Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TERRA MORREU!

Tive uma visão assombrosa, que me fez chorar e tremer.
Deprimido, senti meu coração dominado pela tristeza.
Antevi um futuro negro para a humanidade, fruto de suas ambições, intolerâncias e desonestidades.
A visão poderia ser descrita mais ou menos da seguinte forma:

"Tudo começou no dia 20 de março de 2105.
Primeiro as nuvens escuras se formaram, cercando o planeta, transformando-se num manto negro, horripilante e mortífero. Pareciam conduzidas por uma força invisível e ignóbil.
Depois, não havia vento, nenhum tipo e em nenhum rincão do mundo. As ondas do mar estavam calmas e inertes. As folhas das árvores não balançavam.
Naquele dia (que era noite em outros continentes), os habitantes simplesmente não perceberam o início de toda a desgraça; inclusive os especialistas, os que lidavam com o clima e que tinham acesso aos mais potentes satélites. Era como se estivessem cegos, entorpecidos, ludibriados por sua vívida arrogância e prepotência.
Os habitantes seguiam sua rotina de sempre: dormiam com a consciência tranqüila ou agitada ou trabalhavam ou praticavam esporte ou dançavam ou conversavam pela Internet ou faziam compras ou cometiam crimes horrendos ou namoravam ou rezavam para seus respectivos deuses ou caminhavam a esmo ou viajavam das mais diversas formas ou gritavam de dor ou se suicidavam ou sorriam ou choravam ou se drogavam ou guerreavam ou imergiam na sua própria introspecção.
Eles não se prepararam para o que iria acontecer, pois nunca souberam.
As primeiras gotas de chuva caíram quando faltavam vinte minutos para as dez horas da noite, na área ocidental, dia nublado na área oriental.
Por uma singularidade ímpar e inusitada, bizarra até, pela primeira vez na história chovia em todo o planeta. Para onde quer que se fosse, para onde se observasse, a chuva caía aos borbotões, contínua e insensível.
Os habitantes abriram seus guardas-chuva, outros esperaram debaixo das marquises, outros enfrentaram a chuva, rindo e brincando, outros trabalharam na chuva, outros lançaram suas bombas na chuva, outros aguardaram dentro de seus lares, de tal forma, que as atividades do planeta se manteve quase que no mesmo ritmo de antes.
Após duas horas de chuva, os aviões começaram a pousar e poucos ousavam levantar vôo. Os navios lançaram âncora, os trens diminuíram a marcha, os carros (havia dois tipos: os que voavam e os normais) rasgavam o céu e as poças d’água, ainda sem o menor indício de pânico.
Na terceira hora de chuva, os seres humanos, por meio de sua mídia, começaram a perceber o problema. Nos Estados Unidos, um cientista chegou à conclusão de que chovia em todo o planeta. A notícia correu o mundo, célere e pragmática.
Na quarta hora de chuva, os primeiros contratempos: rios transbordavam, as partes baixas alagavam, o mar aumentava de nível, os animais se agitavam nas florestas e selvas, e as grandes metrópoles, com seus bueiros entupidos, imergiam em lagos e engarrafamentos.
A chuva caía, em gotas grossas, torrencial e infinita.
O planeta estava alagando!
Após cinco horas de chuva, não havia nenhum avião singrando o céu (uma vez que os aeroportos estavam interditados), poucos barcos e navios se movimentavam (pois a chuva atrapalhava a visão e o uso dos sonares), nenhum trem se deslocava e apenas alguns carros (os que voavam e os normais) e ônibus rasgavam o céu e as estradas alagadas.
Aos poucos as coisas pioravam.
Pessoas e animais começaram a morrer, afogados. Os desabrigados se multiplicaram. Ocorriam desabamentos. As águas dos rios invadiam as cidades. Surtos de doenças surgiam.
Vários países começaram a tomar medidas de emergência. Multidões eram conduzidas para abrigos improvisados.
E a chuva continuava.
Nunca se tinha visto tanta água cair ao mesmo tempo, em todos os lugares do mundo!
A chuva já se prolongava por mais de dez horas. Mesmo os pontos mais altos começaram a ser atingidos. Cidades inteiras e ilhas pequenas desapareciam sob as águas. Navios transportavam os sobreviventes de tais lugares.

***

Vinte horas de chuva! Vinte!

***

Os chefes de estado, ao perceberam a gravidade do problema, viram que algo precisava ser feito. Norte-americanos, canadenses, mexicanos, brasileiros, argentinos, italianos, russos, sauditas, egípcios, camaroneses, holandeses, suecos, alemães, japoneses, etc, por telefone, entraram em contato uns com os outros. Chegaram à conclusão de que tinham que evacuar as pessoas para os pontos mais altos.
Ouvia-se o pronunciamento histórico do presidente dos Estados Unidos, o escolhido para orientar os vinte bilhões de habitantes:
- Senhora e senhoras, caros amigos de todas as partes do planeta, ouçam com atenção o que vou dizer. Nós, seres humanos, alcançamos o ápice do progresso humano e científico. A AIDS foi controlada, pois temos sua vacina, a incidência de câncer e outras doenças caiu em 80%, o que nos permite viver até aos 100, 120 anos, graças às avançadas técnicas de nossa medicina; também já conseguimos transformar água do mar em água potável (onde cada morador tem seu aparelho em casa); temos chips em nossos cérebros, que nos permite controlar as doenças, nos identificar e localizar em qualquer parte do mundo; nossos carros voam (movidos pelo bio-combustível artificial, que substituiu o petróleo), evitando os engarrafamentos; nossa agricultura está evoluída, com imensas plantações sobre plataformas no mar; fazemos compras e nos comunicamos pela Internet, pois nosso dinheiro é agora virtual (com cartões magnéticos à prova de falsificações); o terrorismo foi controlado; e, apesar de existirem alguns países onde a fome e a guerra ainda perdurem, estamos vivendo um mundo bem melhor e mais ordeiro. No entanto, esse mundo, o nosso mundo, comumente chamado de Planeta Terra, está atravessando a pior crise de sua história. Estamos sendo vitimados pelo mais devastador dilúvio de todos os tempos. Trata-se de uma chuva única, torrencial, devastadora, que cai continuamente há mais de vinte horas e não sabemos quando irá parar. Muitas pessoas já morreram, infelizmente. Nenhum cientista até agora conseguiu entender o motivo desse dilúvio, que nos pegou de surpresa, confesso, mas estamos estudando e planejando a melhor forma de evacuação global dos habitantes do planeta para os pontos mais altos. Peço-lhes que não entrem em pânico, pois, apesar do que parece ser uma espécie de castigo divino, daremos um jeito nessa situação. Rezem, rezem bastante, porém, acima de tudo, tenham a tranqüilidade de se deslocarem, sem atropelos, para os locais que as autoridades de suas cidades determinarem e tudo dará certo. Que Deus tenha piedade de nossas almas! Obrigado. - concluiu, emocionado.
E assim começaram a proceder.
Os mais altos edifícios, as montanhas, serras, torres, etc, ou seja, qualquer estrutura alta o suficiente passou a ser utilizado como abrigo para as pessoas.
Todos corriam, entre choros e desesperos, para os pontos indicados. Muitos entraram nos imensos navios cargueiros, nos quais haviam estoque de comida para um mês. Havia comida nos edifícios e montanhas. No auge do caos, pessoas corriam e morriam atropeladas e pisoteadas. Outros tentavam fugir pelos próprios meios, utilizando os carros voadores ou carros normais. A maioria morria afogada. Havia uma balbúrdia mundial.

***

Vinte e seis horas de chuva.
O vento apareceu, subitamente, e começou a soprar, tornando revoltas as águas dos oceanos e rios. Com o vento, surgiu um frio intenso, que dificultava tudo.
As guerras cessaram por completo. Pela primeira vez na história não havia uma só guerra em todo o planeta. A paz, a paz tão sonhada, tão almejada por todos, fora alcançada! Incrível! Os seres humanos rezavam, choravam, entravam em desespero, lutavam por suas vidas e pararam de lutar entre si. Não se ouvia o ribombar das bombas, o troar dos fuzis, nem os mortos caindo aos montes, vitimados pelos da própria espécie.
Via-se, sim, pessoas e animais morrendo, mas afogadas, soterradas ou dizimadas por doenças.
Após três dias de chuva, as pessoas esperavam.
Dos vinte bilhões de moradores do Planeta, somente dois bilhões conseguiram alcançar os pontos mais altos.
Os cadáveres flutuavam sobre as águas. Corpos e mais corpos, inchados e desfigurados, perfazendo uma cena grotesca.
Os oceanos, com suas ondas agitadas pelo vento, transbordaram.
Cidades como Veneza, Amsterdã, Florianópolis, Creta, Nova Orleans, São Luís, Havana, Wellington, Kioto, Malvinas, etc, sumiram do mapa!
Países como Cuba, Nova Zelândia, Jamaica, Malásia, Malta, etc, sumiram do mapa!
E a chuva continuava. E mais cidades iam sendo engolidas!
Os mais poderosos políticos, postados no mais altos edifícios, esperavam. Todos estavam com medo, um medo angustiante, que lhes tirava o raciocínio.
Os russos tiveram a idéia de embarcarem num foguete, para ficarem flutuando no espaço, até o dilúvio passar. O presidente da Rússia, seus parentes e mais trinta políticos embarcaram. Não deu certo. O foguete explodiu e todos morreram.
Os japoneses tentaram algo parecido. O foguete também explodiu misteriosamente, como se uma força estranha danificasse a sua estrutura. A Terra parecia estar cercada! Por quem?
Já o presidente dos Estados Unidos se recusou a embarcar num foguete. Disse que não iria fugir, para abandonar o seu povo naquele momento angustiante. Se fosse o caso, morreria ali, na terra onde nasceu. Delirava, os olhos vidrados, e já antevia a própria morte. Passou seus últimos dias olhando para a chuva que caía, a esposa afagando seus cabelos.
Não havia mais energia elétrica, nem Internet, nem qualquer outro meio de comunicação.
Toda a vida organizada da Terra deu lugar ao caos!

***

Do espaço, eles souberam. E observaram.
Os astronautas, cerca de quarenta, de inúmeros países, enclausurados nas diversas plataformas espaciais, viam tudo do espaço.
Na verdade, nada viam, a não ser uma sombra negra cercando a Terra. Ficaram abismados com aquilo. Era como um monstro sanguinário, negro e sombrio, ávido em destruir e aniquilar. Todos se arrepiaram.
Rezavam, trêmulos, pois tudo indicava que um dilúvio estava se abatendo sobre a Terra.

***

Cinco dias de chuva.
A água tomava conta do planeta.
Metade do continente australiano e africano foi inundado, assim como 40% das Américas. 30% da Europa e Ásia foram inundados. Os pólos Norte e Sul sumiram!
A água já batia na metade dos edifícios mais altos.

***

Dez dias de chuva.
Não havia mais dúvida, principalmente na cabeça dos mais renomados cientistas, de que as terríveis águas não cessariam, até que toda a vida no planeta deixasse de existir. Para os religiosos (de todas as religiões e crenças!), era o fim do mundo, o castigo de Deus, o segundo dilúvio. Todos enlouqueciam lentamente. Muitos se suicidaram.
As águas invadiam tudo e subiam gradativamente.

***

Quinze dias de chuva.
Os seres humanos comiam enlatados e bebiam a água da chuva. Os navios e similares, mais de vinte mil, flutuavam perto dos edifícios. Os barcos menores viravam, devido ao poderio das ondas.
As pessoas que estava nas partes mais baixas dos prédios queriam subir, mas eram repelidas pelos exércitos. Muitos morriam pelos tiros dos fuzis dos soldados e eram lançados no imenso oceano. Ouvia-se seus gritos de desespero. Os que caíam nas águas e tentavam flutuar, eram devorados pelos peixes.

***

Vinte dias de chuva.
A comida e a bebida dos navios começavam a escassear. As pessoas começaram a beber apenas a água da chuva. E não conseguiam pescar, pois o frio era tão forte, tão abrasador que ninguém conseguía sair de dentro dos camarotes.

***

Trinta dias de chuva.
Praticamente 80% das terras do planeta estavam submersas. As pessoas iam morrendo de fome, pois a comida estocada não era suficiente. Os animais terrestres faleceram. Até os pássaros morreram, pois não sabiam onde pousar. Somente os peixes sobreviviam, sem entenderem o motivo da expansão de seu território marítimo.
O Brasil, assim como a maioria dos países, desapareceu sob as águas, e quase todos os seus habitantes pereceram, aí incluindo o seu presidente. Este morreu antes, vitimado pela peste bubônica. Morreu delirando, numa agonia indescritível e suas últimas palavras foram: “Deus castigou a Terra!”.
Só estavam vivos os que se abrigaram nos navios.
Restava, neste momento, aproximadamente quatrocentas mil pessoas vivas no planeta.
Todas esperavam e rezavam.

***

Quarenta dias de chuva.
Era chegado o momento em que a morte cercava a todos. Nos navios, as pessoas vivas comiam as mortas, num canibalismo extremo e bizarro, e bebiam água da chuva. Os cadáveres se amontoavam e eram jogados no oceano. Gritos de desesperos se ouviam nos navios.
E eis que todas as pessoas que estavam nos prédios e demais estruturas morreram: presidentes, reis, rainhas, príncipes, padres, cardeais, soldados, milionários, artistas, cientistas e as pessoas comuns. A maioria morreu afogada; outros, de doenças como peste bubônica e cólera.
Na terra, apenas uma estrutura era vista fora d’água: o maior prédio do mundo, localizado em Washington, Estados Unidos. Naquele prédio, quinhentas pessoas se amontoavam, apavoradas, dentre elas o presidente.
Mas ele sabia que não tinha chance. Sabia que ia morrer, assim como seus companheiros de abrigo. E segurava as lágrimas, mesmo chorando por dentro.

***

Cinqüenta dias de chuva.
O prédio de Washington, enfim, submergiu. As águas tomaram brutalmente a edificação e o presidente dos Estados Unidos, bem como seus parentes e assessores, foram lançados nas águas, sendo imediatamente atacados pelos tubarões.
Seus gemidos de dor foram ouvidos longe, a carne do corpo dilacerada pelos dentes dos enormes peixes. De repente, o presidente gritou e suas derradeiras e enlouquecidas palavras foram: "A Terra morreu! A Terra morreu!". Ele continuou gritando, mas somente as águas nervosas foram testemunhas de seus gritos.
Os navios, que flutuavam nas águas infinitas, se tornaram depósitos de moribundos. Dos vinte mil navios espalhados pela Terra, que agora era completamente dominada pelas águas, só havia vida em aproximadamente oitenta.
Oitenta navios, lotados de pessoas doentes e desesperadas.

***

O tempo passava e a chuva caía, contínua e macabra, como se os deuses estivessem com ódio.
Havia uma crueldade extrema, jamais vista, em cada gota!!!

***

Sessenta dias de chuva.
Um único navio.
Naquele navio, constituído de aço e ferro, quarenta e uma pessoas rezavam e choravam. Vinte e dois homens e dezenove mulheres. A maioria jovens. Os últimos seres vivos na Terra. Todos nascidos numa Dinamarca que não existia mais.
Estavam dominados por uma agonia cruciante: magros, pálidos, os corpos lotados de feridas e em pânico. Tremiam de frio e de dor.
E mesmo estes morreram. Comendo uns aos outros. Doentes. Vomitando sangue.
Então, como num filme de terror, eis que o último ser vivo sobre a Terra, um homem de quarenta anos, enlouquecido, ao ver seus compatriotas e parentes mortos, dá cabo da própria vida, enfiando um punhal coração.
Fez-se um silêncio sepulcral.

***

E após setenta dias... a chuva pára.

***

O dilúvio chegou ao fim, deixando atrás de si um rastro de morte.

***

O sol despontou no céu. As águas começaram a baixar.
As águas levaram sete dias para baixar, evaporadas pelo calor. Sete dias de sol intenso, em que as coisas se modificavam. Os continentes emergiram (terras e estruturas artificiais apontando para um novo horizonte) e os oceanos voltaram ao seu nível normal. Vinte bilhões de cadáveres estavam espalhados por todos os lados, sem contar os dos animais irracionais. O fedor era insuportável. O gás dos corpos em decomposição podia ser visto do espaço.
A Terra tornou-se um mundo em polvorosa, abandonado e solitário.
Navios eram vistos em todos os lugares. Prédios, aeroportos, palácios, estádios, etc... vazios. Montanhas, serras, pântanos, desfiladeiros, etc... vazios. Ou repleto de cadáveres. Pareciam coisas mal-assombradas num lugar grotesco e sobrenatural.
Uma visão simplesmente horripilante!!!"

***

Mas nem tudo estava perdido, pensei.

***

Eles souberam. E observaram.
Sabiam do dilúvio.
Os astronautas notaram a dispersão das nuvens. Comunicavam-se entre si, por meio de transmissão virtual, e um avisava o outro. Ansiosos, procuraram captar, visualmente, as imagens. Focaram as câmeras diretamente sobre o planeta. Aumentaram a potência das luzes. E o que viram, pelas telas inseridas nas plataformas espaciais, lhes embrulhou o estômago.
As imagens eram... repugnantes!
E todos choraram, principalmente pelos entes queridos, mas também por todos os seres da Terra. Não havia mais vida na Terra. Nenhum ser humano, nenhum animal. Só corpos e mais corpos. Um planeta vazio, abandonado à própria sorte.
Trêmulos, perguntaram-se o porquê dessa tragédia global: maldição divina? Castigo de Deus? Efeito estufa? Destino? Não tinham a resposta. E não queriam saber.
Aquelas quarenta pessoas, das quais nove mulheres, de várias nacionalidades, só sabiam de uma coisa: cabia a eles a missão de recomeçar. E tomaram sua decisão.
Dois meses após do término da chuva (quando todos os cadáveres estavam secos e o ar mais puro), apesar de tristes, temerosos e deprimidos, iniciaram a viagem para a Terra.
Afinal, cabia a eles o serviço de limpeza, purificação, organização, distribuição e continuação da vida, nunca escala antes jamais vista.
Como nos tempos de Noé.

FIM
Joderyma Torres
Enviado por Joderyma Torres em 15/09/2007
Reeditado em 18/09/2007
Código do texto: T654263
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joderyma Torres
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 52 anos
70 textos (15082 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 02:00)
Joderyma Torres