este; do qual não serei mais que personagem e narrador. Ricardo Zéus Júnior – também chamado Zeuzinho.
Já meu mais eminente ancestral, o velho Ricardo Zéus, esse nunca foi nem personagem de conto; foi antes um heterônimo.
______

Segundo o reverendo J, grã-chanceler do orfanato onde vivo, um discípulo do renomado poeta Fernando Pessoa, apaixonado por seu heterônimo Ricardo Reis, teria achado de criar um Ricardo ainda mais rei – porque Zéus, quase Zeus: o rei de todos os reis e de todos os deuses helênicos.
E tal criação viria a ser o galho principal de minha árvore genealógica.
______

Mas do heteronimado velho não trago muitas lembranças; embora elas insistam em atrair-me à poeira do quem sou, de onde vim, pra onde vou.
E se do pra onde vou ainda há muito a descobrir, dados meus poucos idos, quando penso no quem sou e no intermitente de onde vim, a pena do autor do conto determina-me que em verdade eu já ando bem abastado de tempo, e minha origem e existência serão mesmo só lembranças – reminiscências.
Recordações, como as que fizeram o cidadão português reverendo J garantir-me, que eu jamais estaria imune às influências da abstração poética geradora de meu antepassado Ricardo Zéus.
______

Ao contrário da maioria das crianças que conheci, a mim nunca me tocou fazer muitas perguntas.
Não sei explicar, mas desde sempre as poucas respostas de que precisei, encontrei-as cá comigo, quase em silêncio.
Minha voz pálida de garoto de orfanato sem visitas jamais quis questionar os meus começos, ou as razões do meu jeitão isolado.
______

Naquela noite, porém, quanto mais o reverendo falava, mais e mais ele ligava-me os fios da curiosidade.
Sua conversa calma penetrava-me no íntimo, sugerindo-me respostas que eu jamais pensara em ter.
______

Quase sempre trancado no gabinete, ou ajoelhado em sua capela particular (quando não estava viajando), o reverendo J era visto pelos internos com muito pouca freqüência.
Quando isso ocorria, revelava-se um homem distante; econômico nas palavras, e com um tom meio de velório até mesmo com os mais afins.
Se chamava um de nós para uma entrevista, era o desligamento, ou no mínimo uma bronca muito séria.
______

Discreto, avisara-me que o esperasse em meu quarto após o horário da TV, o que deixou-me apreensivo e ao mesmo tempo aliviado – podia ser uma daquelas broncas, e era preferível que ninguém soubesse.
Ou, se fosse para me despachar de vez, Paciência!
Eu não tinha para onde ir, mas também já estava cheio daquela vida sem sal.
______

Findo o jantar achei melhor nem ficar para a TV; fui rapidinho pro quarto – vê se dava uma ajeitada na bagunça.
Para impressionar, arrumei e rearrumei as mesmas coisas o melhor que pude; depois recostei-me na cama já muito ansioso.
Talvez impressionasse mais ser encontrado lendo a Bíblia, mas não achando meu exemplar de ocasião insisti na idéia da leitura, passando a folhear um livro velho e amarelado, perdido numa gaveta desde que ali me instalaram. Nunca me interessara por aquilo, era um volume de poesias, mas gostaria que o reverendo me achasse a ler um troço sério, e aqueles poemas cheios de palavras pomposas, com sotaque português de Portugal, vinham a calhar.
______

Pois, pois!
Meu aparente interesse pelas belezas da palavra poética, meu folhear inocente num livro que era não menos que o clássico Mensagem, do dito Fernando Pessoa, fez com que o reverendo se pusesse a desfiar minha linhagem.
Depois de elogiar-me o gosto da leitura e o fato de não achar-me a ler a bíblia, como fariam os outros para impressionar, falou-me longamente sobre o poeta português, e enfim apresentou-me à memória do discípulo criador de meu velho ancestral.
Conheceram-se pesquisando a obra do mestre, e depois de alguns encontros casuais, acabaram cultivando uma amizade sincera e enriquecedora, fundada, entre outras coisas, na apreciação da boa literatura, ...; e etc, etc.
Foi meu primeiro contato com os nós de minha essência; o que, como eu disse, ligava-me os fios da curiosidade.
Mas a calma da conversa, em vez de trazer respostas que anunciassem-me paz, estranhamente fazia-me sentir o desespero das personagens aprisionadas às vontades de um autor; desespero que aos poucos foi tornando-se desamparo, carência de um ancestral com menos letras – feito de carne e osso.
______

O velho e sensível padre parecia converter-se na imagem inesperada de um paisão, quase a ninar o frágil filho.
E a penumbra do ambiente parecia preparada para a cena.
Até que minha carência infantil foi me fechando os olhos, levando-me para um de onde vim que abraçava-me o sono.
______

Os olhos bem mais fechados, e a voz... era uma voz delicada.
A voz de um pai protetor a aquecer-me os ouvidos.
Já não era importante o conteúdo das palavras; bom era o sentimento.
Eu era criança mesmo; numa cama aconchegante, com o olhar apagado e uma voz sobre mim.
______

Minha excitação juvenil clamava pelo abraço: o beijo de boa noite, o toque, o contato do carinho daquela voz envolvente.
E a segurança do homem o fez tocar-me com calma – eu era a criança dele.
O carinho se encorpando, o toque se refazendo, e a voz doce dando o timbre do concerto.
Voz e mãos de padre, de pai, de homem.
Dedos simples e jeitosos a invadirem-me o pijama.
Boca de homem mais velho, revelando outra fala a resvalar-me o corpo, molhar o sul do semblante mordendo-me a cor dos lábios.
Era o sonho inesperado.
Eu e o “pai” reverendo; um garoto, o outro homem – à procura do afago, do calor.
______

Meu pinto franco e fértil correndo-lhe pelos dedos; e ele a puxar-me o tato pra dentro de sua quentura.
Até nascer o aperto, o ritmo; e o pinto inteiro do padre envenenar minhas mãos.
Dois pintos se lambeijando, duas bocas mal se mordendo, e um sonho quase sublime ensaiando abortar o gozo impune.
____________

Wancisco Franco
Enviado por Wancisco Franco em 28/11/2007
Reeditado em 06/12/2007
Código do texto: T755911

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wancisco Franco
São Paulo - São Paulo - Brasil
101 textos (7274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 10:59)
Wancisco Franco