Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem opção

Eu abri os olhos mesmo sem ter vontade.Mais um dia,mais
um pra eliminar...É o mundo é cruel,sempre foi.
Ouço os golpes que eles dão contra a porta,hoje acordaram com fome.Bom,pelo menos a comida não sofre muito...
Abro a porta da despensa,olho as três pessoas amarradas e amordaçadas.Tento não pensar nelas como pessoas mas sempre é tão dificil,sei que se lhes der liberdade na primeira oportunidade elas vão me atacar,me morder até sangrar,mastigar minha carne até que eu morra mas é sempre tão dificil vê-las como os animais que são.
Eu acordei e o mundo estava assim...Nada mais é o que parece,agora só me resta acostumar.Pego a faca de caça em cima da mesa esterelizada,tenho que mantê-la assim se não quiser me contaminar.Fontaine me olha como se eu também fosse um animal,quero lhe dizer que não tenho culpa,se não fizer somos nós que viramos refeição.
Agora as batidas na porta estão mais fortes,cada dia eu penso que eles vão arrebentá-la mas nunca acontece.Fontaine diz qualquer coisa sobre sair antes que a chuva vermelha começe...
Eu não escuto,se for qualquer coisa com o equipamento é problema dele,se é comida...Bem,eu não estou com fome.
Escolho a mulher da direita,pego-a pelos cabelos.Ela parece a pior,vai mudar logo,então melhor que saia daqui.Com a faca de caça faço os três cortes estrategicos que Fontaine ensinou.
Um na testa,para que ao sentir o cheiro de sangue eles pulem na cabeça e ela não sofra,outro no peito,assim ela não corre o risco do coração explodir antes que eles o comam e o terceiro nos pés,para que não fuja e acabe morrendo sozinha e sem alimentar ninguém.
Feitos os cortes eu a aproximo da janela e vejo quantos deles tem lá embaixo.Parece mais um enxame,bando de criaturas sem cerebro atrás de um pouco mais de carne fresca.
Bem,não vou fazê-las esperar.Atiro a mulher janela abaixo no meio da multidão.
Saio dali,não quero ver a "festança",fecho a janela para não ouvir os gritos também...O que fazer?Quando eu abri os olhos o mundo ja era cruel e vermelho,o sol ja queimava,a chuva da tarde ja era sangue e trazia infecção,as ruas ja eram tomadas por monstros.As pessoas ja fugiam para outras colonias em terra-formação,crianças ja pegavam em armas pesadas e humanos comiam humanos por mero prazer.
Quando abri os olhos eles ja eram alaranjados pelo nível de radiação em meu corpo,eu fui planejada,feita em laboratorio,a salvação da era de meus pais que morreram na
ultima guerra dos misticos.Quando eu acordei Fontaine ja dominava minha vida,ele ja era minha familia e minha casa ja era um laboratorio...
O que fazer?Eu só posso rezar e me acostumar.
Sem opção...
Hell
Enviado por Hell em 26/10/2006
Código do texto: T274463

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Hell
Maringá - Paraná - Brasil, 26 anos
149 textos (36169 leituras)
1 áudios (287 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:41)
Hell