Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O piano sem alma

O PIANO SEM ALMA

        Ao comprar uma determinada mercadoria, Joel conhece Ana, que trabalha na loja como caixa. Por falta de troco, para completar o atendimento, Ana solicita a presença da provedora. Durante esse breve espaço de tempo, acontece um diálogo entre eles e também uma simpatia recíproca.
       Após a chegada da provedora, Ana completa o atendimento a Joel que, ao retirar-se, agradece e despede-se ressaltando ter sido um prazer conhece-la e que se lhe permitisse, voltaria numa outra oportunidade. Muito mais em função do seu preparo para o bom atendimento, ao freguês, Ana concorda.
       Dias depois, levado por uma grande vontade de rever Ana, Joel retorna a loja para comprar “qualquer coisa”. Com seu olhar voltado para o caixa, dirige-se para o setor de cartões onde, por mais de meia hora, vê e revê diversos deles.
       Entretida em seu trabalho e com a atenção voltada para os clientes que formam uma pequena fila na frente do caixa, Ana sequer percebe a presença de Joel que, contrariado, retira-se da loja sem nada comprar.
       Após dois meses, o moço retorna à loja, era dezembro. Efetua a compra de diversos cartões natalinos e toma lugar na fila do caixa. Finalmente chega a sua vez e Joel pronuncia-se: Bom dia! Como vai Ana?
       - Ato contínuo, levantando o olhar, ela o reconhece e responde: Tudo bem! E você? Quanto tempo!
       Propositadamente, Joel havia dado a Ana uma nota de cem reais com a finalidade de provocar uma demora em seu atendimento, dando-lhe mais tempo para conversar. Porém, o movimento na loja era intenso e o caixa estava repleto de troco. Rapidamente ela faz o atendimento a Joel que, desapontado e ainda arrumando o troco na carteira, despede-se e deseja-lhe “Boas Festas”.
     - Educadamente Ana agradece e retribui.
      Passam-se mais dois meses e a moça não sai de sua cabeça. Sentindo uma vontade cada vez maior de revê-la, tenta resistir, procura concentrar-se em seu trabalho e a desenvolver tarefas além de seu horário de expediente.
       Joel é um bem sucedido pianista, muito conhecido pelo seu nome artístico “J. Reis”. Suas interpretações romperam as fronteiras do País, espalhando-se pela Europa onde é conhecido como “O pianista que tem o amor nas pontas dos dedos”.
      Talvez por ironia do destino, tenha sido pego pelo amor que, saindo das pontas de seus dedos, cravou-se em seu coração.
      Não suportando mais à saudade que sente da moça, depois de uma temporada de seis meses pela América do Norte, ele decide voltar na loja para revê-la.
      Ao chegar na casa comercial onde ela trabalha, simula estar precisando de alguns materiais para escritório e, dessa vez sem dirigir o olhar para o caixa, vai direto até as prateleiras onde começa a efetuar suas compras. São blocos de rascunho; cadernos pautados para música; lápis; envelopes; papéis para cartas; canetas e muitos outros materiais de consumo. Vai até o balcão, deixa o material comprado, recebe a nota fiscal e dirige-se para o caixa, para fazer o pagamento. Só que desta vez, confere a nota fiscal e paga o valor em dinheiro devidamente contado, inclusive os centavos.
       Ao olhar em direção ao cliente para agradecer a gentileza, Ana o reconhece e diz: Como vai Joel? Tudo bem!
       Os olhos do moço são tomados por um brilho intenso, sua fisionomia torna-se descontraída e seus lábios ameaçam um suave sorriso. Em sua cabeça uma exclamação: Ela lembrou meu nome! O coração, pego de surpresa, acelera e descompassa, o pianista perde o ritmo, a inspiração invade-lhe a alma e espontaneamente responde: A partir de hoje, só te pagarei as notas com dinheiro trocado. - Poder vê-la contente, com essa expressão tão linda e amável, aliás, como sempre, balançam-me as estruturas de um homem forte e determinado.
       Sentindo-se lisonjeada pelo educado galanteio proferido, ela agradece e completa: Espero que retorne a nossa loja mais vezes.
       Joel retira-se vagarosamente e seu peito está cheio de esperanças. A possibilidade de se reverem e conversarem novamente é uma realidade irrefutável. - Sente-se mais leve. Chega a ensaiar umas passadas dançantes, mas logo percebe que está no meio rua, contem-se, retoma sua passada normal e dirige-se para o Conservatório Musical.
        Semanalmente ele retorna à casa comercial e conversa com Ana que reluta em dar-lhe a oportunidade de um encontro fora da loja.
       Sem entender muito bem a posição da moça, mas aceitando suas justificativas, certo dia, Joel comunica a Ana que fará uma turnê pela Europa, onde ficará por seis meses.
       Pega de surpresa ela demonstra estar sentida, porém supera aquele momento e diz-lhe: Se, quando você voltar dessa turnê, ainda sentir a mesma vontade de conversar comigo fora daqui, basta ligar no meu telefone e marcar o encontro. Combinado assim?
      Joel, apesar da condição imposta, sente-se satisfeito. Afinal surgiu a oportunidade que tanto esperava.
      Recebe um cartão com o telefone de Ana e, pela primeira vez, despede-se dela com um aperto de mão.
       Após os seis meses de viagem, “O pianista que tem o amor nas pontas dos dedos” volta à cidade com seu coração em frangalhos, tamanha a ansiedade e saudade que sente de Ana.  Mal, acomodou-se, em sua residência, pegou o telefone, retirou de sua carteira o cartão com o número telefônico de Ana, apenas para mera confirmação, já que o tinha decorado, e ligou.
       Uma senhora atendeu, eram quase dezesseis horas: Boa tarde! Com quem falo?
        -Meu nome é Joel. Gostaria de falar com a Ana.
       Pois não, o senhor aguarde um momento, por favor.
       Ana atende: Alô Joel, tudo bem? Como foi de viagem?
       -Joel responde que tudo foi muito bem, mas pretendia falar com ela. Tinha muitas novidades para contar-lhe.
       Ana aceitou a proposta e combinou para que fosse jantar em sua casa. Assim, poderia apresentar-lhe sua mãe e contar-lhe também seus “segredos”.
       Tudo foi acertado para as vinte horas.
       Joel não se continha em sua ansiedade. Apressado dirigiu-se ao banheiro, lavou o rosto encheu-se de creme de barbear e tome a escanhoar a barba para sentir sua pele macia, livre daquela mal apresentada barba dos dois dias de viajem.
       A seguir tomou um banho de quase uma hora, enxugou-se e foi escolher a roupa para o tão esperado encontro.
       Tempos depois, lá estava o Príncipe Encantado dentro de um charmoso terno de cambraia fina, de cor azul marinho, cercado por um elo de perfume com suave fragrância de gardênia. Acerta os últimos detalhes e os fios de cabelos que insistem em sair de onde são colocados, vai até a garagem, entra no carro, buzina para a empregada, recomenda-lhe cuidados e retira-se com destino a sua grande aventura.
       Pouco depois, está tocando a campainha da porta de sua esperança. Uma senhora lhe atende, é a mãe de Ana que se apresenta e pede-lhe para entrar e tomar lugar à mesa de jantar.
       Ana já estava sentada à sua espera, cumprimentam-se e trocam um olhar complacente.
       Dona Joana deixa que conversem à vontade, vai para a cozinha e começa a trazer para a mesa os quitutes que tão cuidadosamente lhes havia preparado.
       Após o jantar, Joel que havia se excedido com as delícias de Dona Joana, gentilmente convida-as para dar uma volta pelo quarteirão. – É para facilitar minha digestão, disse ele.
       Antes que se levantassem, Joel intrigado desde o momento em que Ana disse-lhe ao telefone que tinha “segredos” para contar-lhe, indagou: Ana, quais são os “segredos” que você disse ter para me contar?
       - O primeiro deles você já saberá, curvou-se sob a mesa e levantou-se apoiando em sua muleta.
       Ana perdera sua perna esquerda em um acidente automobilístico no qual seu pai havia perdido a vida.
       Embora surpreso Joel mostrou-se muito seguro, quase indiferente àquela situação e disse-lhe: Vamos andar?
       Levantaram-se e saíram para dar a volta pelo quarteirão.
       Dona Joana alegou que teria serviços do lar para fazer, deixando-os a sós.
       Aproximadamente uma hora depois, retornaram para casa.
       Foi quando o assunto voltou aos tais “segredos” de Ana.
       Ana pediu-lhe que aguardasse na sala de visitas.
       Ao retornar, trouxe uma criança em seu colo e disse: Joel, esta é minha filha Jane.
       Atônito, sem palavras e gaguejando, pergunta para Ana: Você é casada?
       Não! Responde-lhe. - Sou viúva! Perdi meu marido no mesmo acidente em que perdi meu pai.
       Joel procura contornar o rumo da conversa, tenta recuperar-se da surpresa e explica a Ana que nada do que ela estava falando, mudaria a razão pela qual ele estava ali.
       -A conversa prolonga-se por horas seguidas, diferentes assuntos são tratados até que, dado ao avançado da hora, ele resolve despedir-se e retirar-se. - Beija a mão de Ana, aperta a mão de Dona Joana, faz um leve agrado na cabeça de Jane e diz: Boa noite!
       Depois daquele “boa-noite”, Ana e Dona Joana, jamais escutaram a voz do Joel. - Nunca mais souberam do seu paradeiro.
       “O pianista que tem o amor nas pontas dos dedos”, realmente só o tem nas pontas dos dedos.
       
   
Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 09/03/2006
Código do texto: T121072

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14593 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 17:52)
Condorcet Aranha