Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MALDIÇÃO - FINAL

FINAL

- Acontecia de tudo: objetos que saíam do lugar, ruídos sem explicação, pesadelos horríveis.Todo mundo lá de casa começou a ficar apavorado e ninguém dormia bem - continuou Seu Fernando - a coisa tomou tal proporção, que pra dar um pouco de sossego pra minha família vim pra cá para o Brasil.Só conseguia dormir em trânsito,ou seja, quando estava viajando, nas poltronas de avião e ônibus.Se tivesse em terra firme,entre quatro paredes era certo que seria perturbado.

Aline estava perplexa: - Pai, então a maldição me pegou? Eu vi um vulto na escada, era a tal mulher?

- Filhota, sinto muito.Mas tenho que admitir que sim - os dois ficaram em silêncio por longos minutos até Seu Fernando falar de novo - Não queria envolver você nisso.Mas tem uma coisa que protege da maldição.

- O que? - perguntou Aline ansiosa.

- O amuleto.Eu quero que você o use e não tire do pescoço de jeito nenhum.Sua mãe o usava constantemente.

- Mas pai, tem de haver uma maneira do senhor se livrar disso!Alguma espécie de exorcismo, sei lá!

- Estou sempre tentando Aline.Ao que parece a mulher era poderosa.Ela sempre parece ter ido embora,mas depois retorna.

O telefone toca,Seu Fernando atende.Aos poucos seu rosto fica mais feliz:

- Tenho uma nova esperança! - diz ele ao desligar o telefone - um amigo meu encontrou uma pessoa que resolverá este problema de vez!

- Isso pai!Não desista!

- Enquanto isso venha comigo.

Subiram a escada,o pai abriu a porta do escritório e fez sinal pra ela entrar.Aline entrou devagar,saboreando o momento tão esperado.Mas pra sua surpresa o escritório não parecia ter nada de estranho:

- Ué, por que o senhor tranca esta porta e não deixa ninguém entrar?

- Porque é aqui que guardo coisas de valor.

- Peças antigas por exemplo?

- Isso!Aqui fica meu cofre e o amuleto.E muitas outras coisas importantes pra mim.

Enquanto Aline olhava tudo com sua curiosidade infinita,Seu Fernando abre o cofre e tira a amuleto lá de dentro.

- Aline?

- Hã?

- Aqui está, é seu agora!

Aline pega o objeto das mãos do pai e o analisa com cuidado: - Não achei grande coisa - diz ela.

- Mas acredite,funciona!Não o tire do pescoço está bem?

Alguns dias depois um estranho ritual foi realizado na casa de pedra da mata.Seu Fernando não deixou que Aline visse o evento.Só um mês depois é que ele permitiu sua volta à casa.Aline o encontrou sorridente na varanda:

-Aline filhota, desta vez funcionou!

Aline abriu um sorriso de orelha a orelha e deu um longo e festivo abraço no pai: - De verdade pai?

- Estive semanas escutando,nada perturbador aconteceu.Os pesadelos também pararam.Só uma noite ouvi algo andando no telhado do sotão.Adivinhe quem era?

- Quem?

- Ludovico querendo entrar.Parece que andou brigando com outros gatos, estava com uns ferimentos.Já cuidei dele.

Aline deu dois pulinhos: - Pai, isso merece uma comemoração!

- É...não sou muito chegado a festas, mas tenho que concordar com você.Se livrar daquela maldição merece mesmo uma comemoração! Vou chamar a família toda da Espanha!

- Ah sim! Vou conhecer meus tios e tias, primos e primas, coisa boa!Posso convidar minhas amigas?Tem uma que tá doida pra conhecer o senhor! - disse ela piscando um olho.

Seu Fernando deu uma risada feliz,sentia o coração leve,finalmente dormiria em paz!

FIM
Ane
Enviado por Ane em 05/12/2005
Reeditado em 26/05/2007
Código do texto: T81469
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ane
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 46 anos
31 textos (9072 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:54)
Ane