Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PESADELO DA MURALHA

                   
     



      Enorme muralha o cercava, não se lembrava de quase nada antes daquele momento, exceto o fato de ter ido dormir depois de uma noite festiva e alegre.
      A alegria era conseqüência da reunião que tivera com pessoas ligadas ao seu  círculo de amizades, quando haviam discutido vários aspectos do momento e tudo transcorrera em um clima da mais completa harmonia.

      No entanto, agora lá estava ele emparedado por muralhas que deveriam ter mais de cinco metros de altura e estava só. Não tinha mais ninguém  ali.
      Não havia lugar para se sentar, a não ser o piso frio que revestia o enorme cômodo. Não tinha a menor idéia do que teria ocorrido para estar naquela situação.

             Talvez fosse um sonho, que naquele momento mais parecia um pesadelo. Gritou  várias vezes, beliscou-se,  fez  tudo que podia, tentando acordar para  sair daquela situação que muito lhe desagradava e lhe provocava mal-estar e lhe infundia  terror e medo.

              Andando pelo cômodo, verificou a parede com mais atenção, procurando descobrir algum sentido para o que acontecia naquele momento. O cômodo era amplo, parecia ter mais ou menos 22 metros quadrados, fato que observara contando os passos em todas as direções. O piso  parecia ser de granito, era frio e extremamente liso. Fora polido de uma única peça

              Sentou-se,  levantou-se e, como fera  enjaulada, circulou várias vezes pelo pequeno espaço que o retinha. Procurava uma saída, uma brecha por menor que fosse, que lhe pudesse indicar a saída para uma possível fuga.

             Procurou ver as horas, porém notou que o relógio havia parado exatamente às 20 horas. Tirou  o relógio  do  pulso e o  balançou  várias  vezes, procurando  com  isso  fazê-lo funcionar. Mas as horas e minutos continuaram os mesmos, o relógio parecia estar quebrado.

              A impaciência que o impedia de ficar parado naquela situação fez  com que se  sentasse e levantasse várias vezes, obrigando-o  a andar em todas as direções, olhando constantemente para cima como que procurando um meio de fuga. Ele, naquele momento, era uma fera enjaulada.
   
              As paredes pareciam de vidro, porém opacas, não tinham ranhuras ou qualquer saliência. Era  um quadro fantástico que lhe infundia medo e terror.

              Começou a sentir frio, fome e sede. Nem seus gritos e lamúrias emitiam som. Por instantes procurou aguçar a audição, tentando ouvir qualquer som ou ruído, porém nada, tudo era estático, naquele lugar de terror.

              Tudo que desejava era  sair dali o mais rápido possível, embora não tivesse a mínima noção de como poderia  fazê-lo.
              Estaria preso por algum delito?  Seria aquilo um calabouço?

              Tudo ficava sem respostas, não havia ninguém para responder as suas indagações. Somente o grande vazio que era ocupado por ele.

                Ainda não sabia que tudo não passava de uma simples ilusão criada por si mesmo. E somente após vencer o trauma da mudança poderia então compreender que havia morrido, vivendo o seu próprio pesadelo.

       02/11/83-VEM
Vanderleis Maia
Enviado por Vanderleis Maia em 12/02/2006
Reeditado em 07/03/2009
Código do texto: T110974
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vanderleis Maia
Imperatriz - Maranhão - Brasil
1412 textos (110793 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:42)
Vanderleis Maia