Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Irmandade

Well se mantinha quieta e de cabeça baixa enquanto os dois policiais continuavam a lhe fazer perguntas.As algemas incomodavam seus pulsos,mas um meio sorriso continuava estampado em seu rosto.
- Me diz o que aconteceu aqui! - Gritou um dos policiais.
- Um assassinato não está vendo ou é burro demais pra entender? - Respondeu olhando-o nos olhos.
- Ah!Eu vou matar essa vaca! - Falou o policial correndo até ela com o punho cerrado.O outro o segurou dizendo que seria melhor vê-la atrás das grades.
O cheiro de queimado ainda enchia o ar,o corpo carbonizado em cima da cama de lençois igualmente queimados explicava tudo.A Irmandade liquidara mais um,outro que não merecia viver e mesmo assim se gabava do fato.
- Olha,será que você não entende que está ferrada ?Por que não entrega os outros e salva sua pele? - Propos o outro policial.
- E por que você não me solta e corre daqui pra salvar a sua pele? - Respondeu well mexendo os pulsos.
- Por que o matou heim sua doida?Acha que não conhecemos você?Sabemos que mata homens por diversão...O que é?Não gosta de homem? - Disse o primeiro policial chegando o rosto bem perto do dela.
- Não gosto de idiotas imundos que se acham homens! - Disse well cuspindo do rosto dele.
- Vadia! - Disse ele dando um tapa no rosto dela e sendo mordido na mão que logo começou a sangrar. - A maldita morde!A maldita cachorra me mordeu!Eu vou matar essa vadia! - Ele destravou a arma e a apontou para a testa de well.
- Eu não atiraria se fosse você.- Disse um recem chegado parado na porta com uma arma.
- Ei otario quem é voc...- Ele não chegou a terminar a frase ante do tiro explodir sua cabeça.
- E você tambem quer levar um tiro? - Perguntou o recem chegado olhando o policial que restara.Esse sentou na cama carbonizada e baixou a cabeça.
Pegando um molho de chaves do corpo do policial o recem chegado abriu as algemas de well.Ela sorriu e o abraçou dizendo.
- Rogerio...Eu esperava o Linx...
- Está me desprezando ingrata?!Olha que eu te deixo aqui!- Disse ele fingindo irritação. - Agora me diz,como te pegaram?
- Eu demorei demais pra limpar essa bagunça...
- Seus malucos,retardados,vocês não vão escapar da cadeia...- Disse o policial.
- Well...Amarra esse suicida na cama. - Disse Rogerio com um sorriso.
Logo o policial gritava enquanto tinha sua pele arrancada aos poucos.Quando o alcool foi jogado em cima de seus ferimentos ele desmaiou,Rogerio acendeu o fosforo,o quarto não demorou a pegar fogo,nem a casa.Enquanto voltavam para a sede da Irmandade Well e Rogerio viam a grande fogueira.
- Acha que ele foi pro céu? - Pergunta Well ainda com olhar fixo.
- Com certeza não... - Respondeu Rogerio.
- Acha que nós vamos?
- Também não...Você se importa? - Disse ele parando o carro e olhando para ela.
- Nem um pouco...
A noite caiu sem lua,sem estrelas iluminada apenas pela fogueira de morte.

Dedicado ao  Rogério Silvério de Farias


Hell
Enviado por Hell em 05/10/2006
Código do texto: T257285

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Hell
Maringá - Paraná - Brasil, 26 anos
149 textos (36169 leituras)
1 áudios (287 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 18:00)
Hell