Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Imagem de Ação

  A cama estava fria, mas ainda assim ela sentou-se e espalhou as fotos todas pela cama. Ao olhá-las um filme começou a passar na sua cabeça, as lembranças vinham como um tufão que a deixava tonta a ponto de quase desmaiar. As imagens das fotos se misturavam com os gritos de desespero na sua cabeça. Começou a suar e a chorar.
  Chorava lágrimas tão frias e salgadas que sentia a sua pele ressecar e agonizava pela cama como um porco prestes a ser abatido. Parecia que mil facas entravam em seu coração. O ar estava escasso. Podia ter a sensação do sangue quente escorrendo pelas suas mãos.
Uma mão áspera e fria tocou de leve em suas costas e Rapina deu um pulo. Virou para trás e a figura daquele homem desfigurado com uma tesoura na mão fez seu corpo ficar tão branco quanto o lençol da cama. Tentou gritar mas não conseguia, estava dura como uma rocha. Seus únicos movimentos eram as tremedeiras involuntárias de todos os músculos do corpo. Havia vários homens desfigurados e mutilados, porém estranhamente seus olhos eram mais vivos do que um tigre a 120 quilômetros por hora.
  Os homens estavam todos nus e seus olhares variavam. Alguns a olhavam com um desejo que jamais vira. Eles tinham olhos queimando de tesão e suavam testosterona. Rapina conhecia muito bem aquele cheiro.
  Havia três homens na sua frente. Eles a olhavam como se quisessem pular em cima dela e como cães ferozes, arrancar seu coração e comê-lo. Tinham olhos vermelhos e a qualquer momento parecia que iam estourar. Tinham garras com unhas enormes que pareciam querer entrar na sua pele e rasgá-la. Rapina sentia seu rosto ressecar cada vez mais.
  Sentiu seu lado direito ser tocado por outra mão gélida. Era outro homem, este com um olhar de pena e ao mesmo tempo indiferença. Seu olhar fazia o coração dela disparar tanto que parecia sair pela boca.
  Todos eles começaram a se aproximar com sussurros de orgasmo que a excitavam e ao mesmo tempo a apavoravam. Sentia incontáveis mãos tocando seu corpo e a levando lentamente.
  Quanto mais lento seu corpo era levantado mais tremia e sentia repúdio de si mesma. As lágrimas salgadas escorriam e eram tantas que começaram a ressecar os seus lindos seios.
Rapina foi colocada de joelhos em um chão de pedras perfurantes. Pressionaram seu corpo para baixo com tanta força que ela foi pregada pelos joelhos no chão como um quadro na parede. Os gemidos aumentavam ainda mais e isto começou a esquentar seu corpo. A lágrima cessou.
  Entrava em um êxtase emocional tão grande que não sentia que haviam posto algo em seu pescoço. Começou a gemer ainda mais alto que os homens.  Tinha seus olhos fechados. O tremor de medo se fora e agora experimentava o tremor do gozo.
  Seus gemidos aumentavam. Estava tendo orgasmos que nunca havia tido antes. Foi quando dois homens se olharam e sinalizaram.
Um homem com a boca desfigurada, sem um braço, com o nariz queimado e de cabelo raspado puxou a corda.
  Foram ouvidos, nos seguintes trinta segundos, ruídos das juntas do pescoço se descolando. Havia um maremoto de sangue saindo da sua tão apreciada carne.
  Rapina acordou repentinamente e um pouco tonta. Que sonho esquisito, pensou ela. Havia tido muito trabalho com aquele homem e se cansara a ponto de cochilar um pouco. O que não era de costume.
Ela olhou para o lado e lá estava o corpo desfigurado em meio ao matagal do Amazonas. Sentiu uma felicidade imensa nesse momento. Teve vontade de gritar, havia feito um excelente trabalho com aquele homem. Tirou algumas fotos de vários ângulos e guardou a câmera. Mais um. Sua coleção de corpos vingados, como costumava chamar suas vítimas, estava aumentando.
  Tirou seu pequeno espelho da bolsa e viu que seu rosto continuava de um anjo, seu sorriso era de uma princesa pronta para ser cuidada. Olhou para os seios só para ter certeza de que aquelas sensações não passavam de ilusão e começou a sair da floresta. Até pensou em pegar o mapa, mas havia estado lá tantas vezes que conhecia o caminho de volta.

 
Malluco Beleza
Enviado por Malluco Beleza em 28/08/2007
Reeditado em 06/05/2014
Código do texto: T628043
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Malluco Beleza
Salvador - Bahia - Brasil, 31 anos
90 textos (7583 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 06:28)
Malluco Beleza