Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
 

 
                            UM HOMEM SEM ROSTO

        Toni chegou ao hospital com o rosto dilacerado por um acidente numa movimentada Avenida de São Paulo. Estava embriagado e tinha batido o carro numa árvore com tamanha força que a árvore tombou na calçada.

        Fizeram os primeiros socorros e o levaram para a sala de cirurgia para tentar reparar um pouco do estrago que seu rosto sofrera. Passados alguns dias ele foi se recuperando, mas seu semblante estava monstruoso. Os olhos ficaram tortos e não restou quase nada do nariz. A boca ficara sem os lábios e havia perdido quase todos os dentes. Ele realmente estava desfigurado.

        Toni era um rapaz de 25 anos e de acordo com os padrões de beleza estabelecidos pela mídia, era considerado um homem muito bonito. Acabara de se formar em Arquitetura com muitas honras e tinha um futuro brilhante.

        Porém, na festa da formatura tinha se embriagado e saiu dirigindo o carro novo, que ganhara do pai como presente de formatura, o que teve como consequência este trágico acidente.
Ao ver seu rosto no espelho pela primeira vez depois do acidente, deu um grito de horror. Sentiu o mundo desabando, o chão se afundando e perdeu os sentidos na hora.

        Alguns dias se passaram e ele ficava cada vez mais revoltado com a situação, tinha crises de desespero, e não tinha mais ânimo para nada. Não queria ver ninguém, não queria sair de casa. Ficava horas a fio trancado em seu quarto com as janelas fechadas. Seu pai preocupado conseguiu convencê-lo a ir ao psiquiatra para fazer um tratamento com antidepressivos, pois se continuasse daquele jeito, poderia cometer uma loucura.

        Seis meses após o acidente, Toni começa a melhorar com a ajuda de remédios e de uma terapia intensiva. Decidiu então que queria fazer um transplante de face para ver se melhorava a aparência e a qualidade de vida. Procurou um cirurgião plástico e começou a se preparar para receber um transplante facial.
Teria que aguardar um doador. O tempo passava e Toni cada vez mais entusiasmado aguardava ansioso a oportunidade de recuperar sua vida através desta cirurgia.

        Um dia o médico lhe telefonou avisando que em um hospital público tinha um homem com morte cerebral, que estava lá como indigente, totalmente sem identificação e que tinha características muito semelhantes as dele; como todos os médicos daquele hospital sabiam que o Dr. Arthur tinha um paciente a espera de um doador de face, avisaram-no imediatamente.

        Toni correu para o hospital e começaram os preparativos para o transplante. Tudo foi feito da melhor forma possível e Toni estava se recuperando muito bem, pois sua vontade de voltar a viver como uma pessoa normal, era maior do que todo o sofrimento daquela cirurgia tão drástica. Passou-se um ano até que seu rosto foi voltando ao "normal" na medida do possível. Seus movimentos faciais estavam quase normais.

        Toni olhava no espelho e se sentia muito estranho, e apesar de estar feliz com a melhoria do seu aspecto físico, não se reconhecia naquele rosto, pois estava completamente diferente do que era anteriormente. Isto começou a lhe trazer muito aborrecimento, pois teve que refazer seus documentos com uma nova foto e não era reconhecido por quase ninguém, pois o caso do transplante correra em sigilo.

        À medida que o tempo passava Toni ia ficando diferente. Sua mente estava tentando se adaptar a esta nova imagem que o espelho refletia. Por outro lado seus sentimentos e emoções estavam ficando confusos...

        Começou a procurar informações sobre a pessoa que lhe doara a face, pois havia dentro dele uma curiosidade mórbida de saber como era aquela pessoa, como ela vivera e de onde viera... Tinha milhões de perguntas em sua mente e mal conseguia dormir na ânsia de ter as respostas, pois esta curiosidade estava afetando totalmente sua vida.

        Começou então a investigar tudo sobre aquele indigente
que lhe doara a face. Estava muito difícil de encontrar informações, inclusive todas as pessoas que conviviam com ele eram contra, pois tinham medo do que ele pudesse descobrir.
Mas nada disto foi empecilho para Toni, pois sua determinação era inabalável. Procurou por todos os lugares e por fim resolveu fazer um cartaz com o seu próprio rosto para que alguém pudesse identificar o doador.

        Passaram-se 2 anos até que um dia bateu à porta de seu apartamento, uma mulher chamada Ana, dizendo ser irmã do doador. Era uma moça de aproximadamente 35 anos de aparência normal, cabelos pretos mas com um sorriso muito encantador.

        Toni não podia acreditar no que estava acontecendo, mas era realmente verdade. Ele procurou o seu médico e pediu que fizesse alguns exames para ter certeza de que estava falando com a pessoa certa.

        Ana então começou a contar a história da vida de seu irmão que saíra de casa muito jovem e nunca mais voltou. Ele tinha se envolvido com marginais e nunca mais ninguém soubera do paradeiro dele, até que ela viu o cartaz de divulgação que Toni havia espalhado pela cidade.

        Ana passou a frequentar a casa de Toni e eles travaram uma amizade muito íntima, até que se apaixonaram, mas a moça ficava muito constrangida com estes sentimentos, pois quando olhava para Toni via o rosto do irmão embora soubesse que era outra pessoa. 

        Como o amor vence muitas barreiras, Toni resolveu fazer algumas cirurgias para ficar pelo menos um pouco diferente do irmão de Ana, para que ela não ficasse constrangida ao ver a face do irmão quando estivessem juntos.

        Toni ficou psicologicamente com 3 faces. Sua mente estava a cada dia mais confusa e ele não conseguia mais lidar com estes fatos . Seu eu interior não sabia mais quem era ele, pois perdera a identidade emocional e social. Não suportando as conseqüências que todos os acontecimentos haviam lhe causado, Toni enlouqueceu.

        Ana ia visitá-lo sempre no hospital, mas o pobre rapaz nem a reconhecia mais...



  Autora - Glória Cunha
Raio de Lua
Enviado por Raio de Lua em 19/10/2007
Reeditado em 07/12/2013
Código do texto: T701450
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Raio de Lua
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
2394 textos (1398554 leituras)
15 e-livros (54395 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 23:23)
Raio de Lua