Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOCIALIZAÇÃO PRIMÁRIA (Parte II)

Socialização Primária - Parte II -

Todavia,  nem sempre a harmonia tinha prevalecido.
Houve um tempo, há muito passado mas jamais esquecido, em que as aldeias se guerreavam. De uma forma tribal, primitiva, prosseguiam uma luta vã, aldeias da montanha contra as da planície, numa luta fútil com tendência para se eternizar. Na maior de todas estas guerras, uma das povoações, conhecedora dos segredos de mineração, mas que se limitara a utilizá-los até ai arcaicamente, passou a fazer uso maciço deles, com o aumento qualitativo e quantitativo de armas, cuja utilização possibilitou um período de domínio, exercido de uma forma violentamente autocrática com uma forte divisão social, onde os mais fortes, os guerreiros, dominaram. Esta divisão era anteriormente inexistente, o que ocasionou grande indignação. Em breve as aldeias livres se uniram e destruíram-na completamente. As suas riquezas passaram a ser um bem comunitário. Data desta altura a paz, imutável até ao presente, e o compromisso supremo de jamais voltarem à guerra e ao derramamento de sangue.
Cientes das suas fraquezas isoladamente, os representantes reuniram-se em conselho e formaram uma união.
Os resultados foram quase imediatos.
Com a paz, os camponeses estabeleceram-se, originando um aumento de produção (favorecido por invernos e verões suaves), ocasionando excedentes que era necessário escoar. O passo seguinte foi o aparecimento de um surto comercial. Paralelamente, massas populacionais ( resultado de vários aumentos demográficos, directamente relacionados com os excedentes)  moveram-se para locais desconhecidos, formando novas aldeias, desbravando florestas e bosques, descobrindo novas plantas e animais. A esperança média de vida aumentou e assim os Anciões também. Paralelamente, o ócio permitiu a especialização das actividades intelectuais, e o nascimento das primeiras escolas. Domínios como a física,  e a química  nasciam em pequenas forjas, mas antecipando outros caminhos. Os amantes das estrelas foram também contemplados, através do aparecimento da primeira carta astronómica, desenho quase fiel do céu estrelado.
Os Anciãos chamaram a este período  O Renascimento, porque, justificavam-se, o homem retornava ao seu domínio, perdido no berço pelos seus instintos e sociabilização mal orientados, retornava à razão pura e aos seus frutos : tudo quanto resultasse do pensamento e que não molestasse a natureza ou os seus próximos deveria ser sublimado e louvado. Assim, todo o progresso que nasceu do Renascimento deveria ter continuidade, mas sempre, e isso era fundamental, sem se desviar das linhas mestras estabelecidas pelo Livro.
O cuidado com a natureza era lógico, pois nela residia o fundamento da vida e da religião deste povo.
Quando a união se formalizou, e as intimidades se estenderam aos cultos, espantados, constataram que o deus amado era o mesmo- No topo de todas as coisas, pontificava a Mãe terra, criadora e geradora de todos os seres vivos, de toda a energia, ser possuidor de uma racionalidade abstracta, não reagindo, não pensando, apenas sentindo: Os tremores de terra, por exemplo, eram apenas um dos sinais da sua presença, do seu ser, seu poderoso ser...depois seguiam-se os três  principais elementos constituintes da matéria : Terra, Água, e Fogo.  Nas cerimónias, havia sempre a presença dos três elementos- Os Anciãos, antes de iniciarem a leitura das escrituras, acendiam uma fogueira, misturavam a água de uma fonte considerada divina com o barro das proximidades, e untavam-se. Apesar de uma quase obsessão pela igualdade, só em raras ocasiões a população podia tocar nos elementos em conjunto, como no caso da união de dois seres -O casal bebia a água dessa fonte, sendo desenhados pelos Anciãos  nos seus rostos com terra  uma série de símbolos abstractos, contidos no Livro, mas enigmáticos aos olhos de um leigo; por fim, acendiam o fogo, altura  em que a união era considerada formalizada. Especial atenção era também dada aos recém-nascidos, adorados e estimados por serem a obra mais perfeita da mais perfeita das obras da Mãe Terra: mal nascessem, a sua primeira noite era passada com os Anciãos. Diziam que a protegiam, invocando a força vital presente em todos os seres e untando-a com uma série de pomadas de composição só conhecida dos Anciãos, banhando-a na água sagrada e muitos outros rituais, deixados secretos.
Fieis a uma máxima antiga, nascia-se do pó e morria-se em pó, sendo os corpos cremados, e lançados sobre os campos da aldeia do falecido. Tudo era harmonia.
Tudo deveria ser harmonia.
No entanto, tu das as parecerias seriam inúteis se não existissem os fragmentos. Cada aldeia possuía retalhos de uma fina pedra, onde uma  professia estava escrita, retalhos venerados e deusificados como vestígios de veneráveis antepassados. Quando os Anciãos se juntaram na primeira reunião ficaram perplexos pela semelhança da sua religião, tanto que a fusão se deu de imediato. O mais habilidoso, ofereceu-se para as reunir em livro, e para fazer um exemplar por aldeia. Tal coincidiu com a decisão da reunião anual. Nesta reunião, além da verificação de problemas comuns a toda a comunidade, ou que pudessem tocar toda a comunidade ir-se-ia também averiguar se a professia iria ser cumprida, se o regresso tinha chegado.
Antes da união, isso tinha sido feito , mas o sigilo das religiões e os conflitos das tribos, impediam cada  Ancião de perceber o que os outros andavam a fazer na Montanha Sagrada; felizmente que este era um local gigantesco que podia acomodar a antiga e pouco numerosa população das diferentes aldeias a boa distância uma das outras o que não obstou, no entanto a que surgissem alguns mal entendidos que levaram até a algumas escaramuças onde, não raras vezes se vertia sangue, agora substituído pela união fulgurante desta sociedade emergente.

                                     4



-Estou? Ligue-me ao comando central.
-Central? Fala o oficial às ordens do Conselho. Quero requisitar  cinquenta veículos de transporte, os maiores e melhores que tenha à disposição.
-O quê - A voz denotava uma perplexidade mal contida- Não sabe que está  tudo a ser utilizado na salvação do quadrante 5? E se mais tivéssemos, mais iriam!
-Verifique o seu ecrã...

O rosto do outro empalideceu. Ouvira falar já no código, mas nunca o vira e começara a pensar que tal se tratava de mais uma invenção dos homens da Inteligência, mentes tortuosas -possuidoras de formas bastantes estranhas de se divertirem, mas nunca o vira. O homem que o possuía tinha o direito de poder exigir tudo. O seu problema, consistia no facto de, de facto não ter os veículos pretendidos. Tentou ser conciliador.

-Sabe, meu caro colega...

Preocupado com a urgência do assunto e adivinhando meia-dúzia de desculpas inúteis, o Capitão atalhou bruscamente

-Afinal tem ou não tem os veículos?
-Quer dizer, alguma coisita ainda se arranja...O que queria mesmo?
-Veículos de transporte!
-Quer dizer...
-Diga-me antes a sua patente posto e ligue-me ao  seu superior.
-É escusado exaltar-se meu caro, aquela história do salvamento é verdadeira, mas vou ver o que realmente há disponível, dê-me apenas um minuto.

Embora bloqueasse a comunicação, era fácil de adivinhar o que se passava do outro lado, o de sempre -Berros, rugidos de toda a ordem, ameaças de despromoções etc...As instituições podiam mudar, mas os procedimentos eram sempre os mesmos...

-Faz-lhe de facto muita diferença que eles sejam de transporte?

Ciente que este atraso só pronunciava algo de mau, fez-se mais simpático. Afinal este era o principal centro onde se deveria abastecer, se eles não dispunham de material, mais ninguém o teria.

-Até faz, mas...
-Tenho alguma coisa, mas não é  exactamente aquilo que quer, no entanto garanto-lhe...
-Eles deverão servir para limparem um local totalmente, se isso o ajuda em alguma coisa.
-Com certeza que sim! Até lhe digo mais, eu próprio me encarregarei de as escolher e ...
-Pronto, você será o comandante. Quantos horas possui em acção?
-Cerca de cinco mil.
-Chega. Deve deixar-me o seu contacto pessoal. Quando tudo estiver preparado contacta-lo-ei. Diga-me só mais uma coisa, acha-se apto?
-Já fiz uma série de comissões em diversos quadrantes, vi um pouco de tudo, mas fui sobretudo em missões humanitárias...
-Se pensa no grau de perigo, esteja descansado, não está previsto. será uma operação limpa e calma e vai ver, rapidamente estará em casa.
-Nesse caso, estou plenamente disponível, podendo até indicar uma série de colegas meus que me poderão ajudar.
-Faça-o e esteja preparado para entrar em acção em qualquer momento.

Tinham-se já esgotado cinco dos trinta dias dados para executar a missão e ainda lhe faltava fazer imensa coisa. Febrilmente procurou onde haveria combustível suficiente para uma esquadrilha daquela envergadura.


                                    5

As portas do Conselho abriram-se ao homem de cabelos brancos.
Com passos irritantemente lentos e barulhentos, dirigiu-se ao seu lugar na mesa. Sem sequer  se dar ao luxo de olhar os membros nos olhos, exibia um pequeno sorriso imperceptível, mas o suficiente para firmar a sua vitória. Sabia-se odiado, sabia só não ter sido afastado ou eliminado por saber demais, sabia-se suportado porque determinados organismos parasitários quando são arrancados matam o hospedeiro;  ele era o pária  anónimo com que as instâncias governamentais do planeta teriam de viver; vivendo maravilhosamente na dualidade deste papel, sentia-se satisfeito, e ao mesmo tempo incomodado por não o considerarem como igual. Na realidade, isso não o incomodava por ai além: com o tempo queria destruir o Conselho, todos sabiam disso, mas o perigo representado por este homem entroncado, de meia idade, baixa estatura e olhar zombeteiro,  era tanto que a perspectiva de o ter como parceiro era o menor dos males. Sentiam-se como um peixe dentro de um lago a ser esvaziado lentamente, mas o peixe ainda não morrera...
Sentou-se e dignou deitar uma breve olhadela aos doze membros do antigo Conselho de Segurança. Oito representantes das tendências políticas e militares dominantes e quatro das colónias.
A tensão era quase insustentável, o que lhe dava um prazer sádico quase patológico.
Sorriu, desta vez aberta, mas cinicamente.

-Meus caros - salientou a palavra - colegas, tenho o prazer de vos anunciar o início da operação. -A sua voz era marcial, rija, poderosa,  típica dos militares de carreira antes de iniciarem a operação das suas vidas com que todos sonharam na academia, e por isso não permitia qualquer tipo de réplicas -Contactos preliminares foram já desenvolvidos; em vinte dias o assunto estará arrumado. Nada nem ninguém sabe exactamente o que está realmente em jogo, mas uma série de avisos severos foram suficientes para evitar desleixos. E até evitei os velhos tribunais marciais, reactivados recentemente por “V.Sas Exas.”...Dentro em pouco, homens e máquinas estarão em prevenção máxima esperando apenas uma ordem minha para avançarem. A partir desse momento, o “assunto”fica resolvido em vinte e quatro horas -Rematou soltando uma breve gargalhada de desprezo.

Ignorando tal afronta, o presidente em exercício, de semblante carregado e voz severa inquiriu-o.

-Mais uma vez tudo na sua voz soa a música celestial, mas devo recordar-lhe o facto de a música possuir falsetes...
-Estará por acaso V.Exa a insinuar alguma incompetência minha...?
-A insinuar a sua incompetência? Não! A incompetência não, mas os jogos sim! Digo-o frontalmente Os seus esquemas arrepiam-nos! Tanta auto-confiança soa a falso! porquê não agir de  imediato? Porquê arriscar-nos ainda mais? Todos estes jogos, toda esta retórica parecem apenas fazer parte da monstruosa chantagem até agora exercida por v...
-Por acaso  já leu o relatório que lhes entreguei há um bom par de meses?
-O relatório está muito longe de denunciar as suas intenções perversas. É apenas um conjunto de dados sobre uma experiência cujos resultados estão á mercê da sua manipulação!
- À mercê da minha manipulação? Meu caro, se há culpas no cartório a atribuir eu serei o último a responder por elas...Culpas...Bem me parecia que não compreende o quadro todo e a importância destes derradeiros dias. Não fui eu a delinear as premissas, limitei-me a objectivá-las perante a nova realidade, aliás os responsáveis por este imbróglio foram alguns dos vossos ilustres antecessores. Eu sou apenas um mero elemento “actualizador”, e por isso mesmo não admito determinado tipo de linguagens. Por incrível que pareça eu sou aquele que em boa altura veio aliviar-vos de um fardo que não é directamente vosso, eu limito-me a prestar um favor aos meus chefes, como sempre fiz até hoje, sem querer nada em troca! Por isso cuidado pois com os termos a aplicar, caro senhor! Uma pena pode matar  mais que mil espadas! Todos sabem aquilo que valho e a minha impiedade em prová-lo se necessário! Devo voltar a recordar estarmos no mesmo barco e com o mesmo fito. Se as coisas se descontrolarem, sou o que tenho menos a perder! A operação corre conforme o previsto, a verdade continua a estar totalmente nas nossas mãos e os funcionários executantes são peças tão pequenas que referi-los é, por si só uma perda de tempo lamentável! O que está em causa é, provavelmente o destino da nossa civilização tal como a conhecemos, e isso é o mais importante, a questão fundamental que o Conselho parece não compreender apesar de toda a minha boa vontade...Esta sala continua a seguir o velho conceito da física de que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo. Isso está errado! Os nossos interesses são mútuos e o fim comum, sendo o contrário absurdo! Nos somos um mesmo corpo, compreendam isso de uma vez por todas para o bem de todos!
Considero um péssimo pronuncio para as nossas relações a contínua desconfiança tida na minha pessoa!

O presidente ergueu um pouco a cabeça. franziu as sobrancelhas e olhou-o com um ódio mal contido.

-Ousa por acaso ameaçar-nos?
-De forma alguma, limito-me a prevenir-vos...
-Sobranceria perigosa...”Não há pactos entre leões e homens”.
-”Nunca mostres medo a um lobo...”
-Protesto! Basta de retórica! - Interveio o representante asiático – Estou farto deste jogo, desta chantagem. Aqueles por mim representados estranham a apatia do Conselho, o seu mutismo e...
-Experimente contar-lhes a embrulhada em que se meteram... -Atirou em tom de desafio o homem de cabelos brancos -

Indignado e perdendo todo o seu auto-controle, o homenzinho amarelo esboçou um gesto agressivo, toldado pelos seus companheiros.
Com um sorriso maquiavélico, cerrando os dentes, o perturbador rematou.

-Neste momento quer queiram quer não e mesmo se esta não é a minha intenção, estão nas minhas mãos. “Há tempos de coruja e tempos de falcão”...Nunca até hoje cometi um único erro nem será agora, perante a maior das tarefas a mim confiada. Dentro do prazo previsto voltarei e aliviar-vos-ei do “vosso fardo”, Tenham um bom dia!

Mal a porta se fechou, a sala explodiu em berros.

-Eliminem-no! Não seria a primeira vez nem a última - Clamava um.
-Façam o mesmo, chantageiem-no, um vigarista desta natureza com certeza que já fez alguma! -Lacrimejava outro
-Descubram o maldito laboratório, cave ou seja lá o que for e aí ficamos livres. - Arriscou uma voz não identificada
-Isto é o lindo resultado de um poder centralizado e pesado! Descentralize-mos o aparelho e verão - Tentava fazer-se ouvir o dignitário das colónias
-Que diabo andam a fazer as secretas? -Zurzia o representante americano.
-Sim! a função delas não é impedir este tipo de ocorrências? suspirava, desalentado, o colega russo
-Temos a melhor estrutura, a mais bem montada e capaz, a organização é do melhor , como se admite tal afronta? -Clamava o equivalente alemão
-Demita-se o responsável!!!-Gritava, esbracejando, o embaixador latino.

Acusando este derradeiro comentário, o presidente (que acumulava funções com a representação africana...) intervei-o :Três vigorosas pancadas dadas na mesa devolveram alguma da dignidade perdida.

-Meus senhores! Estamos no Conselho! Lembram-se de quem são e mantenham a pose!
Sei muito bem a importância da crise para alguns de vocês! A minha cabeça será muito mais apetecível e acessível que aquela do nosso verdadeiro adversário! Está-se a cometer um erro estratégico crasso. É minha obrigação prevenir-vos mais uma vez! Quanto à questão da minha incompetência...-Sorriu amargamente- Já fiz tudo o que estava ao meu alcance....
Lidamos com um mestre. Currículo modesto, mas uma altíssima eficácia em tudo por si feito. É um mestre, semi-aventureiro que descobriu o seu futuro num lamentável erro dos nossos antepassados. a sua história pessoal é invulgarmente linear- Órfão aos dois anos, foi adoptado por uma família, desaparecida quando acabara de fazer quinze anos. Dai a três, alistou-se e fez a maior parte da sua carreira na fronteira, com louvores pontuais na folha de serviço, mas nunca sem ter dado nas vistas. Homens como estes temos aos milhares. Mas não com o poder deste...
Como vêem, seria uma existência banal não fosse...-suspirou fundo- Há cerca de seis anos regressou. Entrando em contacto comigo á somente quatro meses. E é desde essa altura que nós sabemos da experiência. O material por mim visionado não oferece dúvidas algumas. No estado de latência em que se encontram alguns conflitos, a revelação dos dados seria catastrófica. As gentes estão demasiado ansiosas, fartas de estar fartas, à espera de algo de ..novo, diferente.... Certamente que os meus caros colegas ignorarão a palavra “revolução”...pois há séculos que temos a felicidade de não conhecermos nenhuma...Imaginem o cenário dantesco de toda a população estar nas ruas, desrespeitar as forças da ordem, eliminá-las e tentar tomar o poder...
-Impossível, isso é puro disparate!
-Recomendo-lhe algumas leituras de alguns filósofos e políticos clássicos...Asseguro-lhe a veracidade daquilo por mim dito; de resto, há imagens...

Carregou numa tecla e o ecrã da sala iluminou-se.
Foram apenas alguns minutos de filme, mas suficientes para lançar o pânico na sala.
Por fim, quando o ecrã se apagou...

-Isto é…o caos, a anarquia!
-Não, meu caro é a revolução e, nalguns casos possui muito pouco de anarquia. Algumas degeneraram em “Governos Populares”- o poder foi entregue a trabalhadores ou a representantes; duraram pouco. Outras, tiveram tempo de amadurecer, de crescer e de submeterem a eleições, altura em que alguns deles (os mais preparados) foram eleitos pela população como seus representantes directos...bem, chamaram a isso democracia moderna.
-Mas como é possível? As massas são demasiado desinformadas, aliás, mal formadas para eleger os responsáveis!!!
-E se eu lhe dizer que o nosso sistema actual descende de uma dessas democracias? Tivemos a sorte, no entanto dessa população se ter alheado ao longo dos anos dos seus direitos naturais tendo permitido, consequentemente, que outros se assenhoreassem deles. Afinal não era mais cómodo ter alguém que se preocupasse por eles? Alguém que pensaria e velaria por todos? Poderiam assim gozar as  delícias de um dia a dia cada vez mais cómodo O período de prosperidade atravessado permitiu um consolidar dos poderes adquiridos pelas novas elites ( um conjunto de políticos de quarta categoria espertalhões e depois verdadeiros profissionais ). Para quem se lembrar de ter ouvido falar, já se atravessou uma situação idêntica, mas nessa altura  essa prosperidade e umas tantas manobras de diversão permitiram a contenção da eminente catarse, até hoje, mais de quinhentos anos depois. Nessa altura crítica pensou-se em muita coisa, e uma das ideias que surgiu e se desenvolveu foi esta experiência, esta “Socialização Primária”. No entanto, e apesar de todos os meios aplicados, ao fim de cem anos os poucos que estavam por dentro desta experiência esqueceram-se dela...Provavelmente tal foi devido ao aliviar da tensão social que lhe dera origem, francamente não o sei, o que é certo é que ela foi esquecida...Depois, quando a tensão voltou, ninguém se lembrara da solução...E assim continuámos  a assumir cada vez mais poder, a tirá-lo aos antigos eleitores e a intoxicá-los com doses maciças de propaganda, solução de recurso, que não resolve o problema de facto... Imaginem pois mil anos de tensão...A resolução do problema está precisamente na revelação da experiência...
-Então deixe-a revelar!
-Entendam de uma vez por todas! Os resultados da experiência são-nos desfavoráveis porque provam que uma democracia, “à antiga” é possível! E esse é o nosso drama! Imaginem tudo começar de novo! A regressão seria inevitável senão definitiva, seria o fim da civilização tal como a conhecemos! Devemos  a todo o custo evitar essa revelação, se não...-Fez um gesto elucidativo com a mão, em forma de cutelo, no pescoço.
-Mas porque é que só agora nos revela a perigosidade de tudo isto? Os antecedentes históricos, tudo? E a menos de um mês do assunto de poder resolver?
-Porque  subestimei a audácia do nosso adversário,  porque só há pouco tempo é que me apercebi da gravidade do problema, e porque só há pouco tempo é que ele revelou querer acabar com a experiência.
Quando reparei naquilo em que estávamos metidos, fiz alguma pesquisa histórica e sociológica, sendo ajudado por diversos especialistas que ignoravam a razão do meu pedido porque trabalharam isolados. Finalmente à quatro dias recebi os relatórios . Depois de os ler percebi tudo. A minha formação académica permitira-me estudar o nosso passado mais pormenorizadamente, dai as minhas suspeitas iniciais...Não tenho absolutamente nenhuma dúvida Escapava-me um elemento       - Qual a razão de ter demorado tanto tempo a entrar em contacto connosco? Depois percebi –  “O nosso homem”  descobriu a sala onde a experiência era vigiada há já alguns anos (pelo que ele me disse, é mantida totalmente por maquinaria auto-suficiente, já primitiva mas sem dúvida de altíssima eficácia, dai o bom estado dos documentos e mais diverso material). Apercebendo-se do seu valor, - é preciso não ignorar a sua inteligência e total falta de escrúpulos fez pesquisas idênticas às minhas e foi aqui que tudo começou a correr mal para nós.
Este homem não tem absolutamente nada a perder. Guia-se  pelo seu ego,  pelos seus caprichos, ou então por coisa nenhuma. A imprevisibilidade garante a sua sobrevivência.
O retrato psicológico feito com base nos seus hábitos (ele é permanentemente vigiado de dia e de noite) revelou-se totalmente inconclusivo Dotado de um espírito típico de empregado de escritório, a audácia e firmeza não deviam fazer parte de  si, mas fazem, e é aqui que tudo se complica... A piorar ainda mais as coisas, a acrescentar á sua orfandade, há um total vazio afectivo na vida adulta -Quisemos saber quais os laços afectivos, qual o seu lado emocional, mas nada...Solteiro sem família ou amigos age como um autómato, calculando milimetricamente os passo a dar, é de uma frieza no trato com os seus subordinados quase a roçar a mais pura desumanidade. Ocupa um gabinete à menos de seis anos e já mudou de assistentes uma boa meia dúzia de vezes. Obviamente que alguns deles eram agentes nossos, os quais nada nos adiantaram.
Ele é completamente insondável.
-Leiam os relatórios da sua recruta! Ele há de ser normal!
-Já foi feito, os relatórios são normais, demasiado. Não há nada que o diferencie de outros. Mas ...Sejamos claros- O sujeito é tão normal como nós, a linha de procedimento seria teoricamente lógica, mas não é...Se se tratasse de um idealista desiludido, ainda vá que não vá, andaria a “ajustar contas com o sistema”, mas ele nunca contestou, nunca desobedeceu a uma ordem...Definitivamente trata-se de chantagem pura e simples, a pior chantagem que pode existir, a de um normopata que nada quer em troca a não ser fazer a sua vontade... O único prazer que tem é tratar o Conselho como bem entende...(mal), e a troco do seu silêncio temos de o tolerar entre nós.
-Então porque raio é que nos incomoda? A experiência vai acabar, damos-lhe o tal lugar e volta tudo ao mesmo!!!
-Não é assim tão simples: ele exige um lugar permanente no Conselho, com direitos iguais a cada um de nós. Imaginam um homem apenas a ter poderes equivalentes a uma potência? Podermos estar à mercê dos seus caprichos?
-Façam-no desaparecer e acaba-se a questão!
-Tal é impossível, pois eliminá-lo fisicamente seria um erro primário. Segundo me revelou, tem um cúmplice que, mal ele desapareça lança  todas as provas na rede mundial. É bem provável que seja bluff, mas, querem arriscar?...
Se descobríssemos o local onde esconde os documentos, seria possível, mas assim, cederemos até ao insustentável. De qualquer das formas o tempo começou a correr contra nós. De certa forma a experiência é o menor dos nossos problemas. Quando ele assumir o lugar ai sim é que começarão as verdadeiras dores de cabeça...

O Conselho tinha pois pouco menos de um mês para se tentar desembaraçar deste adversário temível.
Como, era um mistério, pois arriscavam-se a cair também.



                                   6



A aldeia fervilhava de vida.
O chão das ruas  por onde ia passar o cortejo estava tapado por uma mistura de neve e pétalas, das poucas flores sobreviventes ao inverno, colhidas por familiares e amigos dos noivos das imediações da aldeia, ou então trazidas das casas de cada um, que desta maneira prestavam homenagem ao  par. Penduradas em todas as janelas da maior parte das casas do trajecto viam-se ramos de oliveira e algum feno (querendo significar com isso paz e prosperidade) ofertas da população para o casal, uma tradição vinda do fundo dos tempos. O cheiro a pão quente inundava toda a povoação, misturando-se ao aroma de carne assada, doces enchidos, queijos e outras  iguarias, destinadas à cerimónia. A pedido de Carl, os amigos improvisaram e montaram uma mesa no exterior da casa do Conselho -Esta só poderia ser utilizada em cerimónias, sendo, no entanto, incentivada a utilização do espaço exterior. Com o tempo, a população passou a frequentá-lo sempre que possível, elegendo-o como ponto de encontro social por excelência, começando namoricos, exibindo-se um novo fato, fechando-se um qualquer negócio etc...Só nas maiores povoações o costume começava a perder-se, a evoluir para novas relações de socialização, próprias de sociedades em plena evolução -Protegida por um telheiro, e cheia de comida, era um convite a quem quisesse partilhar um pouco da felicidade do casal.
No entanto, ao invés de rejubilar com este clima, Carl estava taciturnamente encostado à janela do seu quarto, olhando vagamente o exterior. A sua mulher chegaria dentro em breve, trazida pelos pais e ele deveria guardar para ela as melhores e mais cordiais boas-vindas.
Mas a sua voz ausentara-se.
Sentia-se arrependido como nunca, martirizado, perseguido por uma ideia, e de novo a dúvida que lhe roubara as últimas noites. Porque é que não lhe contara antes, porque? Porquê aguardar para aquele dia, destinado a ser o mais feliz das suas vidas?
Os minutos eram contados pelo bater do seu coração, cada vez mais apressado, mais frenético, parecendo ansioso, ele próprio, por ir falar a Aurora. Talvez fosse melhor...Mas o coração nunca sairia da sua prisão, sendo a única solução reencontrar a harmonia entre a voz e o cérebro.
Bateram á porta.
Respirou fundo e esboçou um sorriso, seguido por um olhar terno, mas que se recusava a olha-la de frente . Quando lhe pediu para falarem a sós, ela percebeu. Conhecia-o já demasiado bem, amava-o ao ponto de atitudes insignificantes poderem constituir um indício precioso no entender dos mistérios de Carl.

-Antes de nos unirmo-nos, queria-te revelar algo, sem o qual me impedirei de te merecer. Tomei, desde que a razão me bafejou com a qualidade de pensar e sentir o mundo de entender os seus mistérios e os do homem, uma decisão da qual não abdico. Para mim a Mãe Terra é tudo, muito para além do dito pelas profecias e as manticas, reveladoras dos seu sentido, a Mãe-Terra é a sua essência. Todas as manhãs a sinto quando a piso, e todas as manhãs a amo cada vez mais. Aqui viverei e aqui morrerei; deixá-la é morrer por dentro, abandoná-la  abandonar-me a mim próprio.

O olhar atento da jovem lia os seus lábios, bebendo todas as palavras do noivo atentamente,  e penetrava bem fundo nos seus olhos azuis, sem o interromper (apesar de ter vontade de o fazer) percebendo e sentido a enorme importância daquilo que ele lhe estava a dizer.

-Para mim é indiferente a verificação da Professia. Se tivermos de partir, ficarei, nem que para isso tenha de viver sozinho o resto dos meus dias. O corpo podia ir, mas a alma iria errar por estes campos. A minha companhia seria inútil, um peso para os meus. Lei nenhuma me obrigará; nada temo a não ser a despedida e o horror da distância à minha terra.

Sem esperar que finalmente lhe fizesse a pergunta, e sabendo quanto isso lhe iria custar, Aurora abreviou-lhe os momentos seguintes, abreviando a resposta à pergunta hesitada.

-Fico contigo.

Levantou-se e saiu.
A sua voz indicou a imutabilidade da decisão.
Jamais saberia se fora a razão ou o coração a falar por Aurora; sentiu-se melancólico, ante visionando maus tempos, se a Profecia se cumprisse. Mas não estaria ele a exagerar? Afinal,  poderia ser apenas mais um dogma, um imperativo categórico destinado a fidelizar ainda mais os crentes, e, se assim era, a vida continuaria a seguir o ritmo da natureza, das estações, e não o do homem; sabia tal ser uma inevitabilidade, mas se se pudesse protelar, talvez garantisse a mutabilidade desta forma de estar, que tanto lhe agradava.
Encontraram-se dai a pouco no telheiro, e os seus rostos não denunciaram a decisão.
Ela estava mais deslumbrante do que nunca, no seu vestido de linho branco, algo antiquado, mas o vestido da tradição, modelo usado desde sempre, e mais ma marca da presença dos seus amados antepassados. Fizera duas tranças do seu cabelo atara-as com duas fitas da mesma cor do vestido , o que lhe dava um ar alegremente juvenil, apesar dela ter apenas vinte e poucos anos, e do seu aspecto recordar o de uma adolescente. Carl, por seu turno tinha vestido um fato em tons escuros, que herdara do casamento do pai e que, com um jeito da costureira local lhe caia como uma luva.
Apesar de imensamente feliz depois das palavras de Aurora, estava tenso, algo nervoso, e por isso mantinha-se direito como uma estaca, mãos atrás das costas, e  o seu único movimento era uma ligeira vénia com que agradecia os votos de felicidade com que os agraciavam, ao contrário da noiva, que se desfazia em sorrisos e distribuía beijos e abraços como forma de agradecimento. Uma vez por outra dava a mão a Carl, abanando o seu braço ao mesmo tempo que o olhava nos olhos sorrindo docemente, procurando que descontraísse um pouco.
Pouco antes da cerimónia comeram a tradicional broa de mel  e beberam o cálice frutos silvestres, ambos preparados pelos Anciãos e dados como prenda aos nubentes. Depois entraram na casa do Conselho.
Suficientemente grande para albergar toda a população da aldeia, construída, tal como todos os edifícios daquele lugar, em pedra dura, tinha forma arredondada e apenas uma entrada. As paredes eram espantosamente lisas (dizia-se terem sido talhadas por mestres há muito falecidos e donos de uma arte perdida). Poderia, a olhos menos avisados, confundir-se com um qualquer silo de armazenagem de cereais, mas um pormenor típico deitava as dúvidas por terra- O seu telhado tinha, no centro, uma grande abertura por onde saia o fumo da gigantesca fogueira ritual -cujo espaço ocupava um quarto da área total do edifício -de todas as celebrações, marca exclusiva e venerada, sendo a sua imitação estritamente proibida. As chaminés serviam para as habitações, a abertura apenas na casa do Conselho.
O seu interior, espartano como se exigia, estava vazio, pois apenas nas reuniões do Conselho principal se permitia o uso de bancos e de mesas. A simplicidade bela da natureza deveria ser o modelo a seguir. Se a pedra era bela na sua rudeza, a casa também o deveria ser, mas agregando os valores do homem, supremo glorificador  da mãe terra, a mãe de todas as coisas.
Carl e Aurora foram convidados a permanecerem no centro do edifício,  ocupando o lugar da fogueira por momentos apagada : os três Anciãos mais velhos e mais sábios, com os três elementos nas mãos (um odre com água, uma tocha e um pequeno frasco de vidro tapado que simbolizava o ar) formaram um triângulo à volta deles e entoaram  de olhos fechados,  um canto de admirável e estranha beleza, erguendo aos céus os elementos e trocando-os entre si. Estes tinham uma dupla função, pois além de se representarem a si próprios na qualidade elementos primordiais do universo também eram os  três pilares da sabedoria : o silêncio, a audição e o pragmatismo, sendo a troca o exemplo de como a natureza permite ao seu mais dotado e devoto discípulo o manuseamento de si própria.
De seguida os convidados saiam, pois apenas os cinco elementos deveriam permanecer na casa. A intimidade do casal deveria ser respeitada desde o início, premissa a ser seguida por um rigoroso silêncio no exterior, mas prontamente quebrado mal saísse o par.
No passo seguinte da cerimónia, e tal como estava previsto, o par bebia alguma da água, para depois deixarem um dos velhos desenhar a terra símbolos nos seus rostos; por fim ambos pegavam na tocha dos Anciãos e acendiam a fogueira -O enorme e intenso fogo representava nesta ocasião a união do homem e da mulher, pois  ela deveria ser grande, poderosa ardente, tal como se pedia à união de duas almas. O fogo esgota-se quando não há nenhum elemento comburente, tal como o casamento, onde um elemento sem o outro perde significado, pois até a madeira brevemente que seja tocada pelas chamas perde valor. Assim o ritual completava-se e  a comunidade aceitava formalmente a união.
Quando Carl e Aurora saíram, começaram as verdadeiras celebrações populares, mas só depois de ter sido entregue uma refeição completa aos três Anciãos que ficariam a velar sós pelas chamas durante a primeira noite do casal, pedindo à Mãe Terra prosperidade aos recém-casados. Mal foi entregue a comida,  Carl deixou finalmente extravasar a sua alegria, beijando e abraçando toda a gente que o seu olhar abarcasse.
Por vezes toda esta obsessão à volta dos elementos da comunidade parecera a Carl um exagero, mas bem vistas as coisas, talvez fosse o garante da forma de vida tão do seu grado, talvez fossem estas regras e estes deveres (por vezes demasiado rígidos) a permitirem a enorme harmonia.  Um dia chegou a imaginar todo o seu  mundo sem o Livro e os Conselhos, livre dos mandamentos da sua religião, chegou a imaginar o seu tão amado universo sem leis, apenas a lei da vontade de cada um. Em resposta sentiu-se vazio, oco. Percebeu então que a verdadeira liberdade e felicidade vinham do cumprimento de uma Lei sábia e justa. Todos deveriam adoptar os princípios não por mero fanatismo, mas porque os tinham assimilado e concordado com eles, porque a Lei tinha sido pensada e dita por homens como ele, como todos os homens, homens que acreditavam na justiça e igualdade para com os seus, que compreenderam que sem um instrumento regulador, a vontade do homem era o seu maior inimigo, capaz de o levar onde nunca nada tinha ido, mas também capaz de o destruir. E eles deveriam segui-la, tal como um homem segue a luz que está no fundo de um túnel escuro fazendo-o não por ser apenas luz, mas porque esta o encaminha para uma saída, ou se quiserem, um futuro.
E o céu que ele tanto amava, teria a mesma ordem da sua Mãe-Terra? O universo, pai de tudo seria regido pelas mesmas leis? Ou seria um local diferente, orientado por leis próprias?
Isso ele não sabia nem poderia vir a saber, sendo talvez por isto que sentia a imensa atracção pelas estrelas.
Mas o céu podia trazer algo mais do que imensos fascínios, do que as respostas a milhões de dúvidas que não poderia deixar de ter bem no seu interior, o céu que amava tão intensamente iria trazer-lhe um destino que suplantaria a Lei.
Mas isso era algo que ele nunca chegaria a saber a tempo de o evitar.



-Estou? Código Especial do Conselho, identificação digital e da retina em curso.
-Confirmado.
-Lancem o sinal à hora prevista.
-Confirmação...
-Confirmação.

O homem de cabelos brancos pela primeira vez sentiu-se triste. Uma melancolia profunda quase que o abateu.
“Os homens prudentes sabem tirar proveito de todas as suas acções mesmo daquelas a que são obrigados pela necessidade” – Recordou um pouco aliviado.
Mais uma vez os clássicos vinham em auxílio da sua consciência.

(Continua)


Conto protegido pelos Direitos do Autor

Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 24/05/2006
Reeditado em 27/06/2008
Código do texto: T161834
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5079 textos (170384 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:49)
Miguel Patrício Gomes